.Moda de Subculturas - Moda e Cultura Alternativa.: Alissa White-Gluz e os cabelos coloridos em tom fantasia na cena Metal

22 de julho de 2015

Alissa White-Gluz e os cabelos coloridos em tom fantasia na cena Metal

O aniversário de 30 anos da Alissa White-Gluz está chegando (31/07) e eu aproveito pra divagar um pouco sobre esse assunto que faz tempo que venho pensando: o uso de cabelos coloridos em tom fantasia na cena Metal.


Houve um tempo em que cabelos coloridos não eram comuns no Heavy Metal. Na cena mais extrema, costumava haver um apreço por cabelos tingidos de preto, não apenas por causa de toda a simbologia da cor escura, como por ser um contraste em populações onde cabelos loiros são os naturais de boa parte da nação. Nunca esqueço da Doro Pesch, que sempre foi loira, contando sobre as vezes que tentaram convencê-la a escurecer os cabelos porque seriam mais "de acordo" com a cena Heavy Metal, dariam à ela um ar mais "agressivo". Ela sempre negou, assumiu os loiros e até perdeu contrato por não querer mudar a estética.


Desde que adentrei na subcultura rock na adolescência, passei a me expressar pelo visual, tingi meu cabelo de ruivo laranja em fins da década de 90, o que no meu grupo de amizade foi visto como "excentricidade". Na segunda vez que tingi de ruivo, lá por 2002, eu ouvia estas perguntas quando ia nos festivais de Metal: "você realmente curte metal?", "Você é clubber?", "Curte música eletrônica?". Isso acontecia porque na época, a cor laranja era muito associada à cena eletrônica, o normal era headbangers terem cabelo preto ou vermelho cereja.
E mesmo que duvidassem de mim, eu nunca me importei se não estava no padrão "cor de cabelo do metal". Eu gostava de cabelo laranja e pronto!

É interessante pensar naquela época, pois eu não me lembro de ter alguma vocalista headbanger de cabelo colorido fantasia, somente em bandas punks e de rock em geral. Curiosamente, quem tinha usado cabelos coloridos, era um homem: Max Cavalera - sim! Um brasileiro. Sua esposa Glória também tinha cabelos coloridos, só que ela ficava nos bastidores né? Não ficava na frente do palco inspirando garotas...

Família Cavalera

Até que veio a Simone Simons... eu confesso que fiquei curiosa em saber quem era aquela moça que usava o cabelo da cor do meu. A música do Epica não é meu estilo, mas é inegável que Simone abriu as portas para meu cabelo laranja ser mais aceito na cena. Foi como se alguém famoso e popular precisasse "sacramentar" uma estética, para que passasse a ser aceita.
Vi ano após ano mais ruivas alaranjadas surgindo na cena sem ouvirem as perguntas que ouvi sobre eu não curtir metal de verdade. Assim, as perguntas sobre eu ser clubber cessaram, mas outra nasceu: "você é fã da Simone?". haha!

Isso me mostra como nosso olhar é moldado pelas imagens que recebemos. Quando um artista tem uma estética X, querendo ou não, molda a visão estética dos adeptos ou simpatizantes da subcultura. E aqui eu queria trazer o caso da cantora Alissa White-Gluz, que atualmente tem patrocínio da Manic Panic em seus cabelos. Aparentemente, igual o que aconteceu comigo, também duvidaram da paixão dela por Heavy Metal, como ela conta no texto abaixo, extraído de seu IG.

"Me dei conta agora que tenho ostentado cabelo azul por 15 anos... e pensar que todos os meus professores me disseram que eu não seria perfurada e colorida aos 30! Bom, estou chegando aos 30 (anos) e não tenho a intenção de censurar minha aparência! Se você está com vontade de se expressar visualmente usando seu corpo como uma tela, faça! Não importa o quão "cool" ou "aceitável"; seja você mesmo. Sei que às vezes pode ser um obstáculo quando se procura trabalho, mas não é impossível - eu já trabalhei para o governo no passado com o meu cabelo azul! Foi dito que meu estilo é "muito punk" para ser metal, ou "muito brilhante" para ser heavy (pesado) ... bem, foda-se! Eu sou quem eu sou, aceite ou dê o fora.

Foto promocional da Alissa para Manic Panic

A inserção de novos elementos em estéticas tradicionais alternativas sempre existiu, mas de forma lenta. Hoje é em ritmo super acelerado. A estética advinda de subculturas evolui porque é viva, é feita por pessoas. 
Quem insere novos elementos* pode ser mal visto pelos que não entendem ou não aceitam o apelo da novidade, não tem a cabeça aberta o suficiente pra aceitar essas inovações ou não conseguem acompanhar de onde vem tudo isso.

O metal extremo talvez seja uma das cenas mais conservadoras em termos de estética, sendo que as roupas femininas foram por muito tempo uma variação do traje masculino. Tanto que até hoje as meninas que ouvem esse som tem uma estética reconhecível de calças justas ou leggings + blusas e acessórios grandes com spikes e cabelos escuros. Mas em tempos recentes até Sabina Classen do Holy Moses já sobe no palco de minissaia, deixando aos poucos a feminilidade invadir a cena. 

Alissa tem um estilo bem particular, com peças rasgadas, meia arrastão, amarrações, studs... bem mais próximo do conceito "Punk" do que do Metal. E se pensarmos bem, na cena punk, as meninas sempre foram muito feministas (não no sentido erudito, mas de vivência) e nós vemos cada vez mais um aumento dessa atitude punk tanto na estética quanto no comportamento das meninas do metal, mostrando que as mulheres estão ousando vestir seus próprios estilos sem depender tanto dos estereótipos do passado, não aceitando a objetificação tão facilmente ao mesmo tempo em que o conceito tradicional de feminilidade passa a ter mais espaço no Heavy Metal onde normalmente as meninas se masculinizavam ou criavam visuais agressivos para serem aceitas.
Outra coisa que notei na Alissa foi que ela saiu de uma banda menor e foi pra uma banda mainstream, mas não amenizou nem suavizou seu estilo, pelo contrário, está bem mais elaborado!

O estilo próprio de Alissa se destaca quando comparado ao visual mais "dark" e agressivo, típicos do Heavy Hetal, de seus colegas de banda. O visual dela é mais colorido, com elementos punk.

Além dos cabelos coloridos em tons fantasia, Alissa usa roupas de lojas alternativas.
Aqui, vestido Lip Service com uma estampa holográfica e New Rock Boots.

A experimentação estética na cena metal, costuma vir dos estilos sonoros menos tradicionais e que por vezes sofrem preconceito dentro da própria cena, como os estilos dentro da classificação "melódico", "core" (ex: metalcore)  e "nu". Estes estilos, assim como as estéticas que quebram regras, provocam debates de amor e ódio sobre se aquilo é aceitável ou não, "Tr00 ou False Metal/Poser". 

Em tempos recentes, Corey Taylor, da banda de "nu-metal" Slipknot ostentou uma cabeleira rosa e azul. Os subestilos do Heavy Metal que têm mais abertura e aceitação à novas estéticas costumam ser os que flertam com sonoridades "externas" como punk, hip hop, industrial etc...



Eu entendo que o processo de aceitação do novo, dentro de uma estética alternativa mais conservadora, é facilitada pela popularização da estética dos artistas da cena. 
Por mais que já estejamos usando cabelo colorido em tons fantasia há tempos, sinto que sempre virá alguém duvidar se realmente curtimos aquele som, pois quebrar um padrão estético pré estabelecido, pode não parecer, mas é ousado! Quem dá o primeiro passo vai ouvir muita coisa... E quando um artista passa a inspirar pessoas, aos poucos a mente vai se abrindo, pois a influencia dos famosos é muito grande. Sempre existe o julgamento pela aparência, é instintivo do ser humano, uma defesa contra o diferente, contra o que ainda não se compreende.

E vocês, tem opiniões sobre a inserção dos cabelos em cores fantasia na cena Metal?
Conhecem pessoas/artistas coloridos?
O que pensam da inserção de novos elementos estéticos em estilos tradicionais?
É fácil ou mais difícil pra você aceitar mudanças?

*N.do.A: novos elementos e não mistura de elementos já existentes.


Gosta do Moda de Subculturas?
Acompanhe nossos links:
Google + Facebook Instagram Bloglovin´ Tumblr


  • 13Blogger Comment
  • Google+ Comment
  • Facebook Comment
  • Disqus Comment

13 Comments

  1. Confesso que acho engraçado esse conservadorismo "de cores" no metal. Entretanto onde moro, no interior do Rio de Janeiro, é mais fácil de ver meninas coloridas (meninos ainda é raro) e que curtem metal, ao mesmo tempo que há uma predominância de vermelhos de variadas cores (desde o mais escuro, um tom de vinho até o vermelho-fósforo). Mas adorei a atitude da Alissa em se reafirmar e tal, mesmo tocando hoje em uma banda de death metal. Enfim, me espanta de verdade essa parte mais 'conservadora'. Adorei o post! Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que interessante Myrix, então você vê bastante meninas coloridas que gostam de metal por aí!! Bom saber! :D
      Sabe que não me espanta tanto o conservadorismo? Porque sempre vão existir os tradicionais em qualquer nível da sociedade. O que me espanta é a intolerância.
      É possível ser conservador e simplesmente ignorar o novo e viver sua vida. Mas não entendo o motivo de ser conservador e precisar ficar arranjando treta ou atazanando a vida dos que inovam.
      Há espaço pra tudo e todos na cena alternativa e tolerância entre as diferenças é fundamental pra cena toda crescer, e isso foi uma coisa legal do Arch Enemy/Alissa: não forçaram ela a mudar de estilo e nem ela, mulher, se diminuiu por entrar numa banda maior.
      Obrigada pelo depoimento e Bjss!

      Excluir
    2. Eu falei o sentido de conservadora no sentido que você disse mesmo de ser mais fechado a.k.a. intolerante sabe? Porque o Metal, no geral, tem me decepcionado em algumas coisas, mas paciência né? Hahaha.

      Eu digo isso, porque perto de onde moro, teve o Festival de Rock Humanitário e foi fácil encontrar pessoas "mais variadas" tipo saindo da parada de cabelo preto, apenas. Tinham pessoas com tranças (e eu hoje, me incluo nessa hahaha), com cabelos de coloridos além do vermelho, o que achei muito legal. Na verdade aqui é de certa forma bem democrático. E é muito legal isso.

      Pô até esqueci, mas devo parabenizar pelo post. Tenho fuçado mais o site e só achei coisas muito legais aqui! Parabéns! Beijo.

      Excluir
  2. Eu nunca consegui entender essa dificuldade das pessoas desse meio em aceitarem o cabelo colorido. Não sei se porque pra mim essa coisa de cabelo colorido sempre me pareceu mais agressiva do que kawai, mas eu achava que exatamente por ser tão diferente, tão chocante, que seria bem aceito, já que a ideia desse estilo é ir contra o que é "normal". Lembrando que quando vi cabelo colorido pela primeira vez, não tava bem longe dele ser modinha entre os alternativos.
    Mas enfim, como você mesma disse no texto, sempre haverão os que não aceitam o novo, o diferente. Seja em qualquer meio.
    E que hajam mais coloridos por aí! (saudades das minhas cores...)
    bjin

    http://monevenzel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que é porque cabelo colorido não "nasceu" com a cena Metal, veio da cena punk... então são conceitos estéticos diferentes os dos dois grupos.
      Sim, com certeza, concordo! Cabelo colorido tinha essa pegada agressiva, era algo chocante! Hoje já tem um apelo mais kawaii e até sensual, modernoso...
      E que hajam muitos mais cabelos azuis para a sereia Mone! Que assim seja! hahaha!
      Bjss

      Excluir
  3. Particularmente eu adorei o estilo da Alissa. Tudo bem que não fiquei feliz com a saída da Angela, mas acho que ela foi bem substituída. E acho engraçado ter preconceito dentro da moda alternativa. Já cogitei em ir toda rosa num show de metal, mas tenho medo da reação da galera :D

    Eu adoro misturas. Adooooro. Só em algo como orquestra ficaria estranho pq chamaria atenção demais um individuo de cor fantasia, a não ser que fosse o solista.

    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hmmmm acho que seria MEGA ousado (e corajoso) ir de rosa num show de Metal. Porque é aquela coisa né... é seu estilo individual, mas você estará num ambiente com um mínimo de regras de estilo... Tipo ir de terno na praia ou ir trabalhar de biquini... sabe? Quando o visual meio que não é exatamente o esperado pro ambiente?
      Também fiquei triste com a saída da Angela, ela tinha baita personalidade, mas ela ter indicado a Alissa já é algo super legauls.
      ^-^

      Excluir
    2. Na verdade nem tenho muita roupa rosa, mas pensei mesmo para ser fácil de ser localizada e para ver reações alheias. Mas atualmente tenho medo de ir em show msm por causa de roda punk :/ Deixei de ir no show do Angra que foi um dia antes do meu niver por causa disso: eu garota, magrela, sozinha ... e se começasse roda punk do meu lado? @_@~
      E eu iria de vermelho pq é uma cor aceita no grupo sem ficar mto "wtf" xD

      Excluir
    3. Ah, a ideia do rosa tb é para ficar algo como... Lady Baby
      http://static1.squarespace.com/static/51b16e22e4b0faad63b88117/t/5514f16be4b0ad84141f7140/1427435889682/Lady+Baby+idol+unit
      8D' Recomendo caçar o clipe para você entender melhor qual é a do cara barbudo, que pessoalmente, achei fantástico. xD

      Excluir
  4. Eu acho bacana essa mudança mostra originalidade e personalidade e claro que a maioria ja segue um padrão tanto pelo fato de se sentir bem quanto para seguir um pre-determinismo ja criado.
    Mas vivemos uma era de tantas tranformações porque não mudar também ne .rs
    beijos

    http://www.cherryacessorioseafins.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza Simone! Quem se sente bem no padrão deve segui-lo e quem gosta de variar, também! Só não pode ter treta entre esse pessoal haha! Respeito às diferenças sempre! ;)

      Excluir
  5. Existe fundamentalismo em tudo, né? Hahahaha. Impressionante...
    Confesso que tenho amizades em quase todos os tipos de rolês, mas sempre senti uma aversão da galera metal para com os punks por conta desses "choques culturais". No punk a homossexualidade já era aceitável há décadas, enquanto na cena metaleira havia uma certa pressão para que os caras fossem bem "machos". Meu melhor amigo (cujo apelido é Heavy, bem original AHHAAH) sofreu muito antes de sair do armário por conta do medo de represália do pessoal da banda dele. Felizmente, os tempos mudaram e até as cenas mais conservadoras do rock estão revendo seus conceitos.
    E se isso se aplica a questões complexas, também se aplica no fator cores de cabelo. Achei essa moça uma diva inovadora e a atitude dela tocar o F* vale mais do que reclamações dos conservadores, hehehe.

    Beijão, AMEI o tema =*

    Faroeste Manolo
    Página Facebook

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Existe sim quem queira impor suas visões ao todo! E os do Metal são os mais conservadores mesmo, o punk esteve à frente em diversas questões.
      Também achei super ela manter o cabelo coloridão ao invés de colocar preto ou loiro... teve muita personalidade!!
      Bjs Hell!

      Excluir

Obrigada por comentar! As respostas serão dadas aqui mesmo, então não esquece de clicar no botão "notifique-me" pra ser informada.

comments powered by Disqus
Pin It button on image hover