.Moda de Subculturas - Moda e Cultura Alternativa.: Uma reflexão sobre plágios, preços e criações

18 de agosto de 2015

Uma reflexão sobre plágios, preços e criações


Este é um assunto muito delicado, porém necessita ser abordado. Outro dia encontrei o vídeo da Dhy, da marca Dhy Ngetal, onde ela fala das cópias que vem enfrentando sobre suas criações artesanais. O depoimento sensibiliza pelo desabafo da artesã e chama a atenção para o fato de que a atitude ainda é muito frequente por aqui.

Um grande diferencial do mercado alternativo é a forma como ele produz: criações próprias que muitas das vezes são feitas de forma artesanal ou pouca escala. São pequenas empresas ou artesãos que trabalham num país de altos impostos e que enfrentam o dilema de oferecer um produto de qualidade com preço acessível. Só que, fabricar algo que se inicia desde a concepção do design até a escolha da embalagem, nem sempre irá resultar num valor barato para os nossos padrões salariais e de despesas. E aí que vem a grande questão: comprar o original e pagar pelo o que é cobrado ou encontrar alguém que reproduza por um preço mais em conta?


Diante desse ponto, levanto a reflexão sobre um problema ocorrente e que vem sendo tratado como se fosse algo bobo, inocente, o intuito é tentar esclarecer o porquê paga-se mais caro por um produto autoral e conscientizar sobre as consequências das cópias para quem cria.


Acreditamos que boas ideias devem ser divulgadas para que cheguem à seu público. Não há nada mais legal do que ver uma peça circulando e seu criador sendo recompensado por isso! Na Moda Alternativa, as marcas costumam ter a personalidade de seus criadores, afinal todo mundo tem uma personalidade, certo?? É por esse motivo que o plágio não faz sentido.



O que é plágio?
Plágio não é uma simples cópia, é apropriação indevida da obra intelectual de outra pessoa.
Você é um designer e imagina algo por muito tempo, investe grana e tempo pra fazer aquilo sair do papel. Consegue realizar sua ideia e colocá-la à venda. O produto é um sucesso! De repente, alguém pega seu produto, descobre como copiá-lo e passa a vendê-lo também. Passa-se a copiar a identidade de sua marca, o que configura plágio. Imagine que passam a vender sob encomenda ou em varejo estes plágios de seus produtos - algo que você sempre manteve exclusivo pra seus clientes, afinal: suas criações.


Por que o plágio é mais barato?

Porque o plágio é uma ideia pronta. Não tem o trabalho intelectual, a arte da criação, possíveis perdas financeiras com os erros até a peça dar certo. Quando você analisar o preço de um produto de uma loja alternativa, nunca se esqueça que por trás dele teve uma pessoa que dedicou um tempo de sua criatividade pra tornar aquilo real. E note também a qualidade do processo artesanal.
Por esses motivos, o plágio é mais barato. Mas baixo preço não pode justificar falta de ética.

"Não tenho grana sobrando então compro o plágio."

Acredito que isso vai da ética de cada um. Todos temos a opção de “pagar mais barato” ou apoiar o criador da ideia pagando o preço pela arte dele. Aliado à falta de cultura de moda, infelizmente nosso sistema consumista de "ter" pelo simples fato de satisfazer uma vaidade, pode nos cegar a respeito de julgar a ética e o consumo consciente.

"Ah é só uma cópia, a loja original já tá faturando mesmo".
Acham que empresário alternativo no Brasil, que cria suas próprias peças, ganha tanto dinheiro assim? Uma breve análise de quantas marcas alts abriram e fecharam as portas nos últimos anos; quantas seus donos ainda tem um emprego tradicional pra se manter; quantas pessoas sentem extrema dificuldade de ganhar mercado com seus produtos próprios mostram o contrário. Arte, trabalho intelectual, artesanal e criatividade não são exatamente valorizados no Br... Conquistar mercado é uma tarefa árdua. Pegar algo que já existe, que faz sucesso e reproduzir, acaba sendo o caminho mais fácil.



“Não peçam a cópia idêntica da peça de um designer para outra pessoa.
Por ética profissional, não se copia! Não há lado bom em cópia.
Estas foram as palavras da Dhy, que é artesã e vem passando por um processo de cópias de seus produtos. Gostaria que vocês assistissem o vídeo onde explica como ela lida com esta situação e como é seu processo de criação artesanal:



Plagiar é um ato muito sério, pode dar processo. Tanto com os desenhos registrados pelo designer quanto o logo na imagem do produto na loja já é possível processar o plagiador.
O plágio desmerece o trabalho de quem criou, acarreta problemas psicológicos em quem inventou aquela peça e viu ali a sua ideia roubada. Hoje, com o poder da internet, mais cedo ou mais tarde as pessoas vão descobrir quem são os plagiadores. Existe realização pessoal no ato do plágio? É satisfatório sugar a visão de alguém criativo? Fazendo mal uso do jeitinho brasileiro, fica difícil ir pra rua exigindo um país melhor, com mais ética se na vida real não a praticamos... A concorrência de mercado precisa existir sim, mas de forma honesta.

Se você plagia: pare e comece a criar suas próprias ideias! Eu acredito que você tem uma personalidade, você tem capacidade de transformá-la em arte e criações próprias! Confiem mais em si mesmos! Confiem em suas capacidades.


Espero que os clientes encontrem a fonte real das criações, que são muito dignas de serem usadas e desfrutadas
. Se elas custam o preço que custam, é porque existe todo um trabalho sério e dedicado por trás. Sendo eu, também, uma designer alternativa por hobbie, acho que precisamos ajudar uns aos outros, pois o espaço existe pra todo mundo que ousa se auto expressar honestamente.

Na moda alternativa você tem a liberdade de criar o que quiser, sem precisar se basear em estilos ou peças já existentes. É onde pode exercer sua criatividade plenamente! 


*P.S: Não confundir peças básicas com cópia ou plágio de peças de estilo, ex: legging preta - peça básica que qualquer loja pode fazer.


Gosta do Moda de Subculturas?
Acompanhe nossos links:
Google + Facebook Instagram Bloglovin´ Tumblr

Gostou deste artigo ou de alguma outra postagem do blog? Pode divulgar!
Nos dedicamos a oferecer conteúdo autoral. Sua ajuda na divulgação de artigos que gostou pode fortalecer a moda alternativa, já que informação acaba com a ignorância e nós queremos que ela seja levada à sério e tratada com o devido respeito! 
  • 6Blogger Comment
  • Google+ Comment
  • Facebook Comment
  • Disqus Comment

6 Comments

  1. Gostei da proposta do post que, infelizmente, é algo corriqueiro. :(

    Mas tem uma coisa que sempre foi uma discussão no meio lolita: réplica de um vestido que saiu de linha... é algo ruim ou não? A pessoa procurou e não tem nem em brechó. Daí tem as que defendem que aí sim pode réplica e as que falam que não, em hipótese alguma.

    Eu já fiz acessórios inspirado em outros, colocando o meu estilo, mas nunca tentei fazer cópia.
    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ichigo, não sei sobre o lance de ter saído de linha - vou ter que pesquisar pra te responder com certeza. No plágio precisa ter além da cópia descarada, o "roubo" da identidade da marca, acaba sendo meio subjetivo, mas tem esse fator a se considerar.
      Se esse vestido que você fala não é parte da identidade da marca, é apenas uma peça de coleção, o que seria feito seria uma cópia ou uma reprodução (segue à risca o original). Se houver modificação nos tecidos, cores e materiais, é réplica.
      O que se fala muito é que, se você vai fazer uma cópia pra você, é uma coisa. Agora, se você vai fazer uma cópia pra revender, comercializar daí já complica porque você estará tirando lucro de algo que na teoria não é teu.
      Por isso é super complicado falar de cópias pois há diversas situações a serem analisadas.
      Bjs!

      Excluir
  2. Excelente post! Temos que lançar uma luz na questão, que muitas vezes passa batido. Eu mesma me pego muitas vezes frente a roupas de valor menor, que sei que são cópias, e os dedos me coçam. Mas, assim como as compras na China, eu não levo em frente. Se quero um Brasil sem corrupção, preciso corrigir minha própria falta de ética sendo mais correta.
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Vívien! :)
      Essa coceira realmente existe se vem com questionamentos que nos fazem refletir: melhor ainda! Eu sempre penso na Vivienne Westwood que diz: consuma menos e peças que sejam duráveis. E se for pra valorizar alguém criativo, melhor ainda.

      Excluir
  3. Muito bom o texto!
    Também vi esse vídeo da Dhy e fiquei pensando sobre o assunto. (A propósito, adoro o trabalho dela!)
    É realmente bem complicado essa coisa de plágio. Desde um trabalho universitário à um trabalho criativo e fonte de renda. As pessoas tem capacidades tão ilimitadas, porque não usar isso para o bem, né!?
    Ao invés de usar a cabeça pra tentar copiar algo do outro, porque não tenta criar algo próprio. No final será muito mais prazeroso. Mas como você disse, essa coisa do jeitinho brasileiro que tá impregnado nas pessoas só atrapalha. Querer as coisas sempre da forma mais fácil (e barato, no caso), mesmo que prejudique outras pessoas e ainda querer ganhar em cima da ideia do outro e não estar nem aí pra isso é muita falta de caráter.
    bjin

    http://monevenzel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade Mone, as pessoas precisam acreditar mais em suas capacidades! É possível se inspirar, pegar como referência mas pra quê plagiar e prejudicar o trabalho de alguém criativo?
      Pior é ver os plagiadores nas redes sociais reclamando que estão sendo copiados... oi? Quem sabe doendo na pele eles se toquem né? Tem espaço pra todo mundo, só se precisa confiar mais em si mesmos e ter vontade de crescer sem pisar nos outros!
      Bjs e obrigada por comentar sempre ;D

      Excluir

Obrigada por comentar! As respostas serão dadas aqui mesmo, então não esquece de clicar no botão "notifique-me" pra ser informada.

comments powered by Disqus

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pin It button on image hover