.Moda de Subculturas - Moda e Cultura Alternativa.: Subculturas e o conceito de individualidade (parte 3): O revivalismo nostálgico

13 de dezembro de 2015

Subculturas e o conceito de individualidade (parte 3): O revivalismo nostálgico

Este post finaliza a análise sobre Subculturas e Individualismo. A primeira e segunda partes vocês podem ler clicando nos links abaixo:




O revivalismo nostálgico
Existem mais góticos atualmente do que na década de 1980.
Hoje, um jovem de 20 anos pode saber tanto sobre subcultura gótica como se tivesse vivido em 1983. E como ele consegue? Com a ajuda da tecnologia.

Chegamos agora na análise sobre a geração Y, geração jovem atual que nasceu cercada de mídia e tecnologia num mundo pós moderno. Além de conhecerem as subculturas através da mídia e da internet, já as receberam (ideologia e estética) pulverizadas da Geração X - que podem ser seus tios, pais ou irmãos mais velhos. As informações sobre subculturas nunca estiveram tão acessíveis quanto agora.

uma versão atual do pós punk

Hoje, na pós modernidade focada no ciclo de produção e consumo, os gostos dos jovens mudam tão rápido que eles não ficam num estilo de moda por muito tempo. É uma geração que não quer ser rotulada nem categorizada, porque o passado e o futuro são tão fluidos que o que importa é o "agora".

Fazer parte de um grupo não é importante porque eles se sentem presos, já que nasceram numa sociedade onde nada é fixo e tudo é mutável. Enquanto que para a geração Baby Boomer e para a X, as subculturas eram um meio de encontrar semelhantes, dividir opiniões em comum e mostrar para a sociedade através das roupas que eram diferentes, a geração Y não faz tanta questão de se descolar da sociedade, pois o sistema individualista serve à eles em tudo que eles necessitam em termos de consumo e bem estar. Eles releem a moda das subculturas de uma forma revivalista e nostálgica, mantendo distância das ideologias. 

Fernanda Lira, da banda Nervosa, num exemplo do retrô no Heavy Metal: ela usa um look que é releitura do que headbangers usavam na década de 1980.
 

Blade Runner, um filme pós-moderno parece ter tudo a ver com o "revivalismo nostálgico". Na obra, lançada em 1982, apenas 3 anos após "o fim" dos primeiros punks (com a morte de Sid Vicious), o futuro foi retratado em modas do passado. Replicantes e humanos vestiam trajes que lembravam tanto a glamourosa década de 1930 quanto os punks de 1970. Pessoas diferentes dividem o mesmo espaço, não dá pra saber quem é humano e quem é replicante. As aparências enganam, assim como hoje, não sabemos quem é alternativo e quem é fashionista ao fazer uma observação superficial de seus looks.


Personagem Pris, Blade Runner: referência punk num filme ícone do pós modernismo

As tendências alternativas da geração Y nascem e se proliferam no meio virtual. Os visuais atuais não são controversos, ao contrário, são bem "redondinhos". Se anos atrás Londres e Tóquio ditavam moda, hoje é o meio virtual. O Pastel Goth, o Seapunk, a trend Witchy, a boho, o Strega e a trend ocultista não nasceram num lugar físico, mas no virtual. Assim como a recente onda de meninas com cabelo escuro, franjinha pin-up, fãs de Mortícia, Vampira, fetichismo e de filmes de terror antigos. Esse tipo de comportamento é compreendido pelo modo que vivemos hoje, onde a imagem impactante é uma moeda valorizada. Assim, criar para si uma imagem rebelde, diferente ou absolutamente cool adquirida por pesquisas na internet e não mais por convivência ou troca de informações com outras pessoas, se torna o símbolo dessa geração tecnológica. 

Jovens que não são parte de uma subcultura, mas reproduzem estéticas subculturais variadas, esforçando-se para desfazer estereótipos da mídia em visuais que são sombras do passado, é um fato bocado complexo, por vezes contraditório e ao mesmo tempo fascinante de estudar.

"Releitura" Deathrock

E isso parece confundir alguns jovens também, "Não me identifico com nenhuma subcultura, tem algo errado comigo?"
A minha resposta seria: você é um jovem pós moderno que não viveu a era das subculturas em sua forma mais "pura" e portanto elas não fazem tanto sentido pra você, já que nosso contexto histórico atual é diferente de 30 anos atrás. Você também pegou a moda das subculturas já pasteurizadas pelo sistema. Amenizadas e massificadas. Você não precisa de um grupo ou de fazer amizade com pessoas pra adquirir conhecimento sobre um estilo, você sozinha em casa, pesquisa tudo no seu computador. Não precisa fazer DIY em suas roupas, você encontrará em lojas de departamento boa parte do que precisa. Ou quem sabe, importará da China. De alguma forma, aprendeu que é "normal" ver uma peça punk à venda na Renner. Ou peça fetichista na Zara. Para a geração baby boomer isso seria inconcebível. E para a geração X, "estranho". Para a geração Y, além de normal, é banal e aceitável, para alguns até desejável que mais e mais peças alternativas estejam em lojas mainstream. Essa mudança de mentalidade do jovem, ilustra bem como nosso conceito de individualismo atual é mais focado no consumo e na importância de formar uma autenticidade a qualquer preço.

Alguns antropólogos* estudiosos de culturas juvenis, chamam esse ato de  mudar de estética várias vezes de "promiscuidade subcultural e estilística". Punks num dia, hippies no outro, góticos no seguinte. Estilos contraditórios que vão de cyberpunk à pin-up na mesma semana. Não à toa, pastel goths e até mesmo os hipsters já estão desaparecendo. É hora de migrar pra outro estilo ainda não popularizado. 

Geração Y: mistura de estilos

Sombras dos estilos das subculturas do passado são vistas hoje nas ruas,
mas o que foi criado como nova estética alternativa?

 

Nossos pais e até avós estão vivendo mais, prolongando suas "juventudes". É comum que pais e filhos tenham o mesmo gosto musical. Então, por que os jovens atuais sentiriam necessidade de se rebelar se o sistema serve à eles? Se não há conflito com seus pais, se podem estudar, ter acesso ao que querem com o poder do consumo; se num celular eles conseguem se manter ocupados (lembrem que no passado era comum os jovens não terem o que fazer e sofriam de tédio)?
As subculturas então, viraram herança cultural, afinal, que tipo de rebeldia pode um adolescente ter hoje se seus pais foram punks?



Por que alguém optaria por adentrar num grupo?
Ser parte de uma tribo é uma das origens da natureza humana, assim evoluímos, os mais fortes sobrevivendo. Como nossos ancestrais, ser parte de um grupo, trás a sensação de pertencimento.
Enquanto a maioria dos adeptos de uma determinada subcultura se conhecem e interagem, a geração Y e seu estilo mutante é unida pela mídia, música, internet e referências imagéticas de estilo,
interagir fisicamente entre si não é o foco.


Comparação interessante entre tribo primitiva e a "tribo" punk. 
Em comum: a convivência em grupo.
 
Quando você tem uma sociedade ultra individualista, submissão não é algo facilmente aceitável, por isso existe a negação de rótulos, categorias e classificações. As pessoas não querem ser colocadas em "caixas".


E talvez, com o extremo individualismo da pós modernidade, por não interagir tanto mais com as pessoas, não aprender com outras pessoas (aprender sozinhos via web) estejamos carentes de pertencimento e por isso estejamos ficando infelizes e com uma sensação de solidão?

Curiosamente, uma das tendências atuais é o consumo compartilhado. Estilistas têm falado em seus desfiles sobre ser parte de um grupo. Na Europa nunca teve tanta exposição sobre subculturas, como se, de repente, elas estivessem finalmente sendo reconhecidas por sua importância. Por que estas pessoas importantes, museus e galerias estão voltando seus interesses às subculturas? Será que perceberam que elas têm muito mais a nos ensinar?

Jordan em '77.
E esse brinco de cruz invertida, super trendy hoje, né?


Política se trata de coletivo
Precisamos do grupo para podermos mudar as coisas que nos incomodam na sociedade. Quando se trata de política, é importante lembrar que muitas vezes temos que passar por cima das nossas opiniões pessoais, porque mudança social não envolve uma pessoa só, envolve o coletivo. Viver em sociedade significa cada um fazer sua parte para o bem comum e isso às vezes significa perda de privilégios em troca de ganho social (comum em países com mais qualidade de vida). 

Será que no fundo todos queremos união na cena alternativa mas não sabemos como "neutralizar" nossa individualidade em prol do bem comum? Como se tornar menos consumista numa sociedade em que tudo é comprável? Como manter a individualidade sem se tornar egocêntrico ou egoísta? Pessoas estão tomando um caminho narcisista sobre o individualismo, só dão atenção àqueles que os idolatram e que possuem algum interesse. Se você não tem nada a acrescentar - no sentido material ou de alimentar o ego e o status do narcisista, sua amizade não interessa à ele. Onde vamos parar com cada um no seu canto, reclamando da vida, esperando um like e ficando deprimido quando seu ego não é alimentado? O que estamos fazendo com o riquíssimo legado das subculturas sobre amizade e companheirismo?
 

No passado, a moda de rua e as subculturas uniam as pessoas que se sentiam diferentes.
Ainda dá tempo de nos vermos como seres ativos, que mesmo diferentes, unidos seremos capazes das mudanças sociais que queremos. A gente só precisa pensar se o sistema atual é o que desejamos pro resto de nossas vidas. Como o mundo virtual pode ser usado pra reunir as pessoas e não afastá-las e como podemos usar nossa individualidade de uma forma que não seja nociva.

 Punxs felizes (década de 80)




Acompanhe nossas mídias sociais: 
Instagram - Facebook - Twitter - Tumblr - Pinterest - Google +  - Bloglovin´

* Muggleton-Polhemus

Direitos autorais:
Artigo das autoras do Moda de Subculturas.
É permitido usar trechos do texto como referência em seus sites ou trabalhos, para isso precisa obrigatoriamente linkar o artigo do blog como fonte. Compartilhar e linkar é permitido, sendo formas justas de reconhecer nosso trabalho. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo aqui presente sem autorização prévia. É proibido também a cópia da ideia, contexto e formato de artigo. Plágios serão notificados a serem retirados do ar (lei nº 9.610). As fotos pertencem à seus respectivos donos, porém, a seleção e as montagens de imagens foram feitas por nós baseadas no contexto dos textos. 
  • 8Blogger Comment
  • Google+ Comment
  • Facebook Comment
  • Disqus Comment

8 Comments

  1. Confesso que fico um pouco chateada quando entro em uma loja comum de departamento e vejo cópias de peças alternativas. Há dez anos quem não tinha internet (como eu) tinha que customizar suas roupas e fazer seus acessórios. Hoje para seguir a estética alternativa basta ter dinheiro no bolso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, hoje tendo dinheiro você vira o que quiser, até "alternativo".
      O lado ruim é que a gente perdeu o hábito de customizar e perdeu aquela relação mais "emocional" que a gente tinha com as roupas que tanto custávamos a conseguir - hoje tudo virou descartável.

      Excluir
  2. Ótima análise, Sana!
    E adorei o termo "promiscuidade subcultural", vou começar a usar, conheço alguns ex-"góticos" convertidos ao hipsterismo hahaha...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Freon!
      hahahaahaha! Eu tb achei o termo muito pertinente!

      Excluir
  3. Acho que já sou geração Y né? Não sei bem.
    Mas me identifiquei com muitas partes no texto que fala sobre essa geração.
    Mas mesmo sendo geração Y, acho que tenho um pouquinho de geração X em mim, porque eu sinto falta dessa coisa de grupo, sabe? Como eu disse no post anterior, quando eu comecei a frequentar a cerna alternativa, era esse tipo de coisa que eu esperava. Essa união dos diferentes para conversar, fazer amizades, tentar mudar o que achávamos que estava errado na sociedade...
    Mas é como você disse no texto também, as pessoas não tem muito pelo que lutar hoje, já que o sistema está favorecendo a elas também. E é a luta que une as pessoas. Apesar que ao meu ver temos sim muito pelo que lutar ainda. Mas tá todo mundo muito acomodado. Admito que eu também estou. A verdade é essa. Ninguém quer sair da tela do computador pra ir a rua protestar por qualquer coisa que seja. Nem mesmo pra sentar na praça e jogar conversa fora, vestidos do jeito que gostam, só pra chocar mesmo. Sinto falta dessas coisas. E pior, sinto falta de pessoas pra fazer esse tipo de coisa.
    Enfim, pena que acabou a "série". Tava gostando ^^
    bjin

    http://monevenzel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredito que você seja Y Mone, porque você é mais nova que eu. Eu dependendo do estudo sou categorizada como X ou como Y, porque nasci na época da transição, então tenho características das 2 gerações, peguei a era pré internet (x) e a da internet (y). Mas acredito que seja possível vc ter características das 2 também, pq outros fatores influenciam como o ambiente, personalidade e os valores.
      Sim, o sistema favorece que a gente se acomode. É tipo aquela frase que dizem que a pessoa só se incomoda quando perde os privilégios. Então enquanto se sentem privilegiados, vão se revoltar com o quê né? O que é um tremendo engano porque enquanto estamos acomodados alguém está nos usando e manipulando. A gente tem que aproveitar a internet e fazer os protestos virtuais serem reconhecidos oficialmente, fazer deles algo tão válido quanto os de rua, só que deve ter um monte de político com medo disso virar realidade...

      Uma coisa que me choca é ver jovens que colocam visual mas não querem ser olhados na rua. Oi?? Mas o visu é pra isso mesmo, pra desafiar a ordem e incomodar pessoas. Sair na rua e ninguém te olhar, você não incomodar é um bocado entediante, não? rsrs ;D

      Excluir
  4. Sempre que vou pesquisar um assunto especifico procuro diversas fontes de informação, principalmente online. E o que geralmente acontece é achar exatamente o mesmo texto no estilo "copy & paste" em uma infinidade de sites e blogs. Um serviço de total desinformação. Fico feliz de finalmente ter achado um blog que tem conteúdos realmente autorais e informativos, quando os 90% restante só se dão ao trabalho de copiar o conteúdo do Wikipedia. PARABÉNS PELO BLOG!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Nathy!!! <3
      Copy & paste a gente não faz não, odiamos isso hahaha!

      Excluir

Obrigada por comentar! As respostas serão dadas aqui mesmo, então não esquece de clicar no botão "notifique-me" pra ser informada.

comments powered by Disqus
Pin It button on image hover