.Moda de Subculturas - Moda e Cultura Alternativa.: Joe Corré, filho de Vivienne Westwood e Malcolm McLaren queima históricas peças Punks criadas por seus pais.

27 de novembro de 2016

Joe Corré, filho de Vivienne Westwood e Malcolm McLaren queima históricas peças Punks criadas por seus pais.


"O Punk se tornou ferramenta de marketing para vender algo que você não precisa. A ilusão de uma escolha alternativa. Conformidade em outro uniforme." - Joe Corré


god save the queen shirt vivienne westwood
Joe Corré queima a camiseta "God Save the Queen", criação de seus pais na década de 1970.

Como já havíamos noticiado aqui no blog no começo do ano, Joe Corré, filho de Vivienne Westwood e Malcolm McLaren anunciou que queimaria a memorabilia punk herdada de seus pais, que chega ao valor de pelo menos 5 milhões de libras.

O motivo?
A cooptação da subcultura punk pelo mainstream.

Durante todo o ano de 2016 comemorou-se os 40 anos da subcultura Punk. Dentre estas comemorações o "Punk London" foi cheio de exposições, debates e palestras em museus, na British Library e no British Film Institute. Tudo aprovado e abençoado por ela, a "God Save the Queen", Rainha Elizabeth II.

"A rainha ter dado a bênção aos 40 anos do Punk foi a coisa mais assustadora que ouvi. É a apropriação da cultura punk e alternativa pelo mainstream... Ao invés de um movimento por mudanças, o punk se tornou uma peça de museu ou de atos de tributo. O punk nunca, nunca significou ser nostálgico - e hoje você pode aprender como ser punk num workshop no Museu de Londres." - Joe Corré 


Neste sábado 26 de novembro (data do aniversário de 40 anos da subcultura na Inglaterra), Corré queimou sua memorabilia num barco no rio Tâmisa acompanhado de sua mãe Vivienne Westwood. Em terra, houve protestos de punks querendo sabotar o ato que foi transmitido por live streaming.

 Joe Corré burning punk memorabilia
memorabilia punk queimando

Além de simbolizar revolta com a apropriação da cena musical pelo mainstream, bonecos de políticos ingleses como David Cameron, Theresa May e George Osborne foram queimados vestindo as roupas históricas dos primórdios da moda punk, junto com pôsteres, álbuns, cartazes e outras peças de época.

memorabilia punk on fire
Na faixa vermelha, corporações como Monsanto, Bayer e McDonalds são criticadas.

A hipocrisia está no centro desse ato de Joe Corré. Ele disse que nos últimos 40 anos houve um sequestro da anarquia no Reino Unido. Corré pediu aos que assistiam ao espetáculo para confrontar tabus e não tolerar hipocrisias ao mesmo tempo em que ele e sua mãe alertavam sobre os perigos de uma mudança climática. Sempre engajados em causas sociais e políticas, mãe e filho aproveitaram para colocar o lado ativista em prática pedindo que as pessoas adotem energia verde, que seria o primeiro passo para um mundo livre e "a coisa mais importante que você poderia fazer em sua vida".

Dizeres no barco: "Extinção! Seu futuro"

"Londres está sendo socialmente limpa e transformada num parque temático para corporações, cadeias de lojas e especuladores que não pagam seus impostos. Algumas pessoas estão muito preocupadas com o preço desses artefatos, mas a conversa que precisamos ter é sobre valores. O Punk proporcionou uma oportunidade para que a geração dos anos 1970 criasse uma saída - não confiando na mídia, não confiando nos políticos, investigando a verdade por si mesmos - o "faça você mesmo". O punk está morto e é hora de pensar em outra coisa". - Joe Corré

Esta fala de Joe Corré sobre o Punk estar morto e ser a hora de pensar em outra coisa, se liga com a fala de Kathleen Hanna sobre o movimento Riot Grrrl. Ela também não curte a nostalgia sobre e alegou que ao invés de tentar reviver o movimento Riot era melhor a geração atual criar um novo movimento. Fica aí a reflexão sobre estarmos mesmo cooptados pelo mainstream, sobre deixarmos de questionar e simplesmente aceitar o status quo, e sobre não estarmos criando coisas novas, apenas relendo o passado.


Vivienne Westwood apoiou o ato do filho e convidou os presentes para enfrentar a hipocrisia da política e das grandes corporações. Pediu que todos se engajem em causas ambientais. Um "faça você mesmo" a mudança, chega de ficar à mercê dos poderoso$.
 climate revolution


Durante o ano, tanto John Lydon quanto fãs de punk questionaram porque ao invés de queimar, Joe Corré não vendia as peças e doaria o dinheiro à caridade?
Corré respondeu dizendo que "quem irá comprar as peças?" - que por serem relíquias, são caras - "Elas vão parar na parede de algum banqueiro". Pelo valor, as peças não seriam compradas por punks reais e sim pela elite. Justamente a elite que explora o mundo.

Tudo isso está sendo documentado para um filme e segundo Corré, 80% dos fundos serão doados para causas ambientais e de mudança climáticas. Mas ele não queimou toda sua coleção, alguns itens de valor sentimental permaneceram, como as roupas que ele ajudou sua mãe a costurar quando ainda era um garotinho.

"O Punk tem sido castrado e neutralizado pelo setor corporativo e pelo Estado. Pendurado, esticado e esquartejado. Os jovens de hoje, jovens zangados, precisam de soluções reais, não do uniforme agora conformista, higienizado e esterilizado do punk. Não tem mais moeda. O Punk perdeu toda a sua mordida."- Joe Corré

Independente de ser contra ou a favor, algumas coisas são fato: a família continua com atitude punk. Continua questionando a forma que a sociedade funciona. Continua cutucando e abordando temas relevantes.

De alguma forma, Corré e Westwood mantém vivo o legado questionador dos primeiros punks. Talvez seja realmente a hora um engajamento em causas sociais que nos identificamos. A mudança pode vir de baixo, já que os de cima -  políticos e grandes corporações - não vão eles mesmos acabar com o próprio poder.  
Punk realmente não é nostálgico, como abordei neste artigo, os jovens dos anos 70 ironizavam o passado e queriam viver de forma diferente de seus pais. Não usavam a moda, criavam uma anti-moda. Não ligavam para o conceito tradicional de beleza: as meninas cortavam cabelos curtos e faziam maquiagens chocantes. Os rapazes rasgavam roupas. 

Queimar a memorabilia acabou sendo um ato punk! 
Punks desconstruíam conceitos. A queima desconstrói a importância histórica de um objeto, da roupa de museu; desconstrói o conceito de "relíquia", algo simbólico que deve ser salvo e guardado.
O ato foi provocativo. 
Foi mais um capítulo digno de registro dos criadores da subcultura Punk na Inglaterra.

Marketing ou não, eles aproveitaram para dar um alerta real sobre problemas ambientais que nossa geração enfrentará arduamente nas próximas décadas, enfrentaremos o caos se fecharmos os olhos. 
O "no future" será nosso fardo se não mudarmos o presente.



E você, achou polêmico? É a favor, contra, tem questionamentos? Acha que o punk está morto? Acha que virou marketing e moda esvaziada de sentido? Opine à vontade!



Acompanhe nossas mídias sociais:

  • 8Blogger Comment
  • Google+ Comment
  • Facebook Comment
  • Disqus Comment

8 Comments

  1. Sendo um pouco "exagerada", parece que estou assistindo Neuromancer virar realidade.

    ResponderExcluir
  2. Sinceramente no começo não tinha gostado desse atitude. Porém agora sabendo de toda historia por trás do ato acho q faz todo o sentido.
    Amo a estética e o movimento punk. É a minha preferido dentro dos movimentos do rock.Porém concordo q precisamos criar algo novo. Entretanto tem um enorme problema nisso. Hoje em dia não se tem tempo pra criar. Tudo é pra ontem sobrando a alternativa de se reciclar o q já tá pronto. Fora q tá na moda ser diferente. Fica muito difícil formar um movimento assim. Talvez esteja na hora repensar o o q é um movimento em si.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também só entendi o sentido ontem, ao assistir o video. Ouvir as palavras de Corré e Westwood sobre os motivos fez a diferença e melhor: fez questionar!

      Sobre criar, observe que hoje no Brasil a periferia, a cultura hip hop criam movimentos e modas super interessantes sem necessariamente copiar o passado.
      Talvez a maior dificuldade seja a gente se desvencilhar do que é habitual e do que nos é imposto (como o tempo, as releituras), e aí entra o questionamento e consequentemente - quem sabe - a criação. Nos anos 70 era grupo, hoje é individualismo. Pra formar um movimento hoje é preciso unir os que pensam igual e rever a mentalidade comum dos últimos 20 anos de que grupo é algo chato. Focar no que se tem em comum e não no que se tem de diferente.

      Excluir
  3. Em pensar que eu não estava levando a serio essa historia do Joe... Achei super valida e até necessária! E com esse ato, ele mesmo (se contradizendo) provou que o punk não esta morto! Acho que ter feito isso, foi preciso. Como você mesma disse Sana, isso nos leva a questionar!

    ResponderExcluir
  4. Joe mostrando ao mundo o que é punk!
    Que matéria legal, Sana! E que bela maneira de se comemmorar os 40 anos do punk!
    Beijos!


    www.vultuspersefone.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Alertar para os problemas ambientais fazendo uma queimada, pra mim pareceu meio ilógico, já que é, queimada só piora a situação... quer destruir, blz, até concordo com os motivos dele, mas fizesse de uma forma mais limpa, digamos assim!
    bjo!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ótimo questionamento Nayara!
      Pode ser que tenham escolhido a queima por ser algo definitivo, algo que realmente destrói. Assim sendo, o impacto é bem maior.
      A luta da Vivienne é contra o aquecimento global, que é o aumento de gases na atmosfera, especialmente o dióxido de carbono (petróleo e derivados) liberados pelos carros e pela indústria. Outro problema é a pecuária. Então queimar roupas e papel acaba sendo destes males, o menor. Embora assim como você, não gosto de queimadas e por isso mesmo creio que essa atitude deles carrega uma simbologia forte. :)

      Excluir

Obrigada por comentar! As respostas serão dadas aqui mesmo, então não esquece de clicar no botão "notifique-me" pra ser informada.

comments powered by Disqus
Pin It button on image hover