.Moda de Subculturas - Moda e Cultura Alternativa.: Autoestima e Mercado Plus Size

18 de dezembro de 2016

Autoestima e Mercado Plus Size


Passei esse último semestre inteiro como voluntária num programa de estudos com jovens obesos – na verdade, virei cobaia de tese de doutorado mesmo. Enfrentei durante quase todos os meus dezoito anos de vida o desafio de perder peso o suficiente para ajustar o meu Índice de Massa Corporal e escapar daquelas piadinhas que ouvia das outras pessoas com relação ao meu corpo e, quando encontrei um programa completo de emagrecimento grátis, é claro que eu não deixei passar.

Pois bem, num belo dia tive a ideia de compartilhar com os meus colegas uns posts que falavam sobre autoestima e amor-próprio através do grupo do whatsapp, só pra dar um up na determinação de todos. Mal esperava que uma das médicas, que também estava no grupo do aplicativo, daria uma leve patada em minha pessoa. “Muito bons os posts, Aninha, padrões de beleza não têm nada a ver! Mas não podemos nos esquecer da saúde, pessoal!”, foi mais ou menos o que ela disse. 

OK, pode não parecer tão pesado, mas eu me senti bem incomodada a princípio. Não só pelo arrependimento de ter compartilhado os posts, mas também pela minha preocupação de ter feito com que me interpretassem mal – o que acontecesse muitas vezes com quem questiona a necessidade de emagrecer.

Copyright® Annah Rodrigues

Existe uma linha tênue entre emagrecer por questões de saúde e emagrecer por meras questões estéticas. Já foram constatadas inúmeras doenças que o excesso de peso pode causar e ainda tem-se o ideal de um corpo bonito ser um corpo magro/sarado. Não importa qual desses argumentos será levado em conta, as pessoas desejarão ter o corpo na linha. Mas, e quando chega alguém que se impõe contra esse fato social? Alguém que defende que a beleza não está no exterior ou até que não é preciso ser magro para ser saudável? Os outros a acusam de fazer apologia à obesidade.

Fazer apologia a algo não é condenável, afinal isso quer dizer, literalmente, que você defende uma coisa – a não ser que esse algo vá contra as normas da sociedade. É dito “normal” as pessoas almejarem o padrão magro de beleza e evitarem a todo custo fugir dele.

Agora, aonde quero chegar com essa conversa é que o mesmo acontece com as lojas Plus Size, que estariam defendendo a obesidade... Será?
Tendo em vista que o mercado de moda mainstream disponibiliza determinados tamanhos de roupa justamente pelo fato de promoverem a busca pelo ideal magro de beleza, o segmento surge nada mais nada menos como uma resposta à exclusão que esse faz de quem veste números maiores que 46. Ninguém está promovendo que as pessoas não precisam emagrecer para achar mais roupas legais que lhes sirvam, a verdadeira apologia é em relação à democracia da beleza e bem estar.

Você deve estar se perguntado: “Mas o que raios aqueles posts que você compartilhou no grupo têm a ver com isso?” É simples: assim como os posts, a iniciativa de criar um segmento que promove tal democratização também faz com que os outros tenham amor-próprio, tenham mais vaidade e sintam-se bem. 

Perdi só dez quilos – ainda me falta perder trinta – , mas parece que eu aprendi de vez como cuidar da minha saúde. Ao menos eu sei que, mesmo não tendo um corpo que me ensinaram que é mais saudável e que julgam ser bonito, posso encontrar roupas que me agradem e aumentem minha autoestima.


Autora: Annah Rodrigues
Estudante de Design e técnica em Multimídia aspirante à ilustradora. Uma colcha de retalhos ambulante: gosta desde rock e cultura alternativa até coisas de época e animes. Usa sua introversão e sentimento de (des)encaixe para refletir sobre coisas aleatórias nas horas vagas e desbrava aos pouquinhos a cena independente de São Paulo.
Instagram - Deviantart - Art Blog - Tumblr pessoal - Facebook



Acompanhe nossas mídias sociais:
Instagram FacebookTwitterTumblrPinterestGoogle +Bloglovin´



  • 1Blogger Comment
  • Google+ Comment
  • Facebook Comment
  • Disqus Comment

1 Comment

  1. Lembrei-me da campanha da C&A com uma modelo considerada "plus size" com a frase: "sou gorda, sou sexy". E na própria página lá estavam comentários de mulheres reais tanto dizendo que aquela modelo não era plus size como - o mais grave - era uma propaganda enganosa, pois a loja não oferece e nunca ofereçeu roupas de numeração acima do 46.

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar! As respostas serão dadas aqui mesmo, então não esquece de clicar no botão "notifique-me" pra ser informada.

comments powered by Disqus

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pin It button on image hover