.Moda de Subculturas - Moda e Cultura Alternativa.: Punk e Fetichismo: Conheça a história da estilista Pam Hogg

25 de fevereiro de 2017

Punk e Fetichismo: Conheça a história da estilista Pam Hogg

Gosta de usar estética fetichista sem ser fetichista de verdade? Agradeça à Pam Hogg por ter aberto esse espaço ao mundo da moda. A estilista começou a carreira ao fazer para si mesma peças extravagantes para ser aceita nas festas dos clubes londrinos do final dos anos 1970, onde várias subculturas circulavam. Sempre ligada a música, arte e moda, hoje possui status "cult" tamanha a importância de seu trabalho.



Pam Hogg: rockstar e estilista rebelde
Nascida na Escócia, tudo começou quando Hogg ganhou uma bolsa de estudos numa renomada instituição de ensino em Londres para dar continuidade ao aprendizado em Belas Artes. Suas criações seriam influenciadas pelos movimentos punk e clubber que tomaram a capital inglesa em meados da década de 1970. Autodidata, começou a vender suas peças para amigos fazendo toda a produção sozinha.

"Eu não tinha intenção de ser designer de moda. Eu estava fazendo minhas próprias roupas desde tenra idade, então foi apenas algo que veio naturalmente para mim."


No início de 1980, Hogg lançou sua primeira coleção, que logo permitiu a criação de sua primeira butique com apoio de amigos próximos, e assim começou a produzir pequenas coleções vendendo-as para Harrolds, Bloomingdales e lojas independentes de Paris à Tóquio. Devido à seu posicionamento e método de trabalho independente, manteve-se afastada da indústria da moda mainstream e vem mantendo esse mesmo foco até os dias de hoje. A confecção das roupas é toda artesanal, sem seguir modismos, com reaproveitamento de tecidos e recebendo ajuda na costura de até três estudantes quando próximo à data da apresentação nas passarelas, sendo uma das poucas estilistas do mundo que produz ela mesma todas as roupas. Seu primeiro desfile solo só ocorre em 1985, "And God Created Woman", onde ganhou atenção da imprensa.

"Eu trabalho com minhas próprias regras. Não tento ser diferente, eu sou diferente, é apenas como eu sou. É muito difícil de explicar. Venho de uma base de arte e nunca estudei moda, então não tenho o lance de sentir que tenho que fazer isso ou aquilo. Não há "tem que". Sou mais livre porque só penso no que quero criar. Eu apenas mergulho em mim e obtenho a minha inspiração a partir daí."

O estilo punk/fetichista é parte ainda hoje da estética da designer.

Observe no vídeo da coleção Primavera/Verão de 1990: elementos punks como tela, tiras, amarrações e o uso de vinil/PVC e látex. São roupas que estão presentes na estética de subculturas como gótica e heavy metal. Ao desfilar, as modelos não seguem o comportamento padrão. A trilha sonora é "Buffalo Stance" de Neneh Cherry que foi baseada na música "Buffalo Gals" de Malcolm McLaren e segundo a cantora é sobre poder, força e atitudes feminina.



Hogg teve a sorte de ter começado nos anos 1980 pois havia mais liberdade na moda. Durante aquela década, a identidade de sua marca começou a ser formada, produzindo peças clubwear com referência punk, usando materiais como PVC/vinil, borracha, jersey com stretch, couro e lurex. A estilista desenvolveu seu próprio nicho consumidor e manteve sua loja no bairro Soho de 1987 a 1992. O destaque foi tanto que em 1989 sua coleção "Warrior Queen" ganhou a capa da I-D Magazine.

A coleção Warrior Queen trazia inspiração em armaduras do século 15 e spikes da cena punk. Lembrando a estética da subcultura Heavy Metal.

Em 2004, com patrocínio de amigos, retorna para criação de roupas sendo uma das primeiras estilistas a fazer um fashion film, "Accelerator", com Anita Pallenberg, Bobby Gillespie e Patti Palladin. Seus desfiles se tornam acontecimentos dos quais sempre são esperados peças extravagantes, com muitas transparências e provocações por parte dos modelos, onde vemos muito conceito e referências estéticas que vão desde sua essência punk rock, glam rock e fetichista. Sempre abusando de elementos como vinil, látex, plástico, transparência, lycra®, couro, tachas, spikes e muitas cores como dourado, prata e glitter. Fica claro o amor pelos macacões, peça que se tornou marca registrada em suas coleções.
 
Os macacões justos de Pam Hogg são sua marca registrada e exibem precisão de corte.  
Coleção The Emperor´s New Clothes A/W 2013

Autumn Winter 2012
Observem a releitura dos bonnets (bonés) do século 19.

 Autumn Winter 2011

Spring/Summer 2012 (primeira imagem) - Spring/Summer 2003 (o resto)

Em sua coleção de 2014 intitulada "Courage", Hogg fez um desfile de protesto, liberdade e aceitação, em apoio a liberação das integrantes da banda de punk rock feminista Pussy Riot, que foram condenadas em 2012 por seus protestos em favor do estatuto das mulheres e contra a campanha do candidato à presidência da Rússia, Vladimir Putin. Hogg também levantou a bandeira contra a forte onda de homofobia presente na Rússia. Na passarela colocou modelos homossexuais, andróginos e alternativos. O convite partiu da Anistia Internacional, tendo apenas três semanas de preparação e as roupas apresentadas não eram vendáveis. Sem dúvida esse pode ser considerado um de seus melhores desfiles.


Como observamos acima, Hogg adora cores, sobre isso, ela diz:
"Para mim, a cor brilhante é uma celebração da comunidade gay e eu queria prestar meus respeitos e agradecer-lhes pela riqueza que deram a nossa cultura."

Seus maravilhosos macacões de modelagem e corte perfeitos no desfile A/W 2016

Um dos desfiles que amamos: 
borracha, vinil e spikes. S/S 2016

 Admirando frente e costas.

Alice Dellal e Sadie Pinn.

 Peças estilo "glam rock" cheias de studs!

 A anglo-brasileira Alice Dellal no backstage! 
Jaqueta com os dizeres "divine delinquent".

 “Army of Lovers”, seu desfile mais recente (A/W2017) teve inspiração retrô militar e contou com as recorrentes inspirações punk, glam rock em materiais como couro e PVC.


A Rockstar
No fim da década de 1970, Pam Hogg montou sua primeira banda de rock, "Rubbish", aproveitando as amizades na cena pós-punk daquela época. Em 1993, Hogg deu uma pausa em sua carreira de designer para dedicar-se mais a música, e formou a banda "Doll", cinco dias depois estava abrindo para o Blondie e para as punks do The Raincoats. Apesar dos shows e gravações de demos, o grupo não durou muito. Em 2003, forma sua terceira banda "Hoggdoll", onde é a letrista e vocalista e o som fica por conta do músico Jason Buckle. Som esse que é uma mistura de rockabilly e instrumental, influenciado pelos The Cramps. A banda continua em atividade com músicas disponíveis para audição no soundcloud.

Pam Hogg como cantora.

Os elementos fetichistas, punks, o brilho tão característico de sua moda pode ser visto no clipe da banda Hoggdoll, "Opel Eyes", com peças de sua coleção a/w 2005/06.



Aliás, sua relação com a música é intensa. Nas décadas de 1970 e 80 fez muitas amizades na cena pós-punk, como as rainhas do rock Siouxsie Sioux e Debbie Harry, para as quais começou a fazer roupas exclusivas e que mantém uma longa amizade até hoje. Desenhou o figurino de Siouxsie Sioux em suas turnês de 2004 e 2008 e a cantora já desfilou para ela diversas vezes. 

Com a BFF Siouxsie Sioux em vários momentos. Na foto abaixo, à direita, Siouxsie veste um corset-dress branco e é acompanhada de Brian Molko no desfile que foi o retorno de Pam às passarelas no ano 2000. A cantora também esteve presente quando a estilista foi condecorada no Scottish Fashion Awards de 2009.

Hogg e sua grande amiga Debbie Harry em Londres, em 2014; com Courtney Love.  
As cantoras Kylie Minogue e Jessie J. vestem seus macacões.

Lady Gaga usado peças da estilista.

Suas raízes punks: Ari Up, Nina Hagen e Pam Hogg.

Acompanhada de Boy George, seu amigo dos tempos oitentistas.


Aliás, notamos uma semelhança entre Pam e Shirley, o que acham? 

Apesar da origem underground, Pam possui proximidade com a realeza, tendo como modelo Lady Mary Chartaris, da qual criou até o vestido de casamento.

Um de seus mais recentes fashion films é "To Kingdom Come"
Para Hogg não há separação entre moda, música e arte.

 

E pra finalizar, não esquecemos das fotos com outra grande estilista que começou
sua carreira com a moda das subculturas: Vivienne Westwood.

Atualmente Hogg continua cantando e até se arriscando no cinema e expondo suas peças em museus, e claro, desfilando coleções na Semana de Moda de Londres e mantendo a loja online. Pam Hogg sempre será reconhecida por seus projetos inovadores e audaciosos. Um de seus trabalhos mais recentes foi a criação do design das estatuetas para Brit Awards no início de 2016. Também celebrou mais uma conquista que foi seu Doutoramento Honoris Causa dado a ela pela Universidade de Glasgow, em julho de 2016 em Londres. Título esse de prestigio e honra por todo o seu trabalho nas artes.

Pam Hogg e as estatuetas que criou para o Brit Awards 2016. 

Causando com amiga Sadie Pinn na premiação.

Pam Hogg é um exemplo de espírito jovem que não sucumbiu
às burocracias do mercado da moda. Ela diz:
"Tudo o que estou fazendo é ser eu mesma. Eu não tenho nenhum desejo de ser, se vestir ou agir como alguém que não seja eu mesma. Todos nós temos um dom e essa é nossa individualidade, mas parece que todos querem ser outra pessoa. Ao longo do tempo, queremos nos vestir como nossos ídolos, e isso pode unir as pessoas através da identificação, mas esta situação perde o pensamento de si mesmo. Você pode criar um olhar individual com os elementos que você sente atraído, sem comprar uma cópia direta e ainda manter a sua própria identidade."


Artigo colaborativo de autoria de: Fernanda Damasceno, Lauren Sheffel e e Sana Skull.
Fernanda "Fiona" (também atende por Fernanda Damasceno) é estudante de Design de Moda com um grande interesse na área de pesquisa em subculturas e artes. Não passa um dia sequer sem ouvir música, e assim como os felinos, não consegue viver sem garras afiadas e boemia. E-mail: fernanda.cavalcanti@hotmail.com / Instagram

Pedimos que leiam e fiquem cientes dos direitos autorais abaixo:
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo aqui presente sem autorização prévia do autor. É permitido citar o texto e linkar a postagem. É permitido compartilhar o link em redes sociais. É proibido a cópia da ideia, contexto e formato de artigo. Plágios serão notificados a serem retirados do ar (lei nº 9.610). As fotos pertencem à seus respectivos donos, porém, a seleção e as montagens das mesmas são feitas por nós baseadas na ideia e contexto dos textos.

Acompanhe nossas mídias sociais: 
  • 4Blogger Comment
  • Google+ Comment
  • Facebook Comment
  • Disqus Comment

4 Comments

  1. Que mulher incrível, e eu não a conhecia :O
    Obrigada por sempre nos apresentar esses exemplos maravilhosos <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou do artigo Nayara! ♥
      Foi super trabalhoso (no bom sentido) e ficamos muito feliz de saber a opinião de uma leitora sobre o resultado final!
      Bjs!

      Excluir
  2. Mais um excelente post!Adoro moda,e é um orgulho saber que as subculturas também são representadas nesse mundo,que é tão competitivo,muitas vezes fútil e egoísta,e que sabemos que tem muitos estilistas renomados que são arrogantes e egocêntricos,que muitas marcas famosas cresceram a base de trabalho escravo....enfim,somos brindados com estilistas como Pam Hogg e suas criações formidáveis pra dizer o mínimo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Sara!
      Alguns estilistas tiveram um passado alternativo e isso se reflete no que eles criam, a Pam é um deles! É sempre uma delícia mostrar que ainda tem quem se salve nesse "mundinho".
      Obrigada por passar aqui e deixar sua mensagem! ♥
      Bjs!

      Excluir

Obrigada por comentar! As respostas serão dadas aqui mesmo, então não esquece de clicar no botão "notifique-me" pra ser informada.

comments powered by Disqus

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pin It button on image hover