.Moda de Subculturas - Moda e Cultura Alternativa.: Crescer é abandonar o estilo alternativo?

12 de março de 2017

Crescer é abandonar o estilo alternativo?

Minha mãe e minha avó vêm me dizendo há um tempinho que já está na hora de eu começar a usar sapatos de salto e variar mais meu guarda roupa, porque já sou uma mulher e estou para entrar no mercado de trabalho. Quando comentei de uma professora minha ter sido punk quando jovem, já tacaram uma espécie de indireta: “Com o tempo a gente vê que não dá certo ser assim no meio da sociedade” – palavras aproximadas da fala original.

À medida que crescemos, é normal que seja cobrado de nós atitudes mais maduras como arrumar o quarto, ajudar nas tarefas de casa, ter responsabilidades para com nossas coisas e por aí vai. Beirando a adolescência, temos que deixar de ser criança; beirando a vida adulta, temos que ser ainda mais maduros e deixar de ser adolescente. Porém, é nesse ponto em que quem tem um estilo de se vestir diferente é cobrado para deixá-lo e ser mais “como os outros” – como se os pais não tivessem pegado tanto no pé assim antes pelo fato de serem jovens e de terem esperanças de que isso fosse apenas uma fase.




Mas até que ponto somos velhos demais para fazer algo? 
O que de fato nos torna adultos?
Copyright (c) Annah Rodrigues


Conheço pessoas com mais de trinta anos que ainda leem mangás e HQ’s, coisas altamente associadas, no pensamento popular, a um público bem mais jovem; têm idosos que praticam esportes radicais ou que continuam trabalhando com a mesma intensidade de quando começaram, rejeitando a aposentadoria. Todos eles fazem aquilo que querem, por mais que os julguem por seus atos e os pressionem a se adequar às normas – como agir e fazer coisas mais “adequadas” à sua idade.

A auto expressão através da vestimenta é uma maneira poderosíssima de mostrar quem somos, como nos sentimos e do que gostamos – e isso não tem idade. Visto-me como me visto pois as opções que a grande mídia me oferece não me apetecem. Se eu compro roupa em lojas comuns de departamento, garimpo com todas as minhas forças até achar algo que seja mais a minha cara ou que permita uma customização. No colégio, sentia-me deslocada no meio das outras garotas por não me identificar com aquilo que elas gostavam e até meus doze, treze anos, era praticamente a minha mãe que escolhia minhas roupas. Tomar uma atitude e fugir do convencional foi o jeito de eu me afirmar do jeito que eu sou.

Talvez as pessoas pensem que, sendo a rebeldia relacionada à imaturidade – ou seja, aos jovens, sem ser no sentido pejorativo – , logo o conservadorismo casa melhor com a maturidade, o que justifica exigências de mudança para quem está adentrando a vida adulta. Mas não seriam a autonomia e a forma consciente de enxergar o mundo que nos faz pessoas mais maduras? Como o modo que somos por fora interfere nisso?

Não, vó, não quero usar salto no dia-a-dia – até porque conheço as calçadas da minha cidade. E sim, mãe, meu chefe pode exigir trajes mais discretos, mas nem por isso eu vou me deixar absorver pela massa e me vestir como meus colegas de trabalho – ser adulto tem muito mais a ver com cabeça do que com aparência. 


Leia também: 
Adultos em Idade Produtiva - Criatividade tem limite de idade?
Subculturas não tem idade: Adultos que adentram no mundo alternativo 



Autora: Annah Rodrigues
Estudante de Design e técnica em Multimídia aspirante à ilustradora. Uma colcha de retalhos ambulante: gosta desde rock e cultura alternativa até coisas de época e animes. Usa sua introversão e sentimento de (des)encaixe para refletir sobre coisas aleatórias nas horas vagas e desbrava aos pouquinhos a cena independente de São Paulo. 
Instagram | Deviant Art | Art Blog | Tumblr pessoal Facebook






Pedimos que leiam e fiquem cientes dos direitos autorais abaixo:
Artigo das autoras e/ou colaboradoras do Moda de Subculturas. É permitido usar trechos do texto como referência em seus sites ou trabalhos, para isso precisa obrigatoriamente linkar o artigo do blog como fonte.
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo aqui presente sem autorização prévia. Plágios serão notificados a serem retirados do ar (lei nº 9.610). Compartilhar e linkar é permitido, sendo formas justas de reconhecer nosso trabalho.


Acompanhe nossas mídias sociais: 

  • 4Blogger Comment
  • Google+ Comment
  • Facebook Comment
  • Disqus Comment

4 Comments

  1. Caraca, me identifiquei muito com o texto. Tenho 23 anos e ainda uso roupas não convencionais, pinto e corto o cabelo de todo jeito. Na minha empresa eu uso uniforme padrão para todos e nem por isso absorvi o modo de vestir deles, na verdade sempre tive um gosto "peculiar" para roupa e tudo o mais. Loja de departamento é difícil porque nem sempre acho algo que gosto de verdade, mas estou vendo uma nova onda surgindo dentro dessas lojas, elas estão com maior aderência a calçados e roupas alternativas. E sem contar que gosto muito de lojas alternativas.

    Até mais!
    Karolini Barbara

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz por ter gostado do texto :)

      Sim, o lado bom de algumas peças mais alternativas serem vendidas em lojas mainstream é que fica mais acessível às pessoas que não tem dinheiro o suficiente pra comprar de marcas influentes das cenas que participam ou apenas simpatizam. Eu mesma já achei coisas bem legais em algumas garimpadas da vida kkk

      Beijos 😘

      Excluir
  2. Conforme a gente envelhece percebemos que não coisa pra tal idade ou aquela idade,maturidade é estado de espirito e não capa.Acredito que esse choque entre conservadores e pessoas que vivem suas vidas como gostam,sempre irá existir...apenas posso resumir minha opinião citando Fernando Pessoa: "Procuro despir-me do que aprendi. Procuro esquecer-me do modo de lembrar que me ensinaram, e raspar a tinta com que me pintaram os sentidos, desencaixotar minhas emoções verdadeiras, desembrulhar-me, e ser eu."

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com o que você disse. É inevitável o conflito entre ideias novas e tradicionais sobre qualquer assunto - a questão do aborto e o conceito de família, por exemplo.

      E como já dizia Pitty - complementando sua citação com um trechinho de música - "E o importante é ser você, mesmo que seja estranho"

      Beijos 😘

      Excluir

Obrigada por comentar! As respostas serão dadas aqui mesmo, então não esquece de clicar no botão "notifique-me" pra ser informada.

comments powered by Disqus
Pin It button on image hover