.Moda de Subculturas: Moda e Cultura Alternativa.

4 de março de 2015

Desfile Diesel Gold Black, fall 2015

São cada vez menos os desfiles das semanas de moda que chamam a atenção. Mas nos últimos tempos, como preto é tendência, muitos looks ou peças podem ser inspirações para nós.
Na semana de moda de Nova York, Andreas Melbostad, estilista da Diesel Black Gold fez aparecer um sorriso de orelha a orelha em mim! A marca já é conhecida por ter uma pegada rock, mas há muito tempo eu não via um desfile tão black e tão usável, tão minha cara (cheio de saias e vestidinhos pretos) e tão adaptado ao nosso outono inverno tropical. Também pudera, sua inspiração foi vestir uma estrela do rock num mix de tomboy e suavidade. As mulheres de sua coleção são temperamentais e de personalidade forte. Um pouco da estética biker, um pouco de rock n roll oitentista e uma pitadinha de rockabilly... me identifiquei muito com a coleção!
Outra coisa bem legal foram os nomes que ele deu para a paleta de cores: preto antigo, cinza aço, azul meia noite profunda...

 
 
 
 

 E aí, qual suas peças preferidas? Usariam algum look completo??


1 de março de 2015

Moda Alternativa: Telas e Transparências

Um tempo atrás, falamos das telas e transparências como uma tendência alternativa aqui no blog [um, dois], mas agora, elas ultrapassaram esse patamar e já se tornaram Moda, sendo possível encontrá-las até em lojas de departamento no Brasil.

Ambos são materiais de super presença nas subculturas e não é de hoje. A tela, inclusive é um daqueles tecidos que as subculturas abraçaram e que o mainstream achava uma coisa horrenda... até pouco tempo atrás. Pois é...

Cocktail Dress da Queen of Darkness

Mas antes de continuar vamos voltar um pouco na história da moda.
As origens da gaze (tecido transparente) são incertas, mas desde o século XIII, ela já era usada no Oriente Médio - impossível não lembrar das odaliscas né? Pulando alguns séculos, outra época que usou muito transparências foi a Era Romântica e começo da Era Vitoriana, como ilustradas abaixo.


No começo do século XX, a transparência teve seus momentos quando na virada do século foi usada em diversas coleções luxuosas da Belle Époque. De lá até aproximadamente a década de 1920, houve um interesse pela moda do oriente médio (odaliscas de novo) e pela moda greco-romana, relida em tecidos leves e esvoaçantes.


Ava Gardner em 1945, prova que a tela, também chamada de rede ou fishnet, combina sim com um visual retrô. Mas como a moda inventa modas (eita!) logo a tela ficou com fama de material de prostitutas e com aura brega. Mas as subculturas estão aí pra causar né? E e foram elas que deram ao tecido uma imagem rebelde, especialmente dentro da cena punk, post punk e gótica. Como essas subculturas tiveram suas estéticas absorvidas pelo mainstream nos anos 80, até mesmo Madonna e seu visual oitentista que tinha um pé no Rock n Roll as usou. Atualmente, de volta à moda, a tendência foi divulgada através de artistas populares como Katy Perry e...
(clique pra aumentar todas as imagens do post)



... pela gótica suave Lorde, que já usou tanto tela quanto tule de malha. Um grande meio da indústria da moda difundir tendências é por artistas ou celebridades populares, sendo que Lady Gaga, Beyonce e até Kim Kardashian já ostentaram looks com estes tecidos por aí.


A grande verdade é que a tela (ou rede) nunca saiu de cena na moda alternativa. As transparências sim, voltaram em tempos mais recentes. O que eu acho legal nesses materiais é que eles são SUPER adequados ao nosso clima! Tem que aproveitar!
Além da rede, crepe, voil, tule de malha, organza e até mesmo a renda - mas ela não será o foco desse post, vai ficar pra outro - são tecidos que a gente deveria pensar em usar muito por aqui no Brasil por causa da leveza e fluidez (que costuma ficar bem em todos os corpos). 

Começo falando da transparência, mais especificamente da malha de tule que é macia e leve e é a que tem sido mais usada. Esse tecido dá um ar mais sofisticado às peças dependendo do modelo da roupa (look 1), passa uma certa elegância. Quando usado mais junto ao corpo (look 2) aí já revela mais, passa mais atrevimento e sensualidade e finalmente, um estilo que tem se visto muito em várias marcas ao redor do mundo são vestidos com ou sem forro. A vantagem de não ter forro é que você pode escolher o que usar por baixo, seja algo mais ousado ou mais conservador.


No Brasil, a Dark Fashion nos oferece a blusa 2526
boa pra essas tardes mais frescas que vão começar no outono.

E a Stooge já tem trazido transparência há algumas coleções, como [aqui e aqui], na mais recente, Blackheart, selecionei o vestido Red Skulls, a blusa Golden Skeleton (ótima pra um inverno ameno) e o macacão super estiloso Basic Black.


Já na loja alemã Queen of Darkness dá pra fazer a festa! A marca tá cheeeia de peças em propostas interessantes, discretas, como as três peças abaixo, todas adequadas ao trabalho, por exemplo. Isso é legal na QoD, poder comprar peças desde mais estilosas até pra uso em empregos menos formais. Como exemplo a blusa com decote coração, a com gola alta e frente franzida e a mais informal de todas, a peça com uma fenda horizontal e caveiras de tule nas mangas (basta clicar no link pra ver o detalhe). É bom quando lojas alternativas oferecem opções que não vemos com tanta facilidade no mainstream.


Já a tela (ou rede) furadinha, que lembram muito as meias arrastão, já foi um tecido muito mal visto pela própria Moda. A gente vê e lembra de cara dos punks e deathrockers né? E olha, não era fácil encontrar esse tecido uns anos atrás, lembro  de procurar muito, finalmente achar (queria fazer uma saia e um blusa ao estilo punk) e na loja, uma moça me perguntou: "pra que serve esse tecido?" e eu disse... "bem, o pessoal costuma fazer saída de praia". Pois é, nem entrei em citações punks ou alternativas, porque de fato, a tela furada foi usada por muito tempo no Brasil pra fazer saídas de praia. Só que como saídas de praia também se glamourizaram, não é mais tão comum hoje em dia usarem esse material.

A tela ao contrário da transparência, já passa uma imagem mais rebelde,
ousada, atrevida, uma coisa de atitude mesmo.



Mas por causa de seu uso no esporte,  atualmente tem sido usada pra criar peças que se assemelham à um Health Goth, por exemplo.


No Brasil, dá pra encontrar peças em rede na Black Frost, como na blusa em veludo 124 (minha preferida da coleção, por ser ultra versátil) que fiz [review aqui]...


E voltamos à Queen of Darkness que novamente tem uma gama de opções de peças com este material. Em breve estaremos no outono e quem encomendar agora, provavelmente receberá as peças bem na época que o friozinho começa. A blusa que é na verdade lã acrílica de longe parece ser tela; já o vestido com morceguinhos em veludo, vou falar dele aqui no blog em breve, pois tenho ele. Possui tela em toda lateral do braço e na gola.


Gosto da discrição nas peças abaixo, que passam uma ideia de alternativo na medida certa pra quem, por exemplo, já é adulta e não quer mais andar trOOzona 100% do tempo. Pequenos detalhes fazem a diferença!
Blusa curta com detalhes de rede nos ombros; blusa com tela dos ombros até o braço e casaquinho com capuz - super legal pra um outono inverno ameno, uma peça de estilo mesmo sem muita função de aquecer.


A Riachuelo não tem loja online, o que é uma pena porque vi uma saia de tela lá que pode agradar muitas meninas alternativas! Ela é muito parecida com a primeira saia da montagem abaixo, só que um pouco mais comprida e sem as pregas. A saia da direita é da Renner.



Nas semanas de moda, desfile Milly spring/summer2014

Mugler, Vera Wang, David Koma, fall 2014/2015


Um vestido de pegada mais esportiva - que de certa forma se assemelha ao da Queen of Darkness e no centro, duas imagens de street style com uso BEM amenizado do material - não passam de forma nenhuma a imagem rebelde tradicional do tecido, mas sim uma imagem cool e mais usável da tendência.


 
Aqui, na transparência, as moçoilas estão ozadas hehe, mas eu selecionei esses looks só pra dizer que dá pra usar este tipo de blusa/vestido transparente sem precisar ser magra como elas ou só usando underwear. A  grande vantagem dessas peças é que você pode usar com o que quiser, seja uma regata (por cima ou por baixo), uma manga curta e na parte de baixo pode ser saia curta, comprida ou calça! Enfim, não se prendam à imagens de fashionistas street style e não limitem suas visões do tecido, não existem regras, permitam-se experimentar.

A transparência passa um ar mais sofisticado, obscuro e misterioso... 
e a tela, mais ousadia e rebeldia. Qual sua preferida??


23 de fevereiro de 2015

Stooge: Coleção BlackHeart

A Stooge acabou de lançar a coleção de outono, chamada  ♥ BlackHeart ♥

"Quando a luz se ausenta, a escuridão toma conta de tudo, mas se no ímpeto surge um raio de sol, este desperta as sombras de todas as coisas. Mesmo assim não tema, ainda que você não possa ver, nunca estamos sozinhos..."

Essa coleção pega fim de verão e a época de outono por conta disso, tem tanto umas peças mais peladinhas ao estilo verão quanto algumas mais fechadas. Os tons são mais escuros, as estampas tem cores como prata, dourado e branco, uma cartela de cores mais enxuta. Válido notar uma referência mística na estamparia, que, segundo o site faz "o caminho da luz pra escuridão". É isso mesmo do claro pro escuro ♥
Desta vez os responsáveis pelas estampas foram os artistas Monika Boo e Oberdam Eltz. Oberdam é tatuador e Designer gaúcho que fez as estampas escritas e de caveira. Já a Monika e uma tatuadora da Lituânia com foco no estilo neotradicional.

Links da Stooge

Vale lembrar que a Stooge é uma marca 100% brasileira. Ou seja, todas as peças são confeccionadas por aqui mesmo, gerando empregos locais. Este ano, a marca terá 3 coleções, sendo que tem tem suas peças base (peças que mantém a modelagem mas mudam a estampa) e as peças mais fashion (mais elaboradas e que nem sempre permanecem nas próximas coleções), assim como tem todo um trabalho de marketing e de fixação da marca (catálogo e brindes pros clientes). 
Particularmente acho que a loja tem um público bem amplo, não muito segmentado, a turma rock/street style, vai curtir as criações da loja!


E vocês curtiram o catálogo e as fotos da nova coleção?
Em breve vou falar um pouco mais detalhadamente dessa coleção, minhas impressões, as peças que mais curti... fiquem de olho no blog! ;D


* Publipost.

19 de fevereiro de 2015

A Gótica Suave e a tendência das roupas pretas

Recentemente, o maior fuá da minha timeline foi a tal da "Gótica Suave". Garotas debatiam sobre ser ou não ser uma seguidora desse tal "novo estilo" ao mesmo tempo em que se perguntavam o que era exatamente aquilo!

O mais curioso é que o tutorial de "como ser uma gótica suave" sumiu do wikihow, sendo convertido em "como ser pastel goth" - esse sim um estilo real. Será que os autores do texto queriam falar de pastel goth mas na ignorância traduziram o nome para "gótica suave", criando assim algo que nunca existiu de fato e logo depois corrigiram o erro? 
Bom, não sei. Gótica suave é tipo o termo "soft goth" - que colocam como nome naqueles boards do pinterest que tem desde a hispter que jura que é Vandinha Adams até um editorial da Vogue com a modelo usando renda preta Dolce & Gabbana...

Falar de "gótica suave" para pessoas alternativas que lutam pra ter seus visuais respeitados quase soa como uma grande ofensa.  
Nenhum gótico "verdadeiro" em sua essência sente prazer em se amenizar. É um retrocesso. A amenização é por vezes um mal necessário porque existe preconceito. Por que acharíamos legal incentivar esse preconceito?
Numa sociedade conservadora como a nossa, em que há o medo da ousadia estética, tendências que usam as formas menos agressivas das modas alternativas servem como muleta aos que receiam sofrer preconceito de se revelarem por inteiro. 

Mesmo que a "gótica suave" não exista de verdade, tenha sido um caso de "lost in translation", as roupas pretas estão aí, também vendidas em cima do nome "gótica". Mas não se engane. Tratam-se de termos mainstream pra vender roupa preta. Novos nomes para velhas tendências. 

É preciso vender a Moda. E uma das formas mais comuns de se vender as estéticas subculturais pras massas é amenizando suas características. De vez em quando, o "gótico" reemerge como tema em coleções, com aura romantizada. Há uma chance muito grande disso acontecer nas próximas temporadas visto que os desfiles mais recentes exploraram muitos looks na cor.
 
  A moda anda sempre junto com a música. Não à toa, quando uma trend precisa ser vendida ao grande público, há sempre um artista com apelo "novidade" pra promovê-la. 
Lorde está aí pra comprovar, há "gótica mais suave" do que ela?


O preto sempre ressurge como tendência em épocas de crise, guerras ou desastres. Para confrontar os maiores medos da sociedade, incorporamos a escuridão.
Christine Lagarde disse recentemente que a Europa poderá enfrentar nova recessão. Enquanto isso, a população de pobres aumenta nos EUA e a Escandinávia enfrenta problemas com sua política de bem estar social. A população mundial está adoecendo devido aos maus hábitos das últimas décadas. A economia nacional é afetada tanto pela economia externa quanto interna. Os brasileiros cada vez mais se deprimem diante da impotência de não conseguir mudar coisas simples, tornando nossa população cada vez mais com vontade de fugir do país - como se fosse possível fugir de si mesmo, de seus próprios erros... Mas o maior medo que ronda o poderoso mundo ocidental atualmente é o terror. Ninguém sabe quais serão as próximas vítimas do Estado Islâmico, qual nação enfrentará grande luto.
Não há como separar Moda de momento histórico. Essa é a maior diferença entre falar de moda e entender sobre como ela funciona e nos afeta.

Desfiles 2014/2015


Mas como vender uma trend para as massas? No caso brasileiro, as figurinistas as inserem nas novelas, pois a Moda precisa dos meios de comunicação pra se vender. O personagem principal da novela das nove, Império, é conhecido como Comendador e ele só usa preto. É uma característica forte do personagem, tanto que volta e meia brincam com o fato. 
Por outro lado, a recentemente falecida artista Tomie Ohtake, só usava preto. Uma repórter chegou a perguntá-la o porquê e ela simplesmente respondeu que era mais prático. Afinal, impossível preto não combinar com algo e principalmente não combinar com outra peça preta. Há os que usam a cor independente de ser tendência.

Assim, editoriais de moda vendem o preto glamouroso e elegante, como se dissessem que a elite traja decadence avec elegance com distinção. Rebeldes vestem preto como indiferença à sociedade. E a massa veste negro como medo do futuro.

A gótica suave assim como a trend da roupa preta, é superficial, não se assume por inteiro um ser das trevas, tem medo de pisar fundo em seu próprio abismo. Afinal, a Moda também morre e veste-se o luto. Mas ela renasce no fim de cada estação pra voltar em uma silhueta nova, num novo estilo. E quem sabe a Gótica Suave acorde soft boho paz e amor no dia seguinte?



13 de fevereiro de 2015

Post zuera: Como seria o Carnahell de uma escola de samba gótica?

Sei que nem todo alternativo gosta de carnaval por ser um evento de massa e blablabla mesmo tendo uma origem pagã (e muitos alternativos serem pagãos!).
Mas só pra causar, eu, que adoooro imaginar moda alternativa gringa adaptada à cultura brasileira (e vice-versa), fiquei aqui pensando como seria se existisse uma escola de samba gótica (já existem os times de futebol né?). 

Então, hoje "vou estar postando" looks do maior festival gótico do mundo, o WGT!
Os gothécos do mundo todo esperam um ano in-tei-ri-nho pra usar o look mais arrazador em todos os 4 dias de festival - igualzinho os foliões de nosso carnaval!!

Então, neste #postzuera com todo respeito e admiração à ryca e elaborada moda goth, vamos mostrar pra vocês como seriam os trajes e as alas da fictícia escola de samba Unidos do Goticismo. E provar como WGT e Carnahell Brasileiro tem muitas mais coisas em comum do que sonha a mais vã filosofia!

Extravasando alegria contagiante e felicidade gótica no maior feriado nacional!!

Então senta aí na platéia junto com as garotas e vamos assistir!!!
 


Comissão de Frente! 
Um viva para os egyptos que nos deram o make de olho mais gato que há!


Mestre Sala-Escura e Porta-Sombrinha

Rainha de bateria!
Eike linda, superou a Luma de Oliveira!! 

Bateria!
O inimitável som das cuícas steampunk!
 

Olha a beija flor aíí geent! :D

Pierrot e Colombina!
 
 Passistas! 

 Paixão nacional: bunda corselet de viniiiiil!! 

 O sempre presente e nunca ausente top less! (ou quase isso!)
 
 Destaques do carro aleGótico

Direto da Ala das Baianas Vitorianas

Velha Guarda fechando o desfile com aldrava de ouro!!

Os pézinhos até cansaram de sambar de bota plataforma na cara da sociedade!


E você? Que tal aproveitar os dias do feriado e usar aquele look que você nunca tem coragem? Aquele bom lokão, elaborado, chocante, arrazador e trevoso no nível 1000%??
Permitam-se!

Tão vendo como tem muita coisa da cultura brasileira que nós, alternativos, ainda não exploramos? E como temos mais similaridades com a cultura alternativa estrangeira do que imaginamos? Abram a mente e liberem suas criatividades!

Tem mais dicas de trajes que poderiam estar numa escola de samba goth? Linka aí! ;D

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Gosta do Moda de Subculturas?

Compartilhe nosso conteúdo!
Curta nossa página no Facebook. E se mantenha sempre atualizado sobre o que rola por aqui.
Pin It button on image hover