Destaques

16 de agosto de 2018

60 Anos de Madonna: relembre os looks da cantora inspirados nas subculturas

É bem verdade que Madonna não é uma unanimidade no meio alternativo e nem no meio feminista. E nem precisa ser, a ambiguidade é parte dos seres humanos. A própria cantora também se fez em cima de polêmicas e contradições. Hoje a chamada "Rainha do Pop" comemora 60 anos! Vamos aproveitar para relembrar algumas de sua apropriações estéticas que se relacionam com as subculturas e moda alternativa.

Foto: Steven Klein

É bem possível que os alternativos dos anos 1980 e 90 preferissem Cindy Lauper à Madonna. Naquela época sem internet, as notícias que recebiam vinham da mídia mainstream e Madonna talvez fosse 'pop demais' e na época era comum que muitos alternativos abominassem a música pop, que simbolizava a música corporativa empurrada goela abaixo.

Enquanto Cindy tinha um apelo estético muito próximo do que era considerado excêntrico: roupas extravagantes, cabelos e maquiagem supercoloridos, no começo da carreira Madonna tinha um visual que misturava um pouco de new wave e as telas arrastão típicas do punk e goth!


Podemos ver esse visual no clipe Into the Groove.


Nos anos 1980, Madonna era uma artista pop superfamosa, mas quando foi que ela veio a se tornar um mito? Quando veio a se tornar a performer que mudou a indústria cultural? 

O ano era 1990, e a turnê se chamava "Blond Ambition", é no próprio nome da tour que a revolução começa: a palavra "blond" sem o 'e' no final. O 'e' no final é uma flexão do gênero feminino (blonde = loira), Madonna coloca o nome tour sem um gênero definido. 

Na turnê Blond Ambition usando um Bullet Bra (leia matéria aqui)

É nesta década que surge a Madonna que usa e abusa d
o choque, da provocação, a Madonna dominatrix do álbum "Erotica", a Madonna que lançaria tendências e transformaria a indústria cultural. A cantora tinha consciência que a sociedade americana era careta e pudica, então nada melhor do que tocar em temas tabus. 


Turnê Erotica: inspiração sadomosoquista

Além disso, os anos 1980 tinham visto a ascensão da AIDS e lá estava Madonna acompanhada de gays mostrando que não tinha preconceito e nem receio de ser contaminada (não se sabia ainda exatamente como a doença era transmitida). E é justamente da subcultura gay latina e africana-americana que Madonna faz a cooptação da dança chamada 'Vogue', levando-a ao mainstream.


Foto: Fabio Gibelli Photography

Madonna sempre foi superfã de usar looks totalmente pretos (cor associada à rebeldia), desde o início a tonalidade é muito presente na sua estética. Não à toa, o visual gótico acabou atraindo a cantora. O estilo surge em momentos onde aborda sobre religião, espiritualidade, autoconhecimento, reflexão sobre a vida humana. Em 1989, apareceria no polêmico clipe 'Like a Prayer' usando um slip-dress com meias 7/8. Como é de origem católica é comum o uso de crucifixos e também para compor um visual mais dark, pinta os cabelos de preto. 


Em 1998, novamente, Madonna aborda a espiritualidade, foi num período introspectivo, talvez pelo nascimento da filha e também época em que se tornou budista, passou a fazer yoga e estudar Kabala. Nos anos 90 a gótica tinha longos cabelos negros escorridos, lembre-se de Angelina Jolie, e seria essa estética vista em boa parte da fase do álbum 'Ray Of Light'. Na maioria das apresentações surge com visuais completamente pretos, a diferença dos anos anteriores é que as roupas cobrem todo seu corpo, como se Madonna quisesse usar a ausência de cor para apagar o exterior e assim iluminasse o interior, vide as letras das canções bem reflexivas.

No clipe 'Frozen', a ideia era representar uma criatura do deserto, a encarnação da angústia feminina. A música da qual classifica como melancólica, é sobre estar frio e poder se abrir. Madonna encarna seu alter ego 'Veronica Eletronica' e quis formar uma estética que parecesse uma assombração. 'Ela é gótica mas é medieval. Ela é romântica, pré-rafaelita', revela. O visual foi criado a partir de um desfile do Gaultier onde a artista achou perfeita a combinação.



Madonna volta e meia revisita o visual gótico em aparições. As últimas mais comentadas foram no baile da Vogue, o MET Gala de 2016 e o mais recente sobre o tema Corpos Sagrados, Moda e a Imaginação Católica. 

Para outro baile do MET, de temática Punk, a cantora apareceu com este visual, onde todos os clichés da moda punk, aqueles que se tornaram elementos tradicionais, estão representados.


Além do gótico e do punk, Madonna também usou e abusou da estética fetichista, vestindo elementos como látex, cone e bullet bra, amarrações. Junto com Jean Paul Gaultier criou visuais icônicos, que tomavam proporções infindáveis tamanha polêmica que alcançava. Além da já citada turnê Blond Ambition, teve o documentário 'Na Cama com Madonna' e depois o álbum Erótica com o lançamento do livro Sex. Até hoje não há uma artista pop que consiga chamar tanta atenção igual Madonna fez no início dos anos 1990. Ela chegou a quase ter seu show proibido na Itália devida performance que incitava masturbação, mas bateu de frente com todos que ousaram censurar sua Arte.



Com JPG, que junto criou o visual icônico do Blond Ambition.

O escandaloso livro Sex, feito com o fotógrafo de moda Steven Meisel.

Mais recente num ensaio bondage com Katy Perry para V Magazine inspirado nas sessões de fotos de Bettie Page.

Madonna definiu para sua imagem o conceito de ser camaleônica, sempre mudar, nunca estagnar, mas curiosamente, se utilizando de elementos da moda das subculturas. O também camaleônico David Bowie foi o artista que mais a influenciou e a fez querer seguir na música. Quando muda-se para Nova Iorque, se joga na efervescência cultural da cidade, ficando amiga de grandes artistas contemporâneos como Jean-Michel Basquiat. A cantora também ajudou a propagar a imagem de ícone pop de Frida Kahlo, pois a pintora é uma das suas favoritas.



Numa época em que uma parte dos alternativos reproduz os conceitos da cultura dominante e não tem identificação com o ato de se rebelar, a cantora parece nunca ter deixado esse fato de lado e ao lançar seu álbum "Rebel Heart", soltou a frase:
"Uma rebelde é alguém que protesta, que questiona o que já está estabelecido  e pensa de forma diferente. E no fim do dia são os rebeldes como Martin Luther King, Nelson Mandela, Bob Marley e John Lennon, as pessoas que mudaram o mundo. Não dá pra ser um rebelde e não encarar as consequências. Como Michael Moore diz: "Não dá pra colocar o queixo pra fora e não esperar uma porrada". 

E foi isso mesmo que a cantora fez ao longo de sua vida: colocou o queixo pra fora. E foi daí que nasceu a lenda.





Acompanhe nossas mídias sociais: 
Instagram Facebook Twitter - Tumblr - Pinterest - Google +  Bloglovin´


Texto e curadoria de imagens: Lauren e Sana Skull.
Direitos autorais:
Artigo original do blog Moda de Subculturas. 
É permitido compartilhar a postagem. Ao usar trechos do texto como referência em seus sites ou trabalhos precisa obrigatoriamente linkar o artigo do blog como fonte. Não é permitida a reprodução total do conteúdo aqui presente sem autorização prévia. É vedada a cópia da ideia, contexto e formato de artigo. Plágios serão notificados a serem retirados do ar (lei nº 9.610). As fotos pertencem à seus respectivos donos, não fazemos uso comercial das mesmas, porém a seleção e as montagens de imagens foram feitas por nós baseadas no contexto dos textos. 

15 de agosto de 2018

Spookies: Coleção Witch, Please! + NOVO Cupom de Desconto

A loja Spookies tem uma característica muito legal: ela lança diversas micro coleções ao longo do ano permitindo assim novidades sempre! E desta vez venho mostrar uma das coleções mais lindas que a marca já lançou: Witch, Please!


Veja também: Spookies: Coleção Punk e Fetichismo
                     Spookies: Coleção Retrô La vie em Rose

Mas antes, anota aí nosso cupom de 10% de desconto na loja: 
SUBCULTURAS

Tenho orgulho de divulgar a marca, acreditei no potencial e agora vejo como as micro coleções tem saído cada vez mais lindas e cada dia a loja conquista mais seguidores e influenciadores. <3 
Apresento agora as peças disponíveis na coleção. Os tamanhos podem ir de P a 3G, mas fiquem espertas que alguns tamanhos esgotam rápido. Em destaque as peças que trazem o modelo Vandinha Addams (clique aqui pra conhecer a história do vestido).


Vestido Morgana - clique aqui para ver no site 
"O vestido Morgana é arraso em qualquer ocasião, todo feito em neoprene, com detalhe na parte da frente com botões na cor preto, fita de cetim para amarrar na cintura, gola Peter Pan na cor branca e botão nas costas na cor branca."



Vestido The Star - clique aqui para ver no site 
"As estrelas estão sempre assistindo - vibrações mágicas com o nosso delicado vestido de tule com estrelas aveludadas; com detalhe na cintura aveludado e forro em suplex para ser mais confortável no corpo, mangas compridas e fechamento com zíper invisível."



"Ela sonha em preto! Caia no transe de sua magia; luzes da cidade, noites de floresta, belas paisagens e ritos espirituais. O vestido Stella é confeccionado em cirre, tecido que tem um brilho mágico e elastano em sua composição o que proporciona ajuste e máximo conforto - com um decote em V detalhes de ilhós com cordões na cor preta."



Vestido Salem - clique aqui para ver no site 
"O bom é que minha alma combina com preto e preto combina com TUDO!
O Vestido Salem foi criado apenas com você em mente. Um súplex de luxo que desvia todos os olhares, combinado com rendas delicadas, incorpora este vestido - elegância e alta usabilidade."


"A roupa certa para causar! Vestido longo todo em súplex preto com body com fechamento na parte inferior e decote trançado. Pronta pra enfeitiçar?"



Vestido Dark Moon - clique aqui para ver no site 
"A roupa certa para quem não é nada básica mesmo curtindo um vestido preto! Vestido em veludo preto com elastano com um caimento super gostoso e suave e uma gola matadora com um laço preto de cetim. Costura feita com muito amor e em formato assimétrico, detalhes dramáticos com mangas angulares e a gola branca contrastante para deixa a peça ainda mais divosa."



Digam o que acharam da coleção e não esqueçam de usar o cupom SUBCULTURAS pra ganhar desconto! :D


Texto dos Vestidos: Spookies


Acompanhe nossas mídias sociais: 
Direitos autorais:
Artigo original do blog Moda de Subculturas. 
É permitido compartilhar a postagem. Ao usar trechos do texto como referência em seus sites ou trabalhos precisa obrigatoriamente linkar o artigo do blog como fonte. Não é permitida a reprodução total do conteúdo aqui presente sem autorização prévia. É vedada a cópia da ideia, contexto e formato de artigo. Plágios serão notificados a serem retirados do ar (lei nº 9.610). As fotos pertencem à seus respectivos donos, não fazemos uso comercial das mesmas, porém a seleção e as montagens de imagens foram feitas por nós baseadas no contexto dos textos. 

12 de agosto de 2018

Dark Fashion: Coleção Dreams + Cupom de Desconto

É incrível pensar que esta já é a postagem de número 39 onde a loja Dark Fashion é citada! Conheço a Nívia (proprietária da loja) há longa data, desde o Orkut, quando a marca ainda estava nascendo e quando esse blog nem pensava existir, eu apenas mantinha lá uma comunidade chamada "Subculturas e Estilo". De lá pra cá, a Dark Fashion nasceu e cresceu e vem mantendo sua integridade e criatividade. Se eu tiver que indicar três postagens sobre a loja aqui no blog, eu destacaria a Entrevista com a Nívia, que vocês pre-ci-sam ler pra conhecer um pouco mais sobre o trabalho da estilista; o post onde ela desmistifica várias ideias sobre Moda Plus Size e a postagem sobre as peças da loja que tem tecnologia com proteção solar, anti-raios UV! Após ler todas estas postagens, tenho certeza que você vai começar a admirar a marca também!

Mas este post não é apenas para enaltecer a Dark Fashion, é para mostrar algumas fotos da nova coleção, chamada Dreams e divulgar nosso cupom de desconto lá: SUBCULTURAS


"Em meio ao caos em que vivemos,
sonhar é sempre a melhor realidade"
- Coleção Dreams


Então vamos à coleção! Lembrando que loja possui 8 tamanhos e também faz sob medida.

Vestido com manga em formato de asa de morcego e amarração por cordão acetinado em forma de pentagrama. [clique para acessar a peça na loja]
Cinto largo em courano [clique para acessar a peça na loja]


Cinto em vinil e elástico com fivela de encaixe [clique para acessar a peça na loja].




Jaqueta perfecto em veludo cotelê largo com detalhes de spikes aplicados na gola, ombro e parte da manga. Forrada com cetim, acompanha cinto em courano envernizado [clique para acessar a peça na loja]


Blusa regata com estampas de caveira [clique para acessar a peça na loja]
Calça com detalhes laterais de amarração [clique para acessar a peça na loja]


A blusa com ilhóses, amarração e regulagem por cordão no decote e nas mangas não é da coleção Dreams, mas resolvi colocar a foto aqui porque está linda demais haha!. Blusa em cirrê [clique para acessar a peça na lojae blusa em algodão [clique para acessar a peça na loja]


Cardigã com capuz [clique para acessar a peça na loja] e cardigã com capuz que acompanha cinto [clique para acessar a peça na loja].


O moleton unissex Moon [clique para acessar a peça na loja], foi uma peça lançada um pouco antes da coleção, vale um registro da peça aqui já que estamos no inverno.







Conta aí o que vocês acharam da coleção! 


Modelos: Anna Paula Rauber e Cintia Gunner
Make e hair: Very Razine
Photos: Naiara Vasconcelos. A Naiara participou de um post no blog, onde nos mostra seu casamento em estilo medieval. Clica aqui pra ver



Acompanhe nossas mídias sociais: 
Direitos autorais:
Artigo original do blog Moda de Subculturas. 
É permitido compartilhar a postagem. Ao usar trechos do texto como referência em seus sites ou trabalhos precisa obrigatoriamente linkar o artigo do blog como fonte. Não é permitida a reprodução total do conteúdo aqui presente sem autorização prévia. É vedada a cópia da ideia, contexto e formato de artigo. Plágios serão notificados a serem retirados do ar (lei nº 9.610). As fotos pertencem à seus respectivos donos, não fazemos uso comercial das mesmas, porém a seleção e as montagens de imagens foram feitas por nós baseadas no contexto dos textos.

29 de julho de 2018

O que é K-Pop? A história do surgimento do estilo musical que dominou o mundo.

No segundo semestre deste ano, pelo menos nove bandas de K-Pop aterrissarão em solo brasileiro. O gênero tem alcançado imensa popularidade mundial. A história do K-Pop é mais uma amostra de como uma subcultura musical pode influenciar a sociedade, provocar mudanças nos hábitos, na moda e comprovar seu valor cultural.
2NE1  / Divulgação


A história do estilo musical se relaciona com jovens tendo participação ativa em momentos em que um sistema político e social necessita de mudanças. No caso, um sistema ditatorial que dizia o que as pessoas da Coréia do Sul deveriam ouvir: músicas patrióticas contratadas pelo governo (chamadas de "músicas sadias") de temas inocentes ou sobre o amor à pátria.

Tudo começou a mudar no ano de 1992, quando o grupo Seo Taiji & Boys se apresentou na televisão coreana, mostrando de forma inovadora mash-ups de rap e pop, sonoridades orientais e ocidentais misturadas e coreografias enérgicas baseadas em movimentos de hip-hop. O grupo chocou a sociedade e fascinou os jovens. A música era "Nan Arayo" e ficou no topo das paradas por 17 semanas. 


Seo Taiji & Boys / Divulgação

Como um cantor de Heavy Metal criou o K-Pop moderno?
Seo Taiji  tinha uma banda de heavy metal chamada "Sinawe", antes de fundar o grupo que daria origem ao K-Pop moderno. O lado rebelde do cantor era forte e talvez tenha sido exatamente essa rebeldia que possibilitou Taiji de inserir elementos do Rock n´ Roll nos álbuns seguintes, o que gerou censura dos canais de TV, que não concordavam com o visual de jeans rasgados e brincos dos músicos. Sem se intimidar, o terceiro álbum de Seo Taiji & Boys tinha rock alternativo e até mesmo Heavy Metal, como vemos na música “Kyoshil Idaeyo” (veja vídeo abaixo) com vocal gutural e crítica ao sistema de ensino coreano. Na época, o grupo foi até mesmo acusado de satanismo. O quarto álbum teve censurada uma música que criticava o governo, mas o 'estrago' já estava feito: uma geração de jovens não aguentava mais os governantes decidindo o que deviam ou não escutar, o que de certa forma pressionou as mudanças sociais que viriam a ocorrer. Naquela altura, o K-Pop já havia conquistado seu espaço. Após o término do grupo, Seo Taiji voltou a cantar rock e o colega Yang Hyun-suk fundaria a YG Entertainment, uma das mais importante criadoras de ídolos K-Pop.





Com a Coréia pronta para uma mudança cultural, a repressão ditatorial se afrouxava, permitindo uma abertura para novidades. O sucesso de Seo Taiji & Boys representava essa mudança e logo seriam copiados por outros grupos, embora a dança ainda fosse vista socialmente com uma visão muito negativa. A influência dos meninos na moda foi tanta que tudo que eles usavam (roupas largas em estilo rap e hip-hop) era adotado pela juventude. Dentre os novos grupos que surgiram estava H.O.T., criado por Lee Soo Man, onde os garotos se apresentavam usando roupas de ski e dançavam ao som de hip-hop, pop e dance. Nunca roupas de ski foram tão consumidas pelos adolescentes. 


H.O.T. / Divulgação


Surge a Cultura de Exportação
Com a crise econômica do fim dos anos 1990, a Coreia decide fazer da cultura sua indústria de exportação e passa a investir no segmento artístico. Em meados da década de 2000, o "Korean Pop" se torna amplamente corporativo, um grande negócio. Gravadoras como JYP, YG e SM Entretaiment fazem uma busca por jovens que passam por um treinamento de aproximadamente cinco anos e ficam conhecidos como Idols (ídolos) e conseguem angariar seus próprios fãs que torcem por seu sucesso. Neste processo, os jovens aprendem a cantar, atuar, dançar e montam grupos, sempre supervisionados pela gravadora que mantém com eles um contrato restrito, método que gera críticas já que os jovens desde cedo recebem pressão psicológica e pressão do mercado, aceitando tais contratos por buscarem ascensão social e fama muitas vezes gerando depressão e suicídios. O plano de governo deu certo e desde o fim da década de 1990, o K-Pop se espalhou pelo mundo na chamada “Hallyu”, a “Onda Coreana”. Junto da expansão da música, veio junto moda, comportamento e consumo. 


Características

O K-Pop é caracterizado por uma mistura de sonoridades ocidentais e orientais, uma música tem pelo menos três estilos sonoros diferentes: pode começar com pop, passar para rap e finalizar com hip-hop por exemplo, as possibilidades de mistura são muitas. Embora as músicas sejam cantadas em coreano, sempre há uma frase em inglês para ser 'entendida' pelos estrangeiros, que normalmente é parte de um refrão marcante. 

A música "I got a boy" da Girls´Generation 
possui uma mistura de mistura pop, rap e hip-hop.




Os grupos de K-Pop tem em média cinco membros e cada um deles tem uma 'personalidade', uma função específica dentro do grupo, seja para cantar em mais de uma língua ou para encarnar um personagem. Os artistas precisam ter uma atitude educada e manter a imagem longe de polêmicas. Os nomes dos grupos costumam ser acrônimos, para facilitar a carreira no exterior já que se torna desnecessário a tradução de um nome, como por exemplo DIP, JJCC e EXO, BTS. Os clipes possuem arte visual elaborada, com muitas cores e passos de dança extremamente sincronizados  que são imitados pelos fãs.



Moda
Na questão da moda, o K-Pop dita o que os jovens coreanos vestem. O estilo varia de grupo pra grupo, a estética é importante para a formação da identidade tanto dos cantores quanto do grupo em si. No início do estilo, as roupas formais se alternavam com a moda streetwear ocidental, mas com o passar das décadas, as roupas passaram tanto a ser tradicionais, quanto modernas, coloridas, em modelagens diferenciadas. As garotas preferencialmente usando roupas "girlie", bem sensuais e que exalam feminilidade; não é permitido visuais 'agressivos' ou estampas de frases atrevidas ou com palavrões, quando isso ocorre, logo os clipes são censurados ou modificados. A geração mais recente de grupos K-Pop é a que mais tem usado a moda como um forte veículo de comunicação, apostando em estéticas com cabelos descoloridos, conceitos futuristas ou fetichistas, calçados diferenciados. Três grupos merecem destaque: Big Bang, onde os cabelos tingidos e roupas com design provocaram uma mudança crucial na moda K-Pop masculina e as garotas de Girls´ Generation e 2NE1 que usam a moda como uma declaração. 2NE1, é uma das maiores influências na moda de rua coreana, a banda acabou em 2017, mas a cantora JC já fez até parceria com Jeremy Scott.

Um dos clipes mais famosos de 2NE1, 내가 제일 잘 나가(I AM THE BEST), apresenta as garotas vestindo roupas de inspiração fetichista, punk, heavy metal, clubber e futurista.




Alguns grupos e suas variadas estéticas:


G-DRAGON do BIG BANG é tão influente que tudo que ele usa é copiado. Já surgiu até uma categoria de Cosplay especializada no cantor.


BLACK6IX

GIRLS´DAY


GIRLS´GENERATION

BLACKPINK


 BIG BANG


K.A.R.D

 JJCC


SISTAR

MISS A


MOMOLAND


24K
2NE1 


AOA


TWICE

EXO


BTS



A indústria do K-Pop embolsa mais de 5 bilhões por ano! Não é de se duvidar que esta subcultura seja mundialmente a mais influente da atualidade.




Acompanhe nossas mídias sociais: 

Direitos autorais:
Artigo original do blog Moda de Subculturas. 
É permitido compartilhar a postagem. Ao usar trechos do texto como referência em seus sites ou trabalhos precisa obrigatoriamente linkar o artigo do blog como fonte. Não é permitida a reprodução total do conteúdo aqui presente sem autorização prévia. É vedada a cópia da ideia, contexto e formato de artigo. Plágios serão notificados a serem retirados do ar (lei nº 9.610). As fotos pertencem à seus respectivos donos, não fazemos uso comercial das mesmas, porém a seleção e as montagens de imagens foram feitas por nós baseadas no contexto dos textos. 

Instagram

© .Moda de Subculturas - Moda e Cultura Alternativa. – Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in