Destaques

1 de janeiro de 2019

O estilo punk de Brody Dalle

Na virada dos anos 2000, Brody Dalle foi um dos nomes que mais se sobressaíram na cena punk rock de Los Angeles. Após o auge do Riot Grrrl e Grunge no início de 1990, o Pop retorna as paradas de sucesso em meados da década, ficando um certo 'vazio' de representantes femininas de estética punk - tanto no estilo de cantar quanto na roupa, e assim Brody acaba se destacando como umas das garotas mais influentes do punk rock nesse período. 


Australiana da cidade de Melbourne, seu nome verdadeiro é Bree Joanna Alice Robinson Fitzroy. Nascida no dia 1 de Janeiro de 1979, a cantora conta em entrevista que na infância era horrível fazer aniversário no primeiro dia do ano pois na Austrália é Verão, então todo mundo está fora. Hoje é mais legal porque ela pode curtir com a família. 


Quando jovem Brody se destacou na natação, chegou a treinar para Olimpíadas, mas diz que desistiu depois que descobriu a maconha. Logo o interesse por música fala mais alto e por volta dos 13\14 anos ganha de presente do seu tio uma guitarra e assim monta a sua primeira banda Sourpuss. Adolescente na época do Grunge, era superfã de Nirvana e Hole, da qual teve a sorte de abrir um show em Janeiro de 1995. No futuro, a imprensa musical faria várias comparações com Courtney Love devido ao estilo de canto. Curtia também Blondie, The Runaways, Nina Hagen, The Slits, Kim Gordon, Fugazi, Joy Division, The Hunters and Collectors e já revelou ter como melhor memória de infância Cyndi Lauper. "Vi Cyndi Lauper tocando quando eu tinha sete anos. Meu pai me levou para vê-la. Esse foi o primeiro show que vi na minha vida. Ela era um pontinho minúsculo de cabelo laranja e um vestido azul pálido pulando pelo palco, cantando com aquela voz, fiquei totalmente hipnotizada"


Sourpuss teria um certo destaque na cena punk de Melbourne, isso porque a banda fez parte do projeto feminista Rock N' Roll High School, um espaço que promovia música e cultura DIY para garotas, criada por Stephanie Bourke em 1990. "Eu cresci numa cena que tinha Bikini Kill, Hole, Babes in Toyland, L7. Havia uma abundância incrível de coisa acontecendo com as garotas na música. Você nem pensava sobre, simplesmente só fazia." Foi tocando com Sourpuss no festival australiano Somersault de 1995, que Brody conhece Tim Armstrong do grupo punk Rancid. Meses depois iniciam um namoro a distância e dois anos depois Brody se muda para Los Angeles onde se casa com Tim em 1997 e no ano seguinte monta sua nova banda The Distillers

The Distillers abriu turnê para No Doubt e Garbage em 2002.
Desde então, Shirley Manson e Brody viraram amigas/irmãs inseparáveis.
Com Courtney Love.
Joan Jett e Nirvana. Via @nerdjuice79

Segundo Brody, o nome da banda viria de uma visita a uma destilaria da época que ainda morava na Austrália. Ela adorou os dizeres e ficou com ele na cabeça. The Distillers marcaria de vez sua vida profissional: foi nela que sairia suas primeiras composições e no futuro seria reconhecida mundialmente. Lançou três álbuns com o grupo, The Distillers (2000), Sing Sing Death House (2002) e Coral Fang (2003). Brody já revelou que não gosta do primeiro álbum homônimo pois estas foram suas primeiras canções e ainda estava muito crua como compositora, já o segundo curte mais. Os dois primeiros foram gravados em apenas duas semanas e o último foi em seis, ela nem acreditava que a gravadora havia dado um prazo maior. Coral Fang foi o qual catapultou Brody e a banda ao sucesso mainstream, o cd fez quinze anos em 2018! 




Los Angeles serviu de inspiração para várias canções do The Distillers, inclusive de pano de fundo para gravações de clipes. Brody conta em entrevista que no primeiro momento ao chegar em LA, achou a cidade muito vulgar e alienante, por um longo tempo se sentiu superdesajustada. Ela só conhecia seu então marido e foi através dele que seria apresentada a cena punk local. Após seis anos de um tumultuado casamento, separam-se em 2003. Foi um momento conturbado, Tim fez acusações e Brody se defendeu mais tarde revelando que a relação era mentalmente abusiva à ela pois o vocalista controlava tudo. Os amigos que restaram foram os companheiros de banda e Josh Homme, que começaria a namorá-la no mesmo ano. Em 2005 o casal oficializa a união e permanecem até hoje.

Brody e Tim.
Com Josh Homme (espero que seja punido pelo chute na fotógrafa!)

Brody tem com Josh três filhos: Camille, Orrin e Wolf. A primeira nasce em 2006 e The Distillers havia terminado. A cantora revela que a filha salvou sua vida, por muitos anos lutou contra a depressão e também com o vício em metanfetamina. "Eu não conseguia achar saída até que tive filhos e então me salvou. Eu me sinto bem, tenho um propósito e me sinto satisfeita". Buscando novos caminhos, ela anuncia sua nova banda Spinnerette em 2007. Tenta voltar aos palcos mas cancela a turnê após ser diagnosticada com depressão pós-parto. Em entrevista ao jornal The Guardian, Brody revela que as conversas de internet sobre seu ganho de peso na gravidez de Camille a afetaram profundamente. Admite que foi parte da razão por não conseguir fazer uma turnê apropriada para o novo disco. O retorno só viria em 2014, com o lançamento de seu álbum solo Diploid Love.


O hiato do The Distillers não foi um período fácil na carreira da artista. "Eu me senti uma fracassada depois que The Distillers acabou. Senti-me inútil. Estava envergonhada e perdida. Não sabia o que queria e que caminho tomar, mas me esforcei para encontrar o positivo diário e simplesmente continuei." A resiliência e determinação de Brody foi fundamental para sobreviver nessa indústria de altos e baixos tão bruscos. "Eu nunca tomarei um não como resposta e eu não irei parar. Não pararei enquanto não chegar aonde quero ir." Em 2018, a banda retorna aos palcos para comemoração de muitos fãs.

O estilo punk de 2000

Como dito no começo do post, Brody se tornou uma grande referência - senão a maior - às garotas punks da virada dos anos 2000. E é interessante que o estilo punk dela era bem adaptado a moda desse início do século 21. Dalle usava aquelas famosas calças justas e de cinturas superbaixas seguradas por cintos de caveiras ou de tachas, com blusas curtas, geralmente regatas e baby looks. All Star era seu companheiro favorito, mas às vezes fugia do seu estilo tomboy e usava saltos em modelos de sapatos polly ou em botas de cano médio e bico superfino. Quando ela colocava saia ou vestido, seu visual lembrava muito as punks setentistas.

Inspiração? Pose parecida com Debbie Harry.
Em 2004 na premiação da NME. 
O mesmo look é usado no clipe "The Hunger".

O cabelo virou marca registrada de seu camaleonismo, será que influência da Cyndi Lauper na infância??? Já teve o cabelo de todas as cores e cortes, mas dois são bem icônicos: o moicano e o desfiado curto preto. A maquiagem também não fica de fora, como não lembrar de sua make vamp, onde a pálpebra inferior era pintada de tal forma que parecia uma forte olheira resultando em uma  acentuada aparência junkie? Os lábios superpigmentados de vermelho ou já gastos e sempre acompanhados de piercings. Muitas meninas se inspiram até hoje nesse visual.

Brody se irrita com a Macy's e Bloomingdales e as 
proíbe de usarem essa imagem em campanhas publicitárias.

Por incrível que pareça, o estilo forte e marcante esconde por trás uma pessoa tímida. Tanto que quando se apresenta, Brody diz que prefere entrar e tocar logo, pois ama tocar. "Eu não gosto de conversa fiada, eu não quero que as pessoas fiquem ofendidas por não dizer nada porque não é pessoal, não tenho nada a dizer, prefiro tocar, então às vezes fico mais quieta". Brinca sobre a questão de não gostar de oferecer bis no final do show pois acha a encenação boba, diz que remete aos anos 70 e ao Kiss, banda da qual não curte.




Mesmo sendo reservada, em 2014, Brody e sua irmã caçula, a comediante Morgana Robinson, revelam publicamente como as duas se reencontraram. Ambas são filhas paternas, mas não se viam desde que Brody tinha cinco anos e a irmã foi morar na Inglaterra com a mãe. Morgana sempre teve o sonho de ver seus irmãos, foi quando Brody saiu na capa da revista The Face, em 2004. O pai - hoje falecido - a notifica sobre a publicação e Morgana descobre que possui uma irmã rock star e que vai tocar em Londres. Ela vai no concerto e assim conhece a cantora, que hoje são superpróximas. Apesar do parentesco, Brody considera seu falecido padrasto como seu verdadeiro pai.


Por sua trajetória musical, Dalle se tornou uma inspiração para meninas e mulheres que querem formar bandas de rock e por suas opiniões e atitudes sobre como encarar essa indústria. Ela ainda se questiona o fato de ainda estranharem uma mulher segurando uma guitarra, mas ao pedirem conselho as que estão iniciando, incentiva na revista Bust: "Sim, dominem um instrumento. Há muito tempo para namorados e namoradas e toda essa m***. Se você é apaixonada por algo, domine-o. E é simples de começar. São passos de bebê. Aprender a tocar um instrumento requer dedicação, cometer erros e descobrir todo tipo de coisas. Se você apenas tocar junto com seus álbuns favoritos, assim como fiz, você ficará melhor e melhor e melhor".

"Eles dizem que mulheres não tocam guitarra tão bem quanto os homens...Eu não toco guitarra com a p* da vagina então que diferença faz?"

Acompanhe nossas mídias sociais: 
Direitos autorais:
Artigo original do blog Moda de Subculturas. 
É permitido compartilhar a postagem. Ao usar trechos do texto como referência em seus sites ou trabalhos precisa obrigatoriamente linkar o artigo do blog como fonte. Não é permitida a reprodução total do conteúdo aqui presente sem autorização prévia. É vedada a cópia da ideia, contexto e formato de artigo. Plágios serão notificados a serem retirados do ar (lei nº 9.610). As fotos pertencem à seus respectivos donos, não fazemos uso comercial das mesmas, porém a seleção e as montagens de imagens foram feitas por nós baseadas no contexto dos textos.

19 de dezembro de 2018

Resenha: 4º edição da revista Gothic Station- do Trad Goth ao Tribal Fusion

A revista Gothic Station chegou a sua quarta edição trazendo como capa o Tribal Fusion!  

A Gothic Station nº 4 seguiu com a proposta de abranger a diversidade da cena gótica, desta vez, logo após duas páginas iniciais com os lançamentos musicais, vem uma matéria de  grande valor sócio-histórico para cena brasileira: uma pesquisa que Henrique Kipper fez, nos moldes de um censo, sobre qual religião os góticos são adeptos. Os participantes - voluntários que responderam a um post no Facebook do Kipper - contaram suas experiências de conciliação entre religião e a subcultura, tema envolto em mitos na subcultura e preconceitos na sociedade, que muitas vezes tende a colocar góticos como "servos do mal" sem considerar que umbanda, espiritismo, catolicismo e religiões orientais são parte das expressões religiosas individuais. Um ponto interessante é que o resultado do censo gótico possui uma grande diferença quando comparado ao censo brasileiro oficial. Há depoimentos tanto relacionados a seguir uma religião diferente do resto da família quanto com relação a preconceitos sofridos dentro da própria cena.

Após as oito páginas dedicadas à religiosidade chegamos na entrevista com Amanda Palmer, um feito e tanto para uma pequena revista brasileira. Os fãs e admiradores da cantora e compositora podem ler suas opiniões pessoais sobre música, arte, sua relação com o feminismo e com seu marido Neil Gaiman.



A seguir vem a matéria que escrevi para esta edição. A história da subcultura gótica é um dos temas mais pedidos, então foi muito bom poder escrever sobre a temática de uma forma muito palpável: nas páginas da revista! O texto é sobre a estética Trad Goth. Conto sobre a origem da subcultura gótica no clube Batcave e a estética surgida naquele período assim como alguns exemplos de artistas que influenciaram (e influenciam até hoje) a moda gótica. Eu não contarei os detalhes aqui, espero que vocês adquiram a revista para ver o trabalho lindo que ficou (bem melhor que um post no blog!).


Após quatro páginas de entrevistas com a banda Back Long Arch, de Brasília, que faz um som darkwave e alternativo, chegamos na matéria de Turismo escrita por Iluá Hauck, intitulada "Os Sete Magníficos", os sete grandes cemitérios-jardins de Londres construídos na primeira metade do século 19. Iluá além de artista visual em ascensão em Londres, é uma das primeiras modelos alternativas brasileiras (se não a primeira) a modelar na Europa para famosas marcas alternativas, sendo também pioneira num estilo que está muito em voga hoje: a mistura de estética vintage com a gótica. Ela já esteve aqui no blog em uma entrevista exclusiva (veja aqui) num post suuuper antigo. Esta foi uma das matérias mais legais que li na revista, a arte tumular é algo que me desperta interesse assim como a história e cultura do da Era Vitoriana.



As páginas 30 e 31 trazem um resumo do Deepland Festival II, ocorrido em 13 de outubro de 2018, com bandas de toda a América Latina ligadas ao Gothic Rock e Darkwave. Ao folhear para a página seguinte, nos deparamos com a matéria de capa: "Tribal Fusion - Histórico e Tendências". Essa matéria teve origem aqui no blog (sim!), quando foi escrita pela colaboradora Melissa Souza, mas na Gothic Station atinge um patamar mais elevado, um lindo registro de um estilo de dança que fascina cada vez mais as mulheres alternativas. 


Das Ich, uma das bandas essenciais dentro do movimento Neue Deutshe Todeskunst, ligado à formação do WGT, ganha quatro páginas em uma entrevista em que conta um pouco de sua trajetória.

Uma das coisas que mais gosto da Gothic Station são as matérias sobre cinema. A sétima arte tem grande influência na formação da subcultura gótica e é sempre bom conhecer um pouco mais as referências. Nesta edição, creio que muitos vão apreciar a matéria que trás as obras de Poe por três cineastas europeus através do longa "Histórias Extraordinárias".



Como uma voraz leitora, nem preciso dizer que a sessão de literatura me agradou muitíssimo e tem tudo para agradar você, admirador das obras de Edgar A. Poe. Em cinco páginas dedicadas ao mestre, "O que faz dele um escritor extraordinário?" pergunta a autora da matéria, Luciana Fátima. O texto tenta buscar as respostas desta pergunta, abordando tanto a admiração de outros escritores sobre ele, quanto desenvolvendo uma ligação entre suas obras e personagens com sua vida pessoal.



A Gothic Station nº 4 é, assim como as edições anteriores, um respiro de arte e cultura alternativa. Tocá-la e folhear suas páginas é ter um material gráfico caprichado e principalmente ver que PESSOAS se dedicaram a escrever para oferecer um conteúdo que tomou tempo e dedicação de cada um. Mostrando que existem pessoas neste Brasil que são responsáveis pela criação de conteúdo e difusão de conhecimento sobre cultura alternativa. Só tenho a agradecer a todos que nestas quatro edições criaram um material que daqui há muitos anos ainda serão úteis a quem quiser se informar sobre moda e cultura alternativa.  

Neste momento, a revista precisa do SEU apoio! Precisa muito que as edições esgotem na loja para que a edição número 5 seja produzida, já que não há mais financiamento coletivo para a publicação. Por isso vou deixar abaixo o link da resenha de cada uma das edições e o link da loja.

Pra finalizar, preciso da ajuda de vocês com relação a revistas alternativas! Vou lançar algumas questões aqui e vocês respondem nos comentários com "sim" ou "não".
1. Você prefere uma revista alternativa no formato virtual?
2. Você apoiaria financeiramente uma revista alternativa virtual?
3. Você se interessa que a Gothic Station continue existindo de forma física?


Link da loja:



Link das resenhas:
Gothic Station #1
Gothic Station #2


Acompanhe nossas mídias sociais: 
Instagram Facebook Twitter - Tumblr - Pinterest - Google +  Bloglovin´

Direitos autorais:
Artigo original do blog Moda de Subculturas. É permitido compartilhar a postagem. Ao usar trechos do texto como referência em seus sites ou trabalhos precisa obrigatoriamente linkar o artigo do blog como fonte. Não é permitida a reprodução total do conteúdo aqui presente sem autorização prévia. É vedada a cópia da ideia, contexto e formato de artigo. Plágios serão notificados a serem retirados do ar (lei nº 9.610). As fotos pertencem à seus respectivos donos, não fazemos uso comercial das mesmas, porém a seleção e as montagens de imagens foram feitas por nós baseadas no contexto dos textos. 

14 de dezembro de 2018

Die Antwoord e Zef: a subcultura do branco pobre da África do Sul

Com o fim do apartheid na África do Sul, novas políticas foram criadas visando o apaziguamento das diferenças étnicas entre negros e brancos naquele país. É nesse ponto que a subcultura Zef ganha espaço. Atualmente é associada ao trio de rap Die Antwoord que orgulhosamente representa o estilo.

Yo-Landi Visser e uma de suas camisetas escrito "ZEF"/ Divulgação.

"Zef é o estilo azarão da África do Sul. Zef tem sido um insulto há muito tempo na África do Sul. Significa que você é um pedaço de merda" - Ninja, Die Antwoord

O Zef surge como consequência do empobrecimento dos brancos da África do Sul. Para entender como os brancos empobreceram precisamos voltar um pouco no tempo e contar de forma breve a história da colonização do país.

Os colonos holandeses chegaram na África do Sul no século 17 com o desejo de estabelecerem-se numa terra fora dos domínios britânicos, assim, ocorreu uma migração em massa de agricultores (os Voortrekkers), os "pioneiros", que desenvolveram sua própria linguagem e identidade. Os descendentes destes colonos são chamados de "Afrikaners". Em 1948 eles chegaram ao poder e o Apartheid foi instaurado.

O apartheid foi  um regime de segregação racial (1948 a 1994) onde os direitos da maioria dos habitantes foram cerceados pelo governo de minoria branca. Ocorria a divisão dos habitantes em grupos raciais: "negros", "brancos", "de cor" e "indianos". Na década de 1970, os negros foram privados de sua cidadania. Serviços públicos como saúde, educação e outros eram oferecidos de forma inferior aos negros enquanto os brancos ficavam com os melhores serviços.

Muitos Afrikaners trabalhavam na indústria do ouro na década de 1970, enriquecendo e levando um estilo de vida ostentatório. Apesar de uma vida financeira confortável, eram pouco educados e escolarizados. O termo "Zef" era usado para descrever a paixão destas pessoas pelo Ford Zephyr customizado de forma extravagante. O estereotipo do Zef era um bigode de morsa (bigodes super grandes) e um corte de cabelo mullet. 

Em 1994 ocorrem as primeiras eleições democráticas e consequentemente o fim do apartheid. A vida destes brancos muda radicalmente, levando-os ao empobrecimento. Sua cultura virou tabu, foi sendo desmantelada ganhando um significado de 'vergonha'. 

A recente geração de afrikaners de Joanesburgo reapropriou e parodiou esta cultura marginalizada. A cena cresceu em torno de  Die Antwoord, com Ninja, Yo-Landi e o DJ Hi-Tek que fazem rap em inglês, na língua Africaans (africânere dialetos locais.

"Zef é: você é o pobre mas você é extravagante. Você é pobre mas você é sexy, você tem estilo" - Yo-Landi

Zef: o visual do branco que entrou em decadência social com o fim do Apartheid

Características

O Zef envolve elementos que remetem à ostentação, como o uso de grillz nos dentes e a um visual barato associado à classe média baixa. 


As características do estilo Zef. / Reproduçao


Mullet, cuecas boxers estampadas, lentes de contato sclera, tatuagens de baixa qualidade, corte/penteado High Top Fade (o penteado do Ninja), jóias douradas, roupas over-sized (grandes para o corpo da pessoa), camisetas curtas estilo cropped (leia matéria aqui), pinturas no rosto e referências aos anos 1980 (as cores verde e rosa são frequentes) são habituais no visual do Die Antwoord.


Yo-Landi cheia de colares dourados e 
seu famoso corte de cabelo mullet. / Divulgação

Os estilos de Yo-Landi e Ninja passam a impressão de um visual de rua, marginalizado, casual, simplório e às vezes 'esquisito' e brega. As roupas de Yo-Landi costumam ter também um jeito infantilizado.


É importante salientar que o visual do grupo de rap remete a uma versão mais exagerada, uma paródia do comportamento 'pouco educado' dos Zefs que já foram bem de vida e perderam poder aquisitivo. Suas roupas com aparência de baratas e de modelagem simples se contrastam com os elementos de ostentação, como os acessórios em ouro.
A dupla estrelou o filme "Chappie" (2015) de Neil Blomkamp e manteve o visual Zef em cena associando-o a elementos cyberpunks e pós apocalípticos nas cenas de luta.


Fotos: Divulgação

Embora o Zef exista há décadas, foi com Die Antwoord que esta subcultura ficou mundialmente conhecida através da abordagem sarcástica dos artistas musicais. 

Seguimos no caminho de escrever sobre subculturas e estilos alternativos fora do eixo Europa / Estados Unidos. O Zef é apenas um dentre muitos.


E você, o que acha de 
Die Antwoord e do estilo Zef?



Acompanhe nossas mídias sociais: 
Direitos autorais:
Artigo original do blog Moda de Subculturas. 
É permitido compartilhar a postagem. Ao usar trechos do texto como referência em seus sites ou trabalhos precisa obrigatoriamente linkar o artigo do blog como fonte. Não é permitida a reprodução total do conteúdo aqui presente sem autorização prévia. É vedada a cópia da ideia, contexto e formato de artigo. Plágios serão notificados a serem retirados do ar (lei nº 9.610). As fotos pertencem à seus respectivos donos, não fazemos uso comercial das mesmas, porém a seleção e as montagens de imagens foram feitas por nós baseadas no contexto dos textos.

18 de novembro de 2018

O excêntrico solado anabela com plataforma está de volta (pata de bode)

Há algum um tempo temos observado: ele está voltando entre os lançadores de tendências alternativas! Quem? Ele mesmo, o infame solado que junta anabela e plataforma e resulta numa das criações mais polêmicas do mundo da moda: o famoso modelo conhecido no Brasil como "Pata de Bode"!

Foto: https://instagram.com/kibbipixel

O modelo já era considerado esquisitão lá na década de 1970 e foi adorado pelos clubbers dos anos 1990 que elevaram suas plataformas à decima potência! Mas na década de 2000 desfilou pelo mainstream brasileiro e foi objeto de desejo de muitas meninas alternativas do período!

E porque apostamos em falar desse modelo? 
Porque como toda jovem esquisitona dos anos 2000, a gente tinha esse tipo de calçado - e amava! Sentimos falta tanto pelo conforto quanto pela excentricidade. Não foram poucas as vezes que riram de nós nas ruas por ter um calçado que nos fazia parecer caminhar com as pernas engessadas, mas nunca ligamos (como toda alt girl raiz haha).

As meninas alternativas, é claro, usavam modelos todo preto, que podiam ser encontrados em lojas de rua em versão bota, sapato boneca e sandálias. Online, uma das lojas que vendia e ainda vende é a Black Frost.

O mais curioso é que esse calçado chegou geral no mainstream brasileiro, os modelos em tons de marrom (justificavam o nome "pata de bode", já que no exterior o modelo tem outro nome) podendo ter bordados de flores e espaços vazados, eram usados pelas meninas da classe popular e odiados pela elite da moda, tipo esses aqui:

Lembram? (Foto: divulgação)

O reinado do pata de bode acabou no Brasil lá pelos anos de 2006, mas os resquícios dele ainda eram vistos até uns 10 anos atrás, após esse período foi desaparecendo dos pés alternativos permanecendo apenas em um pequeno nicho de admiradores. Mas sabia que em algumas marcas alternativas estrangeiras modelos com esse solado nunca saíram de linha? A marca Demonia foi uma das responsáveis por manter o modelo circulando, até hoje encontramos diversos modelitos! E tem sido eles, vistos com frequência nos pés de diversas influencers alternativas, os responsáveis pelo retorno do modelo ao status de objeto de desejo!


Fotos: Demonia Shoes

O que marca o modelo é essa "onda" pra cima e pra dentro (afundada) entre o salto e a plataforma e a ponta levemente ou extremamente arrebitada, que dá aquela impressão de desequilíbrio iminente.

Fotos: Demonia, UNIF e Dolls Kill

No Brasil temos uma carência de modelos que são considerados clássicos alternativos, o que dificulta que possamos usar por décadas a fio o mesmo estilo de roupa e calçado, precisamos muitas vezes nos adaptar ao que está disponível para compra.

Foto: Demonia

A moda alternativa surgiu como uma forma de oferecer produtos independente dos modismos de massa, sem depender das demandas de mercado, mas parte do segmento acompanha o mercado capital, tanto por questões de sobrevivência quanto de dominação mundial rs.
Nada contra, somos cientes das dificuldades do mercado alternativo e conscientes de que resistir ao sistema da moda não é regra geral. Os que possuem meios podem recorrer à importação, outros ficam na dependência do mercado nacional. Seria muito legal que itens que constituem a clássica cultura de moda alternativa tivessem um público cativo e consequentemente um espacinho nas prateleiras!


Se adaptando à moda recente: solado tratorado.
Fotos: Demonia


Uma enquete simples no story do nosso Instagram revelou que mais de 70% dos que votaram gostam do modelo. Acredito que são clientes em potencial! Você compraria?

Sabe aqueles calçados que as pessoas dizem que são horríveis e ninguém deveria usar? Creepers, pikes, botas brancas... Nós adoramos!

Manda aí sua dica de calçado esquisito e não esquece de dizer o que acha do pata de bode!



Acompanhe nossas mídias sociais: 
Direitos autorais:
Artigo original do blog Moda de Subculturas. 
É permitido compartilhar a postagem. Ao usar trechos do texto como referência em seus sites ou trabalhos precisa obrigatoriamente linkar o artigo do blog como fonte. Não é permitida a reprodução total do conteúdo aqui presente sem autorização prévia. É vedada a cópia da ideia, contexto e formato de artigo. Plágios serão notificados a serem retirados do ar (lei nº 9.610). As fotos pertencem à seus respectivos donos, não fazemos uso comercial das mesmas, porém a seleção e as montagens de imagens foram feitas por nós baseadas no contexto dos textos. 

31 de outubro de 2018

Ensaio Fotográfico: Ritual

É bem comum que a gente se depare com ensaios de temática pagã que remetem à um cenário europeu. Mas e que tal num cenário brasileiro de clima tropical semi-árido? Parece nada a ver? Não é bem isso que se revela na sessão fotográfica "Ritual", que mostramos nesta postagem.


O ensaio foi realizado na cidade de Pacatuba, Ceará. Tomei conhecimento através do Instagram de uma das meninas, a blogueira e body piercer Mayara Soares (@oh.maygoth). E achei maravilhosa a proposta de não querer reproduzir um imaginário europeu, mas sim uma ideia de bruxas brasileiras mesmo, com todas as nossas peculiaridades regionais. 



Lidiane Góes, Ramona Rodrigues, Samantha Freitas e Mayara Soares estão vestidas iguais, dando uma uniformidade a atemporalidade ao visual das "bruxas" que vestem a cor negra, uma cor muito significativa. A cor negra na bruxaria representa o Útero Universal, do qual nasceu toda a Luz, a escuridão da Terra onde germinam as sementes, como contamos na nossa postagem sobre o Neopaganismo/Bruxaria Moderna. O toque de modernidade se revela na maquiagem escura nos olhos e na boca.


No ensaio, as modelos interpretam o ritual pagão dedicado ao Deus Cornífero, bem ilustrado nas fotografias com as caveiras.





Gostaríamos de parabenizar o fotógrafo de moda Leonardo Pequiar (@leonardopequiar) pelo trabalho assim como a liberação da postagem das fotos.



E você, o que achou do ensaio?




Acompanhe nossas mídias sociais: 
Direitos autorais:
Artigo original do blog Moda de Subculturas. 
É permitido compartilhar a postagem. Ao usar trechos do texto como referência em seus sites ou trabalhos precisa obrigatoriamente linkar o artigo do blog como fonte. Não é permitida a reprodução total do conteúdo aqui presente sem autorização prévia. É vedada a cópia da ideia, contexto e formato de artigo. Plágios serão notificados a serem retirados do ar (lei nº 9.610). As fotos pertencem à seus respectivos donos, não fazemos uso comercial das mesmas, porém a seleção e as montagens de imagens foram feitas por nós baseadas no contexto dos textos. 

Instagram

© .Moda de Subculturas - Moda e Cultura Alternativa. – Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in