.Moda de Subculturas - Moda e Cultura Alternativa.: Agosto 2017

31 de agosto de 2017

A Princesa Rebelde: 15 looks de Lady Diana que poderiam estar nos armários das meninas góticas e das que amam moda retrô!

Lady Diana é conhecida até hoje como "A Princesa Rebelde". Neste post vamos mostrar que o mainstream e o alternativo andam lado a lado quando menos esperamos! As roupas volumosas dos anos 1980 ou vestidos pretos dos anos 1990, poderiam estar nos guardarroupas de góticas românticas ou meninas que amam o retrô. Diana foi aos poucos descobrindo o seu Girl Power interior e sacudindo a família real britânica. Há exatos 20 anos de sua morte, homenageamos a princesa que como vários alternativos, quebrou diversos protocolos.

Lady Di é lembrada como uma princesa tímida e infeliz no casamento, porém o que chama a atenção para nós é a forma rebelde com que ela usava as vestimentas. Foi com ela que a profissão de paparazzi se tornou mundialmente conhecida. Mas a princesa não queria ser vista somente como uma fashionista e num golpe de mestre passa a usar a moda para chamar a atenção de causas que se engajava, dando visibilidade aos eventos sociais.

Vestido que lembra a Malévola e com cores preferidas das góticas: preto e roxo.
purple-dress-cross

E não é que são parecidos? :D

A princesa queria uma vida fora dos palácios, ser vista e ouvida, e isso era um problema, mas ela não se calou. Quando abraçou a causa do HIV, o palácio desaprovou na hora. Mas a princesa contrariou e seguiu. Apertava as mãos de pacientes com AIDS, um ato que na época provocava choque, pois a sociedade ainda temia as possíveis formas de contaminação da doença.

A princesa foi "punk" usando uma luva de cada cor. Será que seu choker tem um morceguinho? ;D
vestido-vermelho-preto

Preto e vermelho na moda gótica.

Devido à textura, veludo era o tecido favorito para visitar hospitais para cegos. Bijuteria era usada em visitas à hospitais infantis, assim as crianças podiam brincar à vontade com seus acessórios. As luvas eram deliberadamente retiradas ao apertar a mão dos doentes (retirar as luvas era proibido aos membros da família real).

A moda alternativa atual ama a dramaticidade e sofisticação do veludo, Lady Di também adorava o tecido, fosse num modelito mais barroco ou em um mais romântico.
vestidos-veludo-azul dress-velvet-blue-lace

Tons de azul, rendas e saias volumosas na moda gótica.

E não podiam faltar os maravilhosos vestidos pretos! 
Diana já começou quebrando o protocolo em seu noivado vestindo a cor preta (na realeza, cor do luto) num vestido tomara que caia (a regra era ela usar um vestido todo fechadinho e comportado), vestindo novamente a cor no anúncio de seu divórcio. 

Aliás, se você é formanda e tem pavor daqueles vestidos comuns, olha quantas ideias os vestidos da Princesa de Gales podem lhe proporcionar! 
 black-dresses

Não fosse tudo isso suficiente, ela ainda usou smoking e ternos em visuais andróginos, com direito à gravata e scarpin vermelho!! E causou! Merece também o título de princesa mais cool!


Quando visitava um país, usava roupas com cores da bandeira local (aqui um dos trajes de sua visita ao Brasil), atitude imitada hoje por Kate Middleton e até mesmo pela ex-primeira dama americana Michelle Obama.

Já era closeira antes de todo mundo!


Blusinha de alça cruzada e vestido com detalhe em tule...
tem peças parecidas em lojas alternativas atuais <3
minimalism-90s

Foi a primeira mulher da realeza britânica a ser fotografada usando calças em eventos noturnos; usava saias consideradas curtas para sua posição social e deixou-se fotografar usando trajes de banho!

Será que Diana vai se tornar um ícone de estilo da subcultura retrô?
80S-RETRO-STYLE

Olha só quantas peças semelhantes!! :D

Com a morte de Diana, a família real britânica percebeu que precisava se modernizar, que era necessário estar próximo ao público e talvez amenizar algumas tradições. Diana certa vez disse que não queria ser a Rainha da Inglaterra e sim a Rainha no coração das pessoas. Ela falou publicamente sobre suas desordens alimentares e problemas de depressão, sem medo de desafiar as regras rígidas da nobreza. E como uma boa rebelde, a Princesa deixou sua marca na história usando a moda como chamariz de problemas sociais que precisavam de visibilidade.


*consideramos os terninhos 1 look só.


Acompanhe nossas mídias sociais: 

Pedimos que leiam e fiquem cientes dos direitos autorais abaixo:
Artigo das autoras do Moda de Subculturas.
É permitido usar trechos do texto como referência em seus sites ou trabalhos, para isso precisa obrigatoriamente linkar o artigo do blog como fonte. Compartilhar e linkar é permitido, sendo formas justas de reconhecer nosso trabalho. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo aqui presente sem autorização prévia. É proibido também a cópia da ideia, contexto e formato de artigo. Plágios serão notificados a serem retirados do ar (lei nº 9.610). As fotos pertencem à seus respectivos donos, porém, a seleção e as montagens de imagens foram feitas por nós baseadas no contexto dos textos.

29 de agosto de 2017

Essential, a recém lançada coleção da marca Dark Fashion aposta em peças funcionais


Com destaque para peças multifuncionais, a nova coleção da loja Dark Fashion chegou ao site há uma semana. Destaquei algumas peças pra mostrar os detalhes à vocês!

 

Saia 5032 em cotton com amarração lateral


Nos vestimos inspirados ou tendo como referência a música que escutamos; a arte, a literatura que gostamos e até mesmo as fantasias do que imaginamos ser. A moda alternativa produzida pela Dark Fashion não segue as tendências do mainstream se tornando uma ótima escolha aos que gostam de diferenciação. Além disso, é uma das que aposta num estilo que abraça as meninas fãs do Heavy Metal sem cair no cliché, ao mesmo tempo abrangendo fãs de moda gótica e de inspiração fetichista, sem deixar de lado as clientes que cresceram e querem algumas peças mais "adultas" e sofisticadas.

As peças da marca vão do tamanho PP ao EGGG, e se você veste tamanho maior ou menor do que os citados, pode pedir sob encomenda.

A Coleção Essential vem com 16 peças intercambiáveis sendo que algumas delas são multifuncionais se tornando 2 ou até 3!


O vestido 5058 é uma das peças multifuncionais: tem regulagem lateral que permite ser usado de 3 formas: Na altura de um vestido, mais curto ou como blusa. O capuz vira gola. Uma peça com 5 opções diferentes de uso. É em visco lycra com corpo forrado.
 

A blusa 2530 é 2 em 1: as mangas em estilo gótico medieval são removíveis.


O vestido 5056 é evasê em veludo, com capuz e forrado com visco lycra. Tem amarração em pentagrama no decote é uma das peças mais lindas da coleção!


Sobre fazer moda em tamanhos maiores, Nívia, a estilista da marca nos explicou sobre o processo nesta entrevista. "Cobrar a mais de quem usa um tamanho maior, ou sob medida, para mim é uma forma de exclusão social. No meu caso nunca cobrei."

À esquerda calça 4020 com três cintos em courano e à direita blusa 2076 em tela com detalhe frontal em courano.


Mesma saia, corpos diferentes.
A saia 5013 e a 5014 possuem longas fendas frontais, mas tem um short por baixo. Perfeitas para os dias quentes hein? ;-D



"Um look mais sexy com a blusa transpassada 2080 que pode ser amarrada na frente também, o decote pode ficar mais fechado ou mais aberto conforme a regulagem da amarração, é uma blusa que pode ser usada por cima de outras variando ainda mais o uso. A saia apesar das superfendas tem como base um short e um cós alto, portanto podem ficar tranquilas, dá pra abusar das fendas e ainda ficar bem segura. Ela aparece em duas variações, uma com as fendas totalmente abertas e outra com com amarração para dar uma regulada na abertura das fendas. O tipo de look pra arrasar com certeza. E pra quem não se sente a vontade mostrando parte da barriga, dá pra aliar ao look um corpete ou corset e deixar ainda mais estiloso." - Nívia


Blusa 2078 em cotton com amarrações, pode ser feita também em lycra cirê (modelo 2578). O cinto 8515 possui correntes removíveis, possibilitando usar sem as correntes, ou mudando-as de posição.


Blusa transpassada 2529 (lindo o decote!!) amarrada nas costas possibilitando regular o decote, corpete 3880 em couríssimo envernizado, forrado com brim e possuindo barbatanas de aço e em silicone com fechamento traseiro em amarração. E saia 5024, godê com cós duplo de 7cm, fresquinha para os dias quentes.


Estes foram meus destaques da coleção, tem mais algumas peças na loja que não abordei aqui, incluindo leggings, uma saia godê sobreposta em renda linda que eu já postei look no Stories do nosso Instagram usando ela. No site tem também um vestido medieval maravilhoso digno de photoshoot!!

 Não esqueçam de seguir o Facebook e o Instagram da marca pra ficar em dia com as novidades <3
E vocês, já tem peça preferida dessa coleção?



Modelos: Sara Seibert e Cintia Gunner
Fotos:  Carol Müller
Make:  Carol Andreia Reis




Acompanhe nossas mídias sociais: 

Pedimos que leiam e fiquem cientes dos direitos autorais abaixo:
Artigo das autoras do Moda de Subculturas.
É permitido usar trechos do texto como referência em seus sites ou trabalhos, para isso precisa obrigatoriamente linkar o artigo do blog como fonte. Compartilhar e linkar é permitido, sendo formas justas de reconhecer nosso trabalho. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo aqui presente sem autorização prévia. É proibido também a cópia da ideia, contexto e formato de artigo. Plágios serão notificados a serem retirados do ar (lei nº 9.610). As fotos pertencem à seus respectivos donos, porém, a seleção e as montagens de imagens foram feitas por nós baseadas no contexto dos textos.

18 de agosto de 2017

A história de Vampira (Maila Nurmi): Rainha do Terror e Glamour Ghoul original

Imperiosa, invulnerável, extremamente bonita e curvilínea, Vampira representava tudo o que Maila Nurmi queria ser. A personagem oferecia a oportunidade à atriz sentir aquilo o que não conseguia enxergar em si própria. 

"Eventualmente virei Vampira por ela ser um tipo de entidade que sobrevive nesse mundo carnal. Eu, Maila Nurmi, não. Nos meus primeiros anos de vida, sendo muito pobre, magricela, com baixa autoestima, precisava de alguma coisa para me agarrar".


cobweb-close-spiderweb

A atração pelo terror não surgiu ao acaso. Quando tinha 14 anos, Maila ficaria encantada pela Rainha Má de A Branca de Neve. Sendo uma criança depressiva e sem autoconfiança, a emigrante finlandesa enxergou ali o que gostaria de ser. "Eu não curtia a parte má, mas amava a composição", diria. Vampira também teria um quê de maldade, porém não de forma gratuita. Nurmi sempre era cautelosa ao explicar que Vampira precisava bancar a maldosa para distanciar-se dos homens maus, mas que no fundo era boa, inclusive ativista dos animais.

Descanse em paz

A jornada profissional não seria nada fácil. Para sustentar-se no início, fez alguns trabalhos como modelo, chegando a posar para Man Ray e sendo pin-up de Alberto Vargas. Faria também revistas especializadas em bondage e como loira glamourosa numa publicação de massa. Em Nova Iorque, seria dançarina burlesca no show de horror chamado Spook Scandals. Mas o grande feito mesmo só viria aos 32 anos.

Posando como pin-up
posando-como-pinup


Loira glamourosa
maila-nurmi-posando-loira-glamourosa

Em 1953, Maila é convidada para o evento anual do dançarino Lester Horton, o badalado Hollywood Costume Ball. Decidida a se produzir e chamar atenção de Charles Addams, Nurmi inspira-se em um de seus personagens para o figurino que na época não havia nome, mas hoje é a conhecida Morticia.
Batendo dois mil candidatos, Maila ganha o prêmio de melhor fantasia da noite, o que lhe garante a atenção só que de outra pessoa, o produtor Hunt Stromberg Jr., recebendo o convite de reproduzir o modelo na televisão. Nurmi pede então alguns dias para que possa fazer a sua própria criação, já que não queria copiar Addams.


"Vampira" foi a forma que seu ex-marido, o roteirista Dean Riesner, a chamou após vê-la pronta. Para compor a personalidade da Monstra, as admirações de Nurmi serviriam de influências: desde a adolescência com Rainha Má e a Dragon Lady da tira em quadrinhos Terry and Pirates Comics Trip, até Theda Bara referência de imagem marcante. Porém, a que realmente instigaria era a interpretação de Norma Desmond por Gloria Swanson, em Crepúsculo dos Deuses.

vampira-maila-nurmi-cigarrette

A estética vinha do universo fetichista, em especial os desenhos de John Willie para revista Bizarre. Maila achava a combinação sexo e morte perfeita e resolveu intensificar a união. Peruca preta, sobrancelhas super marcadas e arqueadas, óculos ao estilo morcego, batom vermelho, unhas que mediam mais de 8 cm e sandálias usadas com meia arrastão ajudavam a sensualizar a estranha criatura. O vestido justo de rayon preto acentuava a cintura fina que chegou a ser a menor do mundo entrando para o Guinness Book com a marca de 43 cm. As técnicas que inventava para modificar-se corporalmente não eram nada ortodoxas, tornando-a transgressora num período em que se valorizavam formas femininas pois estas indicavam fertilidade, diferente do corpo da Monstra rebelde.

O figurino marcante.
vampira-maila-nurmi-costume

vampira-maila-nurmi-óculos-de-morcego

Unhas moldadas em plástico que podiam ultrapassar 8cm.
 
Cintura minúscula conseguida com borracha de câmara de pneu
sustentada por
 espartilho aliado a uma dieta restrita.
vampira-maila-nurmi-small-waist

A aparência cadavérica lhe atraia, como revelaria depois: "Adoro quando a luz faz com que eu assuma traços cadavéricos - amo coisas cadavéricas. Eu estava tentando ser a mulher mais bela do mundo. Sabia que era naturalmente um pouco feia e o desafio era esconder minha feiúra nestes artifícios. Acabei tendo algum sucesso pois recebo cartas dizendo o quanto achavam a Vampira bonita".

vampira-maila-nurmi-at-beach-tulle

No dia 30 de Abril de 1954, estreia The Vampira Show, sendo iniciado com o famoso grito seguido da fala "Screaming relaxes me so". Depois, sentada num sofá vitoriano vermelho, Maila introduzia produções lado b, tornando-se pioneira no segmento e considerada a primeira apresentadora de filmes de terror na TV. 



A repercussão na região de Los Angeles viria de imediato, em menos de um mês estaria na Newsweek e em matéria de destaque na revista Life, e ganha o apelido de Glamour Ghoul. Em Junho, faria uma participação icônica no The Red Skelton Show onde contracenaria com ninguém menos do que Bela Lugosi. Virou sensação em Hollywood, nunca era vista sem fantasia e era reconhecida na cidade dos anjos usando sua sombrinha preta em um Packard conversível.

No sofá vitoriano vermelho com caveiras.
vampira-maila-nurmi-sofa-skull

Inseparável sombrinha preta.
vampira-maila-nurmi-black-umbrella

O Packard conversível.
vampira-maila-nurmi-packard

Contracenando com Bela Lugosi.

Infelizmente a ascensão foi meteórica e em 1955, o programa era finalizado. Maila consegue ficar com os direitos da personagem, mas logo sente o baque financeiro. Aparece em programas de entretenimento, como Ed Sullivan's Toast of the Town, participa do Liberace's Vegas Show do músico Liberace, encontra-se com Elvis Presley e conhece Ed Wood.

Com Elvis Presley.

Numa festa em 1956, Maila é apresentada ao excêntrico diretor. Meses depois, foi convidada a participar do "Plano 9 do Espaço Sideral" (Plan 9 from Outer  Space), filme que só participou pois encontrava-se sem dinheiro algum, porém recusou a pronunciar as falas que Wood havia escrito para ela, surgindo nas cenas completamente muda. Mal sabia que tais momentos se eternizariam na história do cinema. Somente em 1959, seria lançado o longa considerado um dos piores do mundo. No mesmo ano, Nurmi participa do The Beat Generation e praticamente encerra sua carreira como atriz.


vampira-maila-nurmi-plan9-from-outer-space

Todas as cenas de Vampira no filme Plano 9 do Espaço Sideral


No filme The Beat Generation


Curiosidades: 
Maila era amiga íntima de James Dean, o ator fez esquetes no programa em cenas onde era disciplinado por Vampira. Ambos se diziam fascinados pela morte, mas Dean se afasta da amiga assim que se torna um astro. Nurmi o provoca posando como pin-up no cemitério Forset Law em cima de uma sepultura, envia a foto para Dean, escrito "Divirta-se! Gostaria que você estivesse aqui", o ator nunca a receberia pois um empregado viu e confiscou a fotografia, pouco depois o ator falecia num acidente de carro. Os tablóides diziam que era maldição da Vampira, reproduzindo a foto nos jornais com dizeres alterados de "Querido, junte-se a mim". A situação prejudicou ainda mais a carreira da atriz que já estava em decadência. 

 Com James Dean no set do programa

Nurmi e Dean numa festa à fantasia à direita. 
À esquerda, revista faz sensacionalismo com a morte do ator.

Em 1956 de cabeça raspada após um acidente capilar num salão de beleza.

Sua fama foi limitada à área de Los Angeles, mas a influência de Vampira atravessaria fronteiras nas décadas seguintes. Há rumores de que o visual de Malévola do filme A Bela Adormecida de 1959, da Disney, tenha sido baseada na Diva do Terror.


A atriz cai no ostracismo logo em seguida e passa a viver de seguro social e fazendo trabalhos domésticos na casa de celebridades. Na década de 1970 abre uma loja, "The Vampira´s Attic" onde vende souvenirs da personagem. Nos anos 80 é convidada a voltar com seu show de terror, mas entre as negociações descobre que haviam escolhido outra atriz; assim em setembro de 1988, processa Cassandra Peterson por quebra de direitos autorais. Nurmi perde mas até o final da vida acusa em entrevistas que Elvira era cópia de sua criação.




Vampira nas Subculturas e seu resgate como uma figura Cult
Nos anos em que esteve no ostracismo, a primeira subcultura que a resgatou do esquecimento foi a Punk, sendo convidada a participar de eventos num clube de Los Angeles. Posteriormente trabalhou com a banda punk feminina Satan's Cheerleaders.


Por baixo da peruca preta, o cabelo de Maila era curto e loiro, alguns dizem que a atriz tinha um comportamento e modo de pensar punk antes mesmo do punk existir. É inevitável notar semelhança entre sua foto de 1956 com Vivienne Westwood nos primórdios da subcultura.

À esquerda Maila; centro e à direita Vivienne Westwood.

Um subgênero punk também abraçou a personagem: o horror punk! Em famosa parceria com a banda The Misfits, recebeu homenagem com a canção "Vampira", assim como o grupo The Damned também a homenageia. A influencia de Vampira na década de 1980 avança para subculturas como a psychobilly, a gótica e a gothabilly. 

Trajada com The Misfits nos anos 80.
 

O sucesso do filme Ed Wood de Tim Burton em 1994, talvez tenha sido o mais importante passo no reconhecimento da carreira da atriz. Pessoas mais velhas relembram Nurmi e as novas gerações correm atrás para conhecer Vampira. Sua história é resgatada pela televisão com entrevistas e documentários, ganhando biografias e Nurmi abre um site para vender arte da personagem.

Lisa Marie interpreta a versão de Tim Burton.



Gerações mudam e nem todas as informações são passadas adiante. A ode à Vampira estava no underground até o filme de Tim Burton. Foi a partir daí que a influencia da personagem chega ao que vemos hoje, adentrando o século 21 com lojas alternativas referenciando a personagem com roupas e objetos em sua homenagem. A internet ajudou a popularizar sua imagem como figura cult.


A Kreepsville 666 tem uma linha de peças da Vampira, vocês
podem comprar na loja com nosso cupom de desconto: SUBCULTURAS


Peças da loja Moon Black, onde temos o cupom SUBCULTURA



Dentre as lojas nacionais, não dá pra esquecer da caneca mágica da Billy Willy e mais dicas: Colar da Ravenous, necessaire da Horrorífica e blusa da Vudu.


Vampira foi precursora do visual femme fatale decadente, praticamente uma proto-goth três décadas antes de surgir a subcultura gótica, ajudando a inspirar o vestuário fetichista e fantasmagórico dentro da cena.  

Créditos??

As modelos Marie Devilreux e Masuimi Max encarnam Vampira
marie-devilreaux-masuimi-max
Fonte Instagram: @dressedtokillyou e @masuimimax

Von Frankie e Dacayla von Corpse
von-frankie-decayla-von-corpse
Fonte: Instagram @vonfrankie e @decayla_von_corpse

Ídola de nomes como Kat von D, um em especial é seu maior fã e colecionador: o empresário Jonny Coffin, dono da Coffin Case, provavelmente sendo o atual detentor dos direitos autorais da artista.

Será que Dita von Teese também busca inspiração em Vampira? 

Vampira mostrando que usar preto no verão 
e ir na praia pode sim! :P
vampira-maila-nurmi-at-beach-black-umbrella

Consagrada como ícone cult, a exemplo de muitos, desfrutou pouco o caminho que abriu para seus seguidores. Passou anos esquecida, dependendo até de seguro social para sobreviver. Ficou marcada como Vampira, mas não conseguiu usufruir o retorno que hoje a personagem possui. A diva que uniu tantos pelo gosto ao terror, infelizmente faleceu sozinha no dia 10 de Janeiro de 2008, aos 85 anos.


Maila Nurmi pode não ter conseguido em vida ser uma superestrela de Hollywood, mas o título de original Glamour Ghoul será eternamente dela.





Pedimos que leiam e fiquem cientes dos direitos autorais abaixo:
Artigo das autoras do Moda de Subculturas.
É permitido usar trechos do texto como referência em seus sites ou trabalhos, para isso precisa obrigatoriamente linkar o artigo do blog como fonte. Compartilhar e linkar é permitido, sendo formas justas de reconhecer nosso trabalho. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo aqui presente sem autorização prévia. É proibido também a cópia da ideia, contexto e formato de artigo. Plágios serão notificados a serem retirados do ar (lei nº 9.610). As fotos pertencem à seus respectivos donos, porém, a seleção e as montagens de imagens foram feitas por nós baseadas no contexto dos textos. 

Acompanhe nossas mídias sociais: 


Pin It button on image hover