.Moda de Subculturas - Moda e Cultura Alternativa.: Entrevista com a Idealizadora do Bazar Noir (Evento de Moda Alternativa do RJ)

2 de julho de 2012

Entrevista com a Idealizadora do Bazar Noir (Evento de Moda Alternativa do RJ)

É com muito orgulho que este post inaugura a estréia Lauren como colaboradora do blog em matérias vindas diretamente da cidade do Rio de Janeiro!
A Lauren e eu temos várias coisas em comum e a principal delas é que nossos blogs foram os primeiros do Brasil a focar em postagens sobre a influência do alternativo no mainstream e vice versa.
A possibilidade de ter uma colaboradora que possa me informar sobre tudo de alternativo e underground que rola no RJ é o máximo! É o máximo porque abre portas para divulgação da cena alternativa em outros Estados desse imenso país. Me interessa que todos os que lêem o blog se sintam bem representados quanto à cena de suas regiões.
Segue abaixo a entrevista que a Lauren fez com Vanessa, a criadora e organizadora do Bazar Noir, um evento alternativo que reúne moda underground e muito rock n roll. Leiam tudinho vocês vão adorar!

"Em plena semana de Moda carioca (Fashion Rio), os desfiles e a marcas que mais me interessavam em acompanhar não seriam encontrados por lá, mas sim em outro menos badalado: o Bazar Noir. O evento alternativo que existe há sete anos (o único totalmente direcionado a este público no Rio de Janeiro, até o fechamento desta matéria!), tornou-se um dos principais pontos de encontro para quem curte Moda e muito Rock N’ Roll.

Dirigido por Vanessa Martins, uma carioca de 27 anos formada em Comunicação Social, o Bazar Noir já se encaminha para sua terceira edição só nesse ano. Confesso que não frequentava há um bom tempo e me surpreendi ao enxergar o seu crescimento. O local mudou, o número de expositores e variedades de produtos aumentou – encontra-se de sex shop a cupcakes - e as marcas ganharam mais uma forma de divulgar os seus trabalhos: o desfile.
Sabendo da dificuldade de se manter no mercado brasileiro, ainda mais no alternativo, fui tirar algumas dúvidas e aproveitar para tentar descobrir como o Bazar Noir continua firme e forte desde 2005. 

Vanessa, você é jovem, de onde surgiu este lado empreendedor e por que montar um bazar e não a sua própria marca?
R: Sempre quis produzir um evento, pensava no início em uma festa, porém acabei tendo a ideia de organizar uma feira de moda quando o Mercado Mundo Mix começou a sumir e eu amava aquele evento. Pensei que faltava muito um espaço como este no Rio. O Mercado Mundo Mix era o único, tinha só de vez em quando e já estava sumindo, aí decidi fazer algo parecido, uma feira de moda alternativa. Nunca pensei em ter minha própria marca porque não trabalho com moda, adoro-a, mas não levo jeito pra essa parte mais artística, gosto mesmo de produzir o evento. O Bazar Noir me levou a descobrir que eu amo trabalhar com produção, trabalhei por anos, inclusive em algumas empresas e produzindo diversas festas além dele.

A organizadora Vanessa na Edição Cabaret e distribuindo cupcakes na edição de 6 anos de aniversário do Bazar Noir.

Nicho no Brasil não costuma ser valorizado. Por que resolveu investir no alternativo?
R: Não costumava ser muito valorizado, mas hoje vejo que esse nicho só cresce. Para nossa felicidade ser alternativo está na moda! Acho isso muito bom, pois traz mais olhares para eventos como o Bazar Noir. Mas no início foi mesmo muito difícil. Eu decidi investir sem visar muito o lucro inicialmente, eu queria mesmo era oferecer a este público algo que não existia e também algo que eu gostava de realizar. Mas depois comecei a profissionalizar o evento e visar lucro. Batalhei muito pra conseguir estabilizar tudo. Hoje, depois de 7 anos, posso dizer que o Bazar Noir está dando super certo!

Como e quando começou o processo de criação do evento?
R: A ideia surgiu pensando na falta que o Rio tinha de um mercado de moda mais alternativo, as poucas lojas que existiam eram caríssimas na época e a única feira alternativa quase nunca acontecia na cidade. Toda a criação do evento inicialmente foi em parceria com o Flavio Watson, que apesar de não trabalhar mais na produção, é meu amigo e DJ do Bazar até hoje. Ele ajudou em todo o processo de criação, foi ele quem criou nosso nome e logo.

Alguns dos produtos em exposição:

Você tem alguma ajuda ou faz tudo sozinha?
R: Apesar deu ser a única produtora oficial do evento, tenho muita ajuda do meu “namorido”, Levy Fernandes. Ajuda-me demais mesmo! Desde criar planilhas para organizar contas até arrastar mesas e cadeiras, pendurar banners e coisas assim. Além disso, hoje eu conto com uma equipe de produção maravilhosa. A Deborah Lobo é responsável pela parte financeira no dia do evento e também pela maquiagem das modelos do nosso desfile, a Leticia Soares é responsável pela produção do desfile, o DJ DvogT é nosso DJ residente responsável por controlar e organizar todos o DJs e o funcionamentos dos sets durante o Bazar e temos também o nosso “DOOR” Felipe Bastos. Todos ajudam muito, dão idéias para os temas das edições e participam bastante de tudo.

Nota-se que o evento tem crescido durante esses anos. Só na última edição foram 38 expositores. E por que ainda é tão escasso ter espaço para o alternativo se existe um grande número de consumidores?
R: Acredito que o espaço para os eventos mais alternativos e underground tem crescido muito ultimamente. Vejo muita diferença de uns anos para cá, além de ter mais consumidores devido à moda estar um pouco voltada para esses estilos diferentes, acho que estão valorizando mais essas tendências. Para você ter uma ideia, há 5 anos, tínhamos 15 expositores e um público em torno de 150 pessoas, hoje temos em torno de 40 expositores e um público em torno de 400 pessoas por edição. Mesmo assim concordo que ainda tem pouco espaço para os eventos alternativos, principalmente na grande mídia como jornais, revistas, TV. Não sei explicar  o porquê, já que o público consumidor só cresce.  Prefiro acreditar que é gradativo e que em breve teremos o espaço que merecemos.


Você já deve ter visto muitos tipos de marcas. Um dos maiores problemas que se encontra é conseguir se manter neste tipo de mercado, inclusive marcas que ficaram conhecidas fecharam as suas portas anos depois. Você consegue decifrar os motivos que dificultam a permanência?
R: Sim, vi muitas marcas acabarem, muitos estilistas novos desistirem e muita gente também mudar de estilo, desistir do alternativo para investir em algo mais vendável. Acho que realmente é um mercado menor, mas como já disse, tem crescido muito. Há alguns anos, acho que era mais difícil manter uma grife num estilo alternativo do que agora, acho que hoje tem mais consumidor. Mas ainda assim é um mercado difícil de trabalhar, no meu ponto de vista, o grande problema é que o público roqueiro, gótico, dark, alternativo em geral, não é um público que possa pagar caro nas peças, então as grifes tem que ter um bom senso na hora de colocar os preços de venda, é claro que tem que valer o trabalho da marca e dar lucro, mas também se forem produtos caros não vão vender para este consumidor, pelo menos é isso que tenho percebido nestes anos de experiência.


Continuando com as marcas, como é a relação com elas em relação ao profissionalismo?
R: Costumo ter uma relação ótima com meus expositores. Prezo muito minha relação com eles, pois como eu sempre digo, eles são o Bazar Noir. Estou sempre preocupada em saber se venderam bem, se gostaram da edição, se está tudo correndo direitinho e estou sempre disponível para ajudar e resolver problemas. Da parte deles raramente tive algum problema, todos cumprem o acordo de horários, valores, são muito profissionais. Eles sempre elogiam muito o evento e o nosso cuidado com os expositores. Fico muito feliz, acho que esse é o nosso diferencial com eles, sabem que no Bazar Noir serão muito bem tratados. Temos expositores que estão com a gente desde a primeira edição do evento. E outros também que nos últimos anos se tornaram cativos, não perdem uma edição.



Quais são as suas maiores dificuldades para manter o Bazar? O que sente falta neste meio?
R: Sinto falta de um incentivo, como um patrocínio por exemplo. Já tentei correr atrás disso há alguns anos e não consegui, ultimamente confesso que nem tenho tentado, mas na época achei complicado pois as empresas só procuram patrocinar eventos que já são grandes e que tem muita visibilidade, enquanto na verdade quem mais precisa de patrocínio são as pequenas produções que ainda estão crescendo.  Além disso, sinto falta de um espaço na grande mídia, a gente lutou muito no início do Bazar Noir, tínhamos um assessor de imprensa que conseguiu um certo espaço em jornais e revistas, como O Globo e Veja, mas sempre foi algo muito difícil, era em uma edição ou outra que rolava, e depois de um tempo ficou mais complicado ainda. Hoje eu parei de investir porque vejo que as grandes mídias ainda são muito fechadas pra eventos mais alternativos.


O que deve então ser investido para que possa crescer com este tipo de nicho no país?
R: Profissionalismo em primeiro lugar. Vejo por aí  muita gente produzindo festinha e eventos alternativos como se fosse uma brincadeira, só pra ter “status”. Enquanto se faz isso não se cresce. E muitos eventos também são um grupo de amigos, um ajudando o outro, ninguém paga ninguém. O Bazar Noir começou meio assim, num esquema de amigos ajudando, mas você só cresce quando começa a profissionalizar. Tem que estabelecer hierarquias, salários fixos e organizar tudo de forma profissional. Uma outra dica é ter um diferencial e focar nele. O diferencial do Bazar Noir sempre foi ter grifes mais voltadas para estilos bem específicos e alternativos, como o gótico por exemplo. Os corsets sempre foram nosso carro chefe, pois são peças que você não encontra em nenhum outro lugar no Rio.

Como você descreve o consumidor que frequenta o bazar? O que ele procura?
R: O nosso consumidor procura o que é diferente, tudo aquilo que ele não vai encontrar no shopping ou em outras feirinhas comuns. Por isso selecionamos muito nossos expositores. Para o evento não virar uma feirinha qualquer, o que você encontra no Bazar Noir pode ter diversos estilos, mas com certeza, será diferente e original.


Você acompanha outros Bazares fora do Rio? Conhece algum? Caso sim, cite alguns nomes.
R: Por incrível que pareça, não conheço mais nenhum evento de moda realmente alternativo nem no Rio e nem fora dele. Havia o Mercado Mundo Mix, como citei antes, ele sumiu faz um tempo (N.E.: o MMM ainda existe mas mudou o formato). Havia feiras que já foram alternativas e diferenciadas, mas hoje são só mais uma feirinha comum, na minha opinião.


Como empresária, você deve ter os seus objetivos. Quais expectativas queres alcançar com o Bazar Noir?
R: Que ele cresça cada vez mais! Meu objetivo é passar a fazer edições em locais maiores, como a Fundição Progresso, por exemplo, com expositores do Brasil inteiro, vários shows, djs...se tudo der certo, em breve estaremos grandes assim!


Finalizando, que conselhos daria para quem quer investir nesta área e criar a sua própria marca?
R: Procure ter um diferencial, algo que só você tenha e que chame a atenção do consumidor. Não seja muito ganancioso no começo, tanto em se tratando de evento quanto de uma marca. Cobre um preço legal a princípio para conquistar o seu público e o principal é não desistir. Pode demorar anos, mas se você acreditar e for profissional seu projeto vai dar certo!"
Por Lauren Scheffel

__________________________

O próximo Bazar Noir ocorre dia 15 de julho no Teatro Odisséia. Aos interessados em expor, é só mandar um e-mail para contato.bazarnoir@gmail.com, informando o nome da marca, responsável e um link para site, facebook ou qualquer lugar onde se possa ver os produtos. Caso não possua nenhum, envie imagens dos produtos em anexo.


Segue o flyer do próximo Bazar Noir Edição Pin-up! 

Espero que tenham gostado da estréia da Lauren no blog e da entrevista. Fiquem à vontade pra opinar!


  • 11Blogger Comment
  • Google+ Comment
  • Facebook Comment
  • Disqus Comment

11 Comments

  1. Fiquei com muita vontade de conhecer esse Bazar Noir!
    Espero que o Mundo Mix ainda tenha essa mesma identidade =)
    Espero que continue indo para frente o Projeto da Vanessa!
    Conseguir parcerias realmente é algo complicado, ainda mais no Brasil onde trabalhos alternativos não são muito valorizados. Mas acho que não deveria desistir não, sempre é possivel conseguir alguma coisa =)

    ResponderExcluir
  2. Oi gente! Nós do Bazar Noir adoramos a matéria!
    Agradecemos ao pessoal do Blog e Lauren! Ficou ótimo!

    E esperoamos todos que quiserem conhecer o evento na nossa próxima edição, dia 15 de Julho, no Teatro Odisséia!

    Confiram também o nosso blog tem um monte de coisa intressante! ;)
    Bjos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito bacana a ideia do bazar e sucesso!

      Finalmente um espaço e oportunidade para a moda alternativa e a cultura underground!

      Adoro moda gótica, Lolita (quando tiver artigos Lolita, me conta, tá?), punk, vitoriana... moda de épocas mais antigas e de rock em geral!

      Muito interessante a proposta ainda mais no Rio de Janeiro não tendo um centro de rock tão forte quanto em São Paulo. Tentarei visitar quando possível!

      Excluir
  3. O Mercado mundo mix mudou,está mais pop,não que seja impedimento ou perda de qualidade,mas era mais charmoso quando era alternativo.
    Quando vier pra SP,vou dar uma passada lá sim,pelo menos pra conhecer,até porque adorei os corseletes.
    PS:Vou ficar enchendo a galera do tumblr até colocarem o aplicativo de tradução,mas se tiver google chrome,acho que ele mesmo traduz.
    Mas qualquer dúvida,esclareço na língua que for,já que falo inglês e espanhol fluente,mas tenho que saber termos técnicos em italiano e alemão.Se for dentro destas linguas,eu garanto!
    Bjos,amiga!

    ResponderExcluir
  4. Eu pensei que nunca ia usar essas roupas meio góticas e tal... Mais olha esse estilo alternativo é show, me rendi a ele, e to amando minhas blusas e bijus com caveira.. Agora é preto total :))

    http://aitosemroupa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Quando vcs vão criar uma loja online?? Seria uma boa pra quem não vai poder ir...

    ResponderExcluir
  6. Oi Sana olha eu que ando sumida dos blogs rss
    Sémpre leio suas postagens mais nem sempre comento, fico muito feliz que vc tenha ussado esse espaço pra divulgar o Bazar. De uma maneira geral o publico alternativo é muito distraido, parabens pela iniciativa maravilhosa entrevista.

    ResponderExcluir
  7. @Rebecca: No Bazar Noir, a moda alternativa é valorizada!!

    @Bazar Noir: De nada! A Lauren é ótima mesmo =D

    V2: Pois é... eu vi que o MMM tá mais pop, uma pena. Eu curtia mais quando era underground.
    Quanto à tradução, nem esquenta, por enquanto eu leio em inglês mesmo haha!

    @Adriane: Ah que legal! Bem vinda ao clube!!

    @Nati: Também tô meio sumida, mas jájá volto (assim espero)! Obrigada!! ^^

    ResponderExcluir
  8. Eu adoro o Moda Trash, a Lauren escreve muito bem. Todo mundo fala do Bazar Noir, gostaria de conhecer.

    ResponderExcluir
  9. ola queridos(as) eu sou a dona da grif de moda alternativa Purple Shadows, e o Bazar Noir realmente é muito bom, e a cada edição vem melhorando.
    para aqeles que tiveram portunidade de participar da próxima edição, não esqueçam de passar em nosso stand; e para aqueles que são de outro estada acesse nossa pagina no face book.

    http://www.facebook.com/purpleshadows.josiane

    ResponderExcluir
  10. Qual sera o proximo de 2013??

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar! As respostas serão dadas aqui mesmo, então não esquece de clicar no botão "notifique-me" pra ser informada.

comments powered by Disqus
Pin It button on image hover