Destaques

22 de setembro de 2018

I don't give a damn about my bad reputation: os 60 anos de Joan Jett!

"Eu venho de um lugar onde o Rock n' Roll significa algo. Significa mais do que música, mais do que moda, mais do que uma boa pose. É a língua de uma subcultura que tem sido feita por todos os jovens que a seguem. É uma subcultura de integridade, rebelião, frustração, alienação, e a cola que define várias gerações livres da sociedade antinatural e auto supressão. Rock n' Roll é político, é uma maneira significativa de expressar dissidência, perturbar o status quo, agitar revolução e lutar pelos direitos humanos. Você acha que estou fazendo isso soar mais importante e você está crítico e é isso, é somente o rock n' roll, certo? Rock n' Roll é uma ideia e um ideal. Às vezes, porque nós amamos a música e fazemos música, esquecemos do impacto político que há nas pessoas ao redor do mundo. Existem Pussy Riots, onde quer que haja agitação política, nos tornamos tão condicionados em medir nosso impacto musical apenas em sinais de dólares que nos esquecemos o que realmente é: a música! Emoção, expressão. Dando voz àqueles que não estão satisfeitos em se encaixar em qualquer caixa que lhes foi dado. A ética do rock n´roll está em toda minha vida e sou agradecida à todas as pessoas ao longo do caminho que me deixaram ser eu."
O trecho acima foi retirado do discurso de Joan Jett na sua indução ao Rock N' Roll Hall of Fame de 2015, e revela muito como foi a trajetória musical na vida da artista. O amor pela música construiu-se supercedo e logo saberia que os palcos era onde sempre queria estar.

Photo by Brad Elterman.

Joan Marie Larkin nasceu em 22 de Setembro de 1958, na Filadélfia, Pensilvânia. Vinda de uma família que acreditava na liberdade do ser humano, como a própria enfatizaria em entrevistas, aos 13 anos ganharia de Natal uma guitarra pedida aos pais. Influenciada por nomes  à la Black Sabbath, The Osmond Brothers, T.Rex, o instrumento seria sua porta de entrada no Rock. Morando em Los Angeles, aos 15 anos se reúne com a baterista Sandy West, pegava quatro ônibus para se reunir até sua casa e compor algumas músicas por telefone junto com o produtor Kim Fowley. Assim nasce The Runaways, no dia 05 de Agosto de 1975. A formação vai crescendo com a entrada de Lita Ford, Micki Steele e Cherie Currie. Elas lançam a música "Cherry Bomb" que estoura dando enorme visibilidade, principalmente pelo fato de ser uma banda só de mulheres, ou melhor, meninas, já que nem tinham 20 anos.


Micki Steele sai e entra Jackie Fox, dando origem à formação clássica da banda. O sucesso repentino causa um enorme impacto nas meninas, um turbilhão de emoções, principalmente com o abuso de drogas de Cherie Currie. Elas entram em turnê pelo mundo, inclusive com apresentações históricas no Japão. Sobre essa fase, Joan diz que queria performar em uma banda só de garotas porque não haviam outras na época. "Eu quero tocar numa banda que tenha outras garotas lá fora que como eu queira fazer a mesma coisa", conta em entrevistas. 


Logo cedo descobriria que ser mulher no Rock tinha duros percalços, só que não com a mesma justificativa de que certos homens usam ao dizer que somente as avaliam pelo talento musical. Joan revela sobre o abuso dos homens na música e que jamais imaginou que teria problemas, pois o Rock significava liberdade para ela. "Mas eu estava tremendamente enganada. As pessoas nos chamavam de nomes que utilizam para diminuir uma mulher, como 'vadia' e 'sapatão'. Eu realmente não entendia da onde vinha aquele ódio", indagação que se faz até hoje. "Não havia suporte para meninas tocarem Rock. A plateia era formada por homens e as poucas mulheres que frequentavam eram namoradas".

No auge da briga entre Punk e Metal, 
a diferença de estilos musicais e visuais entre Joan Jett e Lita Ford.

Entre os altos e baixos que The Runaways passou nos poucos anos de duração, passando por modificações de integrantes, polêmicas na imprensa, a banda termina e Joan parte para carreira solo. É apresentada a Kerry Laguna que topa administrá-la, mas decepções viriam adiante. Com repertório em mãos para gravar um álbum, Joan é rejeitada por 23 gravadoras, de pequenas a grandes. "Não tem material aqui, você não consegue cantar, esquece a guitarra", diziam. Então decidem juntos montar uma gravadora e é aí que vem a BlackHeart Records, da qual conseguem lançar o primeiro álbum "Bad Reputation" entre 1980 e 81. O disco faz enorme sucesso, com 4 hits, sendo a primeira 'I Love Rock N' Roll'. Além dele, 'Crimson and Clover', 'Bad Reputation' e 'Do You Wanna Touch' complementam a vitória comercial no mainstream.

Durante o clipe 'Bad Reputation', aparecem frases críticas que envolveram a sua carreira musical.


Dali por diante Joan segue com a banda e a gravadora marcando seu nome na história do rock, algo que sempre sonhou. "Eu quero um tipo de fama concreta, como quando escrevem um livro definitivo sobre a história do rock n' roll. Eu quero ter meu nome lá, defendendo uma causa, sendo umas das primeiras mulheres a tocar rock n' roll de verdade e ter esse espírito". É visível como a carreira musical sempre foi seu foco, em entrevistas deixa bem claro o quanto tenta se cuidar para poder ter disposição em fazer turnês e assim prolongar sua vida nos palcos, lugar onde mais gosta de estar. "Dinheiro não é o que me move. Eu quero estar no palco tocando e fazendo as pessoas felizes"

Musa de movimentos como Riot Grrrls e das Mulheres Grunge.

Apesar da fama Joan sempre foi muito reservada na sua vida privada. Revelou quando jovem escolher a música do que formar uma família. Deve ser por isso que Kenny a descreveu como sendo a mesma pessoa tanto na vida pública quanto privada. Além da música, Jett também se aventurou nos cinemas, entre eles o filme 'Light of Day', onde contracena com o superastro da década de 1980, Michael J. Fox. Mas só foi em 2014, que consegue realizar um projeto antigo: uma coleção de roupas.


Joan Jett e a Moda

A relação da artista com a moda começaria cedo pelo seu estilo andrógeno, causando reações de imediato aos padrões da sociedade. "As pessoas sempre olham para mim e perguntam: por que você não se veste como uma garota? Por que não coloca um vestido ou por que não tem o cabelo de uma forma diferente? Tem uma imagem mais clara? Se eu pensar em como era no tempo quando pequena e adolescente, eu não era o tipo de pessoa que iria numa formatura, eu não colocaria um vestido de formatura por dinheiro algum, não mesmo. Isso é como posar nua para mim."

Imagens raras: usando biquíni e vestido.

No filme The Runaways, lançado em 2010, há uma cena maravilhosa onde Kristen Stewart, que interpreta Jett no longa, chega numa loja querendo comprar roupa. Ela se dirige a sessão masculina e logo é corrigida pela vendedora, mas rebate dizendo que está à procura das mesmas peças que um rapaz presente na loja está vestindo. Esse look era uma jaqueta perfecto, blusa e calça jeans, um visual biker adotado pela musicista e que hoje é sua marca registrada. 

-Hey, querida, você está olhando a sessão errada.
A sessão das mulheres é do outro lado.
- Eu quero o que ele está vestindo.

Em 2014, a marca Hot Topic convida Joan para montar uma coleção especial de 25 anos da empresa. Ambas já tinham tido desavenças pois a marca teria usado a logo da banda numa coleção sem autorização de Jett, que entraria com processo, mas parece que resolveram a situação e fizeram a parceria da qual a gente noticiou na época.


Para a coleção, Joan se juntou aos amigos Daang e Ray Goodman, donos da marca Tripp NY, que também faz as roupas da artista. "Tenho ouvido falar da Hot Topic por anos porque na estrada há pouco locais em certas áreas do país onde você pode encontrar roupas ao estilo rock n' roll", disse ao WWD. "Eu conheço muitos garotos que usam roupas femininas, especialmente em bandas de rock. Os caras gostam de usar roupas de meninas porque às vezes elas são mais elegantes e mais bonitas do que as roupas de garotos", revela.

Na década de 1980 provando que rosa também é rock!
Usando o inseparável converse all star.

Na mesma entrevista, quando perguntam para descrever sua própria estética, fala: "É difícil colocar palavras em seu próprio eu. Parece meio clichê em dizer, mas minimalista, rock n' roll, nervoso e sombrio se aplicam ao meus estilo andrógeno porque não tenho um monte de curvas"


Camiseta dos Sex Pistols customizada por ela.
Photo by Bob Gruen.
Photo by Brad Elterman.
Joan e Gaye Advert, 1977.

É muito legal ver uma artista como Joan se envolvendo com um projeto de moda, mostra que ela reconhece a importância que o visual tem nas culturas juvenis junto com a música e todo o aspecto comportamental de uma subcultura. 

Além de completar 60 anos em 2018, há mais um reconhecimento na carreira de Joan: o lançamento de um documentário contando sua trajetória! 'Bad Reputation' é um importante registro no legado de uma mulher na história do rock. Também é uma fonte de inspiração às futuras Rockstars que estão galgando sua carreira musical e uma esperança a todas nós que acreditamos na força do 'faça-você-mesma' e colocamos projetos independentes para funcionar.




Happy fucking birthday, Joan Jett!


Acompanhe nossas mídias sociais: 
Direitos autorais:
Artigo original do blog Moda de Subculturas. 
É permitido compartilhar a postagem. Ao usar trechos do texto como referência em seus sites ou trabalhos precisa obrigatoriamente linkar o artigo do blog como fonte. Não é permitida a reprodução total do conteúdo aqui presente sem autorização prévia. É vedada a cópia da ideia, contexto e formato de artigo. Plágios serão notificados a serem retirados do ar (lei nº 9.610). As fotos pertencem à seus respectivos donos, não fazemos uso comercial das mesmas, porém a seleção e as montagens de imagens foram feitas por nós baseadas no contexto dos textos.

Comentários via Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigada por comentar! As respostas serão dadas aqui mesmo, então não esquece de clicar no botão "notifique-me" pra ser informada.

Instagram

© .Moda de Subculturas - Moda e Cultura Alternativa. – Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in