Destaques

14 de fevereiro de 2021

A polêmica do Fetichismo no nosso Instagram: o tabu de questionar a prática resultou em catarse de mulheres, feminismo e ataques pessoais.

No dia 22 de janeiro de 2021, os stories de nosso Instagram bateram recorde de visualizações. O recorde perdurou até o dia 24/01. Tal fato me deixou estupefata, não apenas por conta do alcance, mas pelo interesse - positivo e negativo sobre o tema Fetiche


Quem acompanha o blog há tempos sabe que aqui não temos medo de tocar em tabus. Nossa função como comunicadoras da cultura alternativa é questionar, sempre! Tudo! Incluindo a própria cultura alternativa que não está livre de pensamentos retrógrados, machismo, preconceito e racismo - como vimos num dos posts sobre Subculturas e ConservadorismoPolítica e feminismo são também temas  que sempre estiveram presentes neste espaço. Mas isso é uma característica nossa (Sana e Lauren, autoras), pode ser que outros alternativos não tenham mínimo interesse em questionar nada.

Tudo começou quando fiz a divulgação em um post no feed da matéria que escrevi para a  5º edição da Gothic Station, chamada
"Moda Fetichista na Subcultura Gótica". E ao divulgá-la no story, recortei um trecho de meu texto e abri um questionamento (caixa de perguntas) a respeito da relação do fetiche entre homens, mulheres e moda. Abaixo a pergunta e a porcentagem das respostas, que comentarei a seguir.



Sobre a pergunta: observem que era direcionada à moda alternativa.
Resposta: 65% das pessoas disseram que a moda fetichista NÃO se direciona à mulheres.

Fiquei intrigada, estou desde 2002 envolvida com pesquisa de história da moda alternativa e existe mais moda alternativa fetichista direcionada à mulheres do que homens. Mesmo nas lojas especializadas em moda fetichista masculina, a quantidade de peças e modelos é inferior se comparado ao segmento feminino. Além disso, nas lojas direcionadas aos homens, ocorre uma quantidade maior de acessórios BDSM, algo que nem sempre acontece na moda direcionada às mulheres, que é mais focado em peças de estilo.

Abri uma caixinha e perguntei: "Conte aqui porque vc concorda ou discorda da frase".

E fiz nova pergunta (imagem central). E desta vez as respostas foram mais próximas do que sabemos ser a realidade da moda alternativa fetichista. 98% para mulheres; 2% para homens (acho que até é baixo demais, mas enfim, tudo depende do público que responde).



Tal questionamento resultou num caminho que eu não esperava. Poucas foram as pessoas que mandaram respostas relativas à moda alternativa. Muitas pessoas, mulheres - sejamos francas - aproveitaram o momento para desabafar. Desabafar sobre o quanto se incomodavam com a cultura do fetiche e BDSM e não se sentiam à vontade pra falar em público porque eram sempre criticadas. Então elas simplesmente silenciavam! E encontraram ali, naquele momento, a oportunidade de falar o que realmente pensavam sobre o assunto devido ao anonimato garantido. 

Comecei a compartilhar respostas. Com alguns comentários. Mas os fãs de fetiche (homens e mulheres) se incomodaram, e começaram a me mandar DM, fosse pra defender a prática, fosse para me xingar, fosse para me questionar, teve até mulheres tentando fazer uma espécie de ''gaslighting" comigo, em mensagens que tentavam fazer com que eu duvidasse de mim mesma. Mas eu conheço essas técnicas e não caí nesse discurso.

A quantidade de xingamento pessoal que passei a receber não foi brincadeira, foram vários minutos deletando DMs e bloqueando pessoas, pra limpar a fila e poder focar nas respostas que realmente tinham alguma opinião. Nem quando postamos algo contra a direita ou a extrema direita recebemos tantas mensagens agressivas.

Vou compartilhar algumas mensagem de mulheres que criticaram a prática, pois foram estas mensagem que acabaram levando ao segundo tema polêmico naquele dia: o feminismo. 





Esta seleção de respostas acima mostrou como parte das mulheres associam fetichismo à machismo,  misoginia e objetificação da mulher. Não acrescento aqui as DMs por ficar muito extenso, já que algumas mulheres colocaram junto relatos mais pessoais, optei por postar as respostas da caixinha por serem mais objetivas e resumem bem. Em um dos stories fiz o seguinte comentário, associado a um meme que vejo por aí: 


Uma seguidora viu esta resposta acima e não gostou, comento logo abaixo o caso dela. 

Então, levantei outros questionamentos, desta vez sobre feminismo: 



Fiquei impressionada positivamente com a porcentagem da resposta acima, inclusive algumas meninas mandaram DM comentando sobre livros de teoria feminista e se dizendo felizes pelo posicionamento e coragem do perfil em abordar o tema. "Coragem" foi uma palavra que apareceu em várias DMs, que só comprova o tabu que envolve a prática fetichista. Interessante, não acham?

Mas... observem a resposta à pergunta abaixo:



Essa porcentagem, ao contrário, me chocou! Fiquei impressionada com a quantidade alta das que disseram ser sim possível ser feminista e fetichista. Dois temas que colidem diretamente, sendo praticamente opostos. Ok que a resposta não permitia um 'meio termo', nem respostas que envolveriam 'não sei' ou 'tenho dúvidas sobre isso'. Foi de fato uma pergunta que não deu espaço pra ficar em cima do muro.

Neste momento destaco as respostas de uma seguidora sobre a pergunta "se o ato de fetichizar é para homens..." e ao meme "se deixa homem de pau duro...". Minhas respostas estão em preto. Para ver maior, basta clicar na imagem.




Bom, depois disso, os xingamentos vieram a respeito do feminismo. Vieram alguns comentários me chamando de "conservadora", de "radfem", de "não esperava isso de vocês" e coisas do tipo. Eu só pude pensar como falta informação aos seguidores que atacam com esses 'pseudo argumentos'. Não os culpo, nosso sistema não incentiva ao senso crítico, muitos de nós não tem acesso à leituras teóricas (embora tenha pdfs na internet) e existe uma parcela da sociedade que incentiva ataques às mulheres, inclusive dentro da esquerda. Desconfie sempre de quem ataca mulheres, existem motivos para isso.


Me chamou a atenção após essa abordagem feminista das minhas respostas, especialmente quando expliquei a diferença do feminismo radical, materialista e do 'feminismo liberal', o silêncio. Estava esperando DMs que comentassem o tema feminismo(s). Elas não vieram. 

Posso estar errada, mas atribuo parte do silêncio à possibilidade de que seguidoras podem ter percebido naquele momento que a referência de feminismo delas era o liberalizado. Incluindo mulheres que são de esquerda e/ou se alinham com o marxismo. Eu as compreendo, porque a liberalização feminismo é mainstream, está em todo lugar. Nos vende 'empoderamento' individualizado (ao contrário do feminismo que prega o coletivo). Crescemos com esse 'feminismo' e o naturalizamos. Para a maioria de nós, a liberalização do feminismo é 'o feminismo verdadeiro'. Mas esse 'feminismo' foi criado pela direita, serve ao sistema e não propõe mudanças estruturais na sociedade a respeito do patriarcado. Eu mesma acreditei no discurso liberalizado do feminismo por anos, afinal ele me cercava: na mídia, na música, nas artes, na cultura dominante em geral. No momento que decidi ir atrás da leitura das teorias feministas e não de matérias da internet, me libertei dele.


No momento em que paramos e vamos atrás das obras escritas feministas, tanto as clássicas quanto as mais recentes, percebemos que tem algo errado no feminismo liberalizado. E é neste momento que várias de nós, de acordo com nossas afinidades, tendemos mais a nos aproximar do feminismo radical, das feministas marxistas ou das feministas anarquistas, podendo explorar vertentes como feminismo negro, indígena ou amarelo, a depender das respostas que buscamos.  


A intenção com esse tipo de pergunta não é retirar a carteirinha feminista de nenhuma mulher que gosta da prática fetichista, elas é que sabem de suas vidas. Cada uma faz seu caminho feminista no seu ritmo. Como pessoa que gosta de questionar, entendo que às vezes a provocação à reflexão pode ser pesada demais. O feminismo destruiu muitas crenças que eu tinha, coisas que eu amava, mas o que recebi por estar liberta de pensamentos e hábitos que não eram meus (alguns adquiridos no meio alternativo) foi a emancipação intelectual. O caminho para ser livre pensadora não é nada bonito, é um constante refletir, questionar e encontrar as próprias respostas... 


**

Este é um resumo bem resumido do que se passou naquele fim de semana e todas as questões que o tema fetiche proporcionou entre quem o aprecia e quem não o aprecia.

Relembro que tudo isso se deu por conta de um grande mal entendido, afinal era uma questão sobre Moda, mas esta se tornou secundária a partir do momento que as pessoas entenderam o meu questionamento como relativo à prática.

As mulheres aproveitaram o momento para serem catárticas e 'denunciarem' seus silenciamentos assim como suas associações do fetiche com machismo, misoginia e objetificação. Outros, fãs de fetiche, se sentiram incomodado com esse apontamento e mandaram DMs explicando do porquê na visão deles o fetiche não seria nem machista, nem misógino nem objetificador. Agradeço à todos que contribuíram com suas visões. Enriqueceu muito meus conhecimentos e com certeza serão úteis no meu trajeto.


Sobre a questão do feminismo, é um baita assunto. Muitas de nós reproduzimos imagens, falas e atos que são parte do discurso machista do que se espera de uma mulher: que elas estejam sempre dispostas a serem objetificadas. O corpo da mulher não é privado numa sociedade patriarcal, é público. Questionar isso não tem a ver com conservadorismo. 


No dia, perguntei se as meninas queriam dicas de leituras teóricas feministas, várias disseram sim. Pretendo postar aqui estas indicações, assim como uma explicação sobre porque o feminismo nada tem de conservador.

Saliento que o foco deste post foi a catarse das mulheres sobre o fetiche e o feminismo. Se o fetichismo, segundo seus praticantes, é igualitário, tem respeito e não tem hierarquia de gêneros, fica para ser abordado em outro post.


Impressionante é como um tema só (o fetiche, e nem chegamos no BDSM!) envolve tantos outros subtemas.


E você, acompanhou ao vivo essa polêmica?

Tem alguma opinião sobre fetichismo?

Como você enxerga a relação entre fetichismo e feminismo?



Acompanhe nossas mídias sociais: 

Direitos autorais:
Artigo original do blog Moda de Subculturas, escrito por Sana Mendonça e Lauren Scheffel. 
É permitido compartilhar a postagem. Ao usar trechos do texto como referência em seus sites ou trabalhos precisa obrigatoriamente linkar o texto do blog como fonte. Não é permitida a reprodução total do conteúdo aqui presente sem autorização prévia. É vedada a cópia da ideia, contexto e formato de artigo. Plágios serão notificados a serem retirados do ar (lei nº 9.610). As fotos pertencem à seus respectivos donos, não fazemos uso comercial das mesmas, porém a seleção e as montagens de imagens foram feitas por nós baseadas no contexto dos textos.
Clique aqui e leia o tópico "Sobre o Conteúdo" nos Termos de Uso do blog para ficar ciente do uso correto deste site. 


Comentários via Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigada por comentar! As respostas serão dadas aqui mesmo, então não esquece de clicar no botão "notifique-me" pra ser informada.

© .Moda de Subculturas - Moda e Cultura Alternativa. – Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in