.Moda de Subculturas - Moda e Cultura Alternativa.: Irina Ionesco

16 de junho de 2010

Irina Ionesco

Entrevista com a fotógrafa  Irina Ionesco dada ao jornal gaúcho Zero Hora e postado no blog Look Melissa. A última edição da revista da sandália Melissa, Plastic Dreams trouxe um belo editorial da sandália com fotos da fotógrafa, um dos modelos foi o filho de Nick Cave, Jethro Cave.

Algumas fotos do editorial da Plastic Dreams chamado Cirque Sinistre:


Como eu, muitos leitores daqui são adoradores da obra da fotógrafa, então, apreciem a entrevista.

Entrevista a Maria Júlia Lledó.
 
Criada na Romênia, a francesa Irina Ionesco conta que começou a desenhar desde que um lápis caiu em suas mãos. Fato tão comum durante a infância, mas que transformou o olhar de menina. A partir daquele momento, “poderia capturar as imagens que me subjugavam”, conta.
A pintura, no entanto, foi apenas um pretexto para que a francesa comunicasse sensações, fantasias e desejos femininos pelas lentes da câmera fotográfica. Hoje, aos 75 anos, Irina é respeitada como a grande dama da fotografia erótica. Alvo de polêmica nos anos 1970, após registrar a filha Eva dos 4 aos 13 anos adornada por flores e em poses de ninfa, Irina depõe contra qualquer vulgarização do erotismo.

Em fotos em preto e branco, o cenário que explora é onírico. Uma ode à feminilidade. Tais atributos também inseriram o seu trabalho no universo da moda. Ela já fotografou para revistas europeias, norte-americanas e japonesas. Provida de um olhar sensual e maduro, Irina desvincula-se de padrões estéticos e não se limita à ditadura da beleza jovem.
– A sedução pode ir até os 80 anos – afirma.

Recentemente, assinou o editorial Cirque Sinistre da marca de sapatos Melissa na última edição da revista brasileira Plastic Dreams. Para divulgar a exposição Espelhos de luz e sombra, em cartaz na cidade, a fotógrafa deu a seguinte entrevista por e-mail. Nela, ela fala sobre sua relação com a fotografia, a moda e o erotismo.

Como sua história na fotografia começou?

Fiz teatro e dança, atividades a que me dediquei durante 10 anos, até os 28 anos. Quando fui dançarina, era o alvo dos olhares. Depois que sofri um acidente, que me impediu de continuar dançando, fiquei perdida. Não era mais nada, não via nada. Eu estava morta. Foi assim que comecei a querer desenhar, inscrever imagens e olhar os outros. Pintei por sete anos. Gostava, mas era um trabalho muito solitário e eu estava acostumada com a presença do público. A pintura não tolera a presença do outro, mesmo quando se trabalha com modelos. O modelo fica absolutamente mudo e parado durante horas. A comunicação não é possível, pois se se entabula uma conversa, a obra do pintor se esfacela. Essa espécie de religiosidade silenciosa me pesava muito, pois sou uma pessoa espontânea e, de certa forma, exibicionista. A fotografia foi consequência da pintura, que me ensinou tudo: a enquadrar, a olhar.

Por que o erotismo presente em suas fotografias causa tanta celeuma?

O erotismo é a vida. É, por exemplo, uma rosa que se abre. Não é a pornografia. Quando paramos de desejar, não há mais vida. Ele é algo de velado em relação à pornografia. Esta depende de uma exibição, que é muito mais consumível de maneira carnal do que simplesmente mostrada. A pornografia pode ser, por exemplo, uma penetração, coisas vulgares, filmes pornôs. Ela é uma forma de excesso, mas que não tem nada a ver com o erotismo. Um olhar pode ser erótico, bem como uma pontinha da orelha, uma voz, uma certa maneira de pousar a mão sobre a coxa, um perfume, um jeito de mexer o corpo ou fazer surgir o tornozelo. O erotismo é algo misterioso, sem relação com uma cópula, que pode ser vista numa tela de cinema. O amor é algo vivido, pessoal e secreto. Ninguém pode ter acesso à intimidade de uma pessoa. A pornografia faz parte de um comércio execrável. A diferença entre a pornografia e o erotismo é muito sutil, da ordem do inefável.

Por que as fotos da sua filha Eva ainda provocam tanta polêmica, mesmo diante da sua concepção do erotismo na fotografia?

Eva e eu sempre tivemos uma grande cumplicidade. Eu fotografava as mulheres e ela estava lá, por perto. Eva sempre teve o teatro no sangue e acabamos fazendo essas fotos juntas. Nunca expus nenhuma ideia à minha filha. Todas as crianças brincam dessa maneira. Qualquer menininha traz dentro de si toda a feminilidade do mundo. Não se deve pensar que as crianças são bobas ou que vivem num universo em que não percebem nada. Não é possível refazer o trabalho que fiz com Eva com outras garotinhas da mesma idade. Eva é minha filha e tirei essas fotos por amor. Não é por ser minha filha, mas Eva é um personagem que me subjugou. Além de fotógrafa, Eva é atriz, faz teatro, dirige vídeos. Somos uma família de artistas. Atualmente, ela está dirigindo um filme que conta a nossa história. Isabelle Huppert interpreta o meu papel. Continuo a tirar fotos dela, mas são de outro tipo. As fotos que fiz com Eva já entraram na história da arte e estão para além de qualquer juízo crítico.

Qual a relação do seu trabalho com a moda?

Os editoriais de moda que fiz vieram a partir da descoberta do meu trabalho, em que uso elementos da alta-costura, próprios do universo onírico. Fiz o meu primeiro ensaio para a revista francesa Rebel e, a partir daí, vieram os convites de publicações inglesas. As revistas norte-americanas vieram em seguida e acabaram atraindo as japonesas. Fiz para o Japão um lindo trabalho sobre Alice no país das maravilhas. É um ensaio que implica a travessia do espelho, distante da realidade banal e das fotografias convencionais e estereotipadas de moda. Foi a partir de um trabalho meu, publicado na revista inglesa Dazed and Confused, que um representante da Melissa brasileira veio me procurar para participar da revista que eles editam. Agora, começo a preparar um editorial de moda para o Lanvin.

A indústria da moda impõe padrões de beleza. Isso limita o seu trabalho?

Procuro sempre fazer algo atemporal. Para mim, a fotografia é poesia, uma escrita teatral em que eu fixo todas as minhas fantasias de forma obsessiva. Cada sessão de fotos me permite integrar a mulher em um universo de sonho, no qual ela mesma é mítica, múltipla. Adoro a feminilidade exacerbada, todos os elementos que fazem com que a mulher exista. Se a seda, o batom, as peles, o salto alto foram criados, não foi visando os homens. Toda a indústria de sedução baseia-se na mulher. Infelizmente, tudo é concebido para a mulher que tem até 30 anos. É por isso que fotografo mulheres que passaram dos 30 e são extremamente sedutoras. Não há limite para a sedução, que pode ir até os 80 anos. Tudo depende de quem se é, e do que se quer ser.

Um pouco de sua arte:

  • 2Blogger Comment
  • Google+ Comment
  • Facebook Comment
  • Disqus Comment

2 Comments

  1. Olá,Sana
    Tinha lido a respeito sobre cirque sinistre no sombria elegancia,mas não conhecia muito sobre ela.
    Gosto dela mais pela forma sombria e diferente do trabalho dela.
    Felizmente existem pessoas assim que não se limitam a um padrão fixo de beleza.
    Obrigado pela postagem.

    ResponderExcluir
  2. O trabalho dela é maravilhoso, justamente pela sensualidade presente em cada foto.

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar! As respostas serão dadas aqui mesmo, então não esquece de clicar no botão "notifique-me" pra ser informada.

comments powered by Disqus

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pin It button on image hover