Destaques

Mostrando postagens com marcador Subcultura Gótica. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Subcultura Gótica. Mostrar todas as postagens
29 de dezembro de 2020

5º edição da revista Gothic Station- Moda Fetichista, Arqueologia do Pós-Punk, Monica Richards, Two Witches, Simon Reynolds, Clássicos Góticos Literários, teorias e pesquisas subculturais

Após uma pausa de dois anos, a revista GOTHIC STATION retornou em sua edição de número 5. Para quem não conhece, a revista foi fundada por Henrique Kipper em 2017. Kipper é um dos mais antigos produtores de conteúdo sobre a subcultura gótica no país, publicando artigos no site Gothic Station. Ele é autor também de dois livros sobre a subcultura, ambos disponíveis no site. 



Se você se interessa por adquirir a revista, entre em contato por uma destas formas.


Desde dezembro de 2018, a GOTHIC STATION estava pausada, dentre os vários motivos podemos citar esse que escrevi no post "Projetos alternativos de financiamento, porquê não recebem tanto engajamento quanto deveriam?", é realmente difícil o apoio do público alternativo à projetos de financiamento também alternativos. 


Não foi apenas a cultura da internet que diminuiu o interesse das pessoas por material físico de leitura, quando Amazon criou o Kindle e os e-books a coisa veio toda abaixo. Hoje encontramos todo tipo de publicação para download, o que orientou muitas mentes a pensarem que o que está na internet deve ser 'de graça', sem considerar que existem pessoas por trás dedicando horas de trabalho - muitas vezes não remunerado ou mal remunerado - para comunicar aqueles conhecimentos. É um reflexo de uma sociedade alienada sobre os processos produtivos de trabalho, orientada ao imediato, efêmero e individual. 


Certos tipos de conteúdo ficam bem melhores em impressos e o motivo não é apenas porque é melhor ler no papel do que olhando para uma tela, mas também porque na internet não temos segurança de nada, tudo pode ser perdido se um provedor ou uma grande empresa sofrer uma pane tecnológica ou um ataque hacker. Algo que faço a analogia com a queima de livros que ainda hoje acontecem: os conhecimentos presentes apenas na web se perderiam para sempre. 


Dada a reflexão, apresento uma breve resenha da edição 5 da GOTHIC STATION em que desta vez eu trouxe uma matéria sobre a moda fetichista. Eu não quero soar arrogante mas sim, sincera: essa é a mais completa matéria sobre o tema - relacionada à moda alternativa - que vocês vão encontrar. O fetichismo na moda é um tema muito complexo, de difícil abordagem e polêmico. Mas acho que consegui fazer uma boa síntese embora muita coisa tenha ficado de fora. Busquei focar na questão 'moda' e acho que tive sucesso, as informações que vocês encontrarão no quadro da página 11 são difíceis e encontrar em português. E sim, é beeeem mais completa que a matéria de moda fetichista que saiu na revista Moda de Subculturas. Na verdade são matérias diferentes embora com pontos históricos em comum.



A seguir a revista trás seis páginas de destaques musicais, trazendo breves resenhas de Helalyn Flowers, Clan of Xymox, Sopor Aeternus, Glória de Oliveira, Corlix, Faun, Dandelion Wine, Rain Children entre outros.


Os lançamentos musicais nacionais também ganham quatro páginas só deles, com foco nos newcomers, ou seja, os novatos com lançamentos de ótima qualidade, como Misfortune Deep de Manaus, os cearenses Maldigo, Dark Hertz Transmission e Anum Preto. Também incluem-se na matéria Lunar Dream, Quântico Romance, Tomb of Love... e outros. Aliás que ótimo ler e saber de bandas que vem de fora do eixo Rio-SP, e mesmo as que são desta região, pois mostra que há de se conhecer a valorizar as produções nacionais.


Uma matéria sobre os selos Deeepland Records, Wave Records, Paranoia Music e Plainsong, relata a importância destas gravadoras para as bandas nacionais, seja via streaming ou por mídias físicas. A área musical se estente por mais algumas páginas através de resenhas de lançamentos sob a crítica de Bruno Rocha, editor-chefe do blog The Atmosphere.


E chegamos à matéria de capa, a entrevista com Monica Richards, conhecida através do Faith and The Muse. A fada cantora conta suas histórias desde a década de 1980 e sua conexão com os ciclos da natureza, apontando a importância da conexão com a terra num período de desequilíbrio. Richards fala numa das questões sobre sua experiência como mulher  daquele 'elo perdido' entre o punk e o gótico inicial, boas informações pra quem pesquisa estes temas.


A seguir temos a entrevista com Two Witches. Jyrki Witch, Miss Blueberry e Marko Hautamäki contam sobre o rock gótico 'puro e desavergonhado' que produzem. Os fãs vão gostar das oito páginas cheias de informações. Num dado momento, Jyrki diz "sempre fui um gótico de verão. Eu realmente odeio o inverno finlandês." - acho ótimo ler isso de um artistas influente já que vários de nós, alternativos, romantizamos muito o clima europeu.




Uma das sessões que mais gosto, a de literatura, chega na página 42. Luciana Fatima nos comunica sobre a editora Clepsidra, que vem publicando os clássicos da literatura gótica em território nacional. E busca resgatar os que ainda não foram publicados aqui. Aquelas preciosidades clássicas que sofríamos pra encontrar até mesmo em sebos, podem agora estar ao alcance de nossas mãos. Segura esses títuolos: Coleção Lord Byron, Coleção Imaginário Gótico com "O Aparicionista", "O Necromante" e "O Vampiro". A matéria é empolgante se você é uma das pessoas que ama literatura gótica, porque a vontade é logo adquirir todos os títulos.


Uma outra entrevista que, pra quem gosta de estudar subculturas e cenas musicais, vale a muito a pena ler é com Simon Reynolds, jornalista e crítico musical inglês. Reynolds tem sua própria teoria crítica publicada em livros sobre a historia dos movimentos musicais. "Hoje em dia 'underground' realmente significa 'nicho de mercado' - é mais como uma boutique", diz ele. Tema bom pra debate, hein? E que tal essa: "é bem provável que Sioux e Severin nunca tivessem feito música sem o punk [... ] o punk abriu espaço para todos os tipos de pessoas se inspiraram para tentar fazer música [...] você tinha todos os tipos de vozes estranhas".


Ainda pra quem gosta de historia, critica, teoria e pesquisa de subculturas, um ensaio de Henrique Kipper sobre o livro Goth Culture da pesquisadora de estudos culturais, a alemã Dunja Brill, que trás questionamentos interessantes sobre sexualidade e estilo. Fiz uma resenha deste livro anos atrás, e que vocês podem conferir neste link. Porém, como estudiosa do feminismo, eu questionaria o pontos deste ensaio a respeito do termo contemporâneo de empoderamento. Já que não existe empoderamento se uma mulher continua sendo objetificada (ou se objetificando), ela neste caso, continua servindo ao patriarcado. Se uma mulher ou parte da sociedade enxerga isso como empoderamento está tendo uma visão liberal do feminismo, que não muda estruturas de opressão e serve ao capitalismo. E aí Kipper, será que um dia escrevo sobre feminismo para a GOTHIC STATION? #queria Sinceramente amei o Kipper trazer esse livro à tona, acho ele super válido de ser lido especialmente pelas góticas que se interessam por estudos feministas! 


E o Krautrock? Bom, ele também tem espaço nesta edição através das palavras de Alex Antunes da banda Akira e as Garotas que Erraram, fazendo parte dos textos sobre a 'arqueologia do post-punk'.


E a edição finaliza com as já tradicionais tirinhas de Kipper sobre a cena gótica. 


Se tenho algo a resumir sobre essa edição é que ela vai agradar muito que gosta de estudar subcultura gótica e moda. Embora seja uma publicação de linguagem acessível, sempre trás conteúdo embasado ou referenciado de acordo com as pesquisas dessa área. 


Não hesite em apoiar esta publicação alternativa nacional, vale muito a pena!




Acompanhe nossas mídias sociais: 

Direitos autorais:
Artigo original do blog Moda de Subculturas, escrito por Sana Mendonça e Lauren Scheffel. 
É permitido compartilhar a postagem. Ao usar trechos do texto como referência em seus sites ou trabalhos precisa obrigatoriamente linkar o texto do blog como fonte. Não é permitida a reprodução total do conteúdo aqui presente sem autorização prévia. É vedada a cópia da ideia, contexto e formato de artigo. Plágios serão notificados a serem retirados do ar (lei nº 9.610). As fotos pertencem à seus respectivos donos, não fazemos uso comercial das mesmas, porém a seleção e as montagens de imagens foram feitas por nós baseadas no contexto dos textos.
Clique aqui e leia o tópico "Sobre o Conteúdo" nos Termos de Uso do blog para ficar ciente do uso correto deste site. 

28 de fevereiro de 2019

Última Quimera: Darks, maquiagem e consumismo na cena gótica compõem as mais recentes edições do zine

Última Quimera é um zine dedicado a informações sobre a subcultura gótica, criado por Freon (Sad). O zine tem a proposta de trazer conteúdo aberto e diverso a todos que se interessem pela subcultura, sendo uma alternativa ao caos de informação que as novas tecnologias e as mídias sociais trouxeram ao dia a dia. 

Fomentar a prática de leitura tem sido algo muito difícil pra quem lida com produção de conteúdo sobre cultura alternativa. Embora muitos acessem a internet para ler textos, projetos impressos ainda enfrentam grande resistência. Muitos esquecem que estes projetos não tem fins lucrativos e que o retorno para que o trabalho prossiga e cresça está no ato de adquirir essas publicações impressas para que elas se autofinanciem. Esse é um hábito/uma cultura que lutamos desesperadamente para criar entre os alternativos brasileiros: sair um pouco da internet, do virtual, e colocar as mãos (literalmente) num material criado pensando em você! Para ter aquele momento único de concentração. Esse 'contato físico' entre criador de conteúdo e leitor alvo, não pode se perder. 



Vou comentar aqui sobre o conteúdo da edição 3 e da 4 e aqui está o link da resenha das edições anteriores. Ao fim do texto tem as informações sobre como conseguir a sua edição.

A edição #3 trás na capa um homem carregando duas pesadas sacolas, uma contendo 'felicidade' e outra 'identidade', essa edição encerra a trilogia inicial sobre o crescimento da subcultura na atualidade e o resgate da memória da história do gótico brasileiro.



Logo na primeira matéria, "Antro - A memória perdida do gótico brasileiro", Freon comenta sobre essa casa noturna quase esquecida que funcionou no bairro da Aclimação em SP.


Mas o foco desta edição é sobre consumismo na cena gótica, e o ótimo texto da Coconut Sioux sob o título "Shadow over Substance - O fantasma do consumismo na subcultura gótica" reflete um tema recorrente nos debates virtuais: a subcultura gótica está perdendo sua identidade original sendo esvaziada e reduzida a um mero estilo ou tendência de moda?  





A seguir, Everton Alves tras o texto "A linguagem profana do corpo" aborda a performance, a linguagem corporal e o culto a Tanatologia.
O último texto do zine é um texto meu, "O esvaziamento ideologico e estético das subculturas", onde trago na verdade uma tradução de texto escrito por Joshua Ellis onde o autor fala sobre como era ser alternativo antes da proliferação da internet e como se desenvolve o processo da apropriação do mainstream das culturas alternativas.


O zine finaliza com a já habitual lista com dicas de bandas, desta vez com a produção gótica japonesa.


A edição #4 trás na capa Dark x Post Punk - Resistência/Existência, em sua introdução, a suposta decadência da cena gótica brasileira em contraponto com as diversas iniciativas recentes das boas coisas que estão por vir, como eventos, projetos, bandas, festas valendo citar o Sebo Clepsidra, um espaço precioso em São Paulo para a produção literária gótica.



A matéria de abertura escrita por Freon, é um tema que me interessa muitíssimo e que adorei a leitura, trata-se do texto "DARK - O protogotico brasileiro", onde o autor explica porque a primeira geração gótica brasileira ficou conhecida sob o nome de "os darks". 


A lista de bandas trás os lançamentos góticos de 2018 e Kei Hrist dá um show na matéria "Muito além dos tutoriais - A importância da maquiagem na subcultura gótica". Fugindo da onda dos tutoriais da internet, a autora aborda o histórico das origens da maquiagem gótica!



O zine termina com um novo espaço dedicado à recomendações de livros, filmes, quadrinhos e discos. Como notaram, essa edição possui apenas duas matérias mas são matérias contendo 5 páginas cada uma com informações preciosíssimas. A edição #4 se tornou um daqueles materiais referência pra guardar e consultar!

A Última Quimera é um zine gratuito e sem fins lucrativos, mantido com recursos pessoais dos editores e colaborações eventuais dos apoiadores. Devido aos tempos difíceis em que vivemos, uma contribuição opcional de R$2,00 ajuda a manter a produção. Para contribuir e adquirir suas edições, basta contatar a equipe. E se você mora fora de SP capital, pode adquirir pagando os custos de envio.
Facebook: Última Quimera Zine




Acompanhe nossas mídias sociais: 
Direitos autorais:
Artigo original do blog Moda de Subculturas. 
É permitido compartilhar a postagem. Ao usar trechos do texto como referência em seus sites ou trabalhos precisa obrigatoriamente linkar o artigo do blog como fonte. Não é permitida a reprodução total do conteúdo aqui presente sem autorização prévia. É vedada a cópia da ideia, contexto e formato de artigo. Plágios serão notificados a serem retirados do ar (lei nº 9.610). As fotos pertencem à seus respectivos donos, não fazemos uso comercial das mesmas, porém a seleção e as montagens de imagens foram feitas por nós baseadas no contexto dos textos. 

19 de dezembro de 2018

Resenha: 4º edição da revista Gothic Station- do Trad Goth ao Tribal Fusion

A revista Gothic Station chegou a sua quarta edição trazendo como capa o Tribal Fusion!  

A Gothic Station nº 4 seguiu com a proposta de abranger a diversidade da cena gótica, desta vez, logo após duas páginas iniciais com os lançamentos musicais, vem uma matéria de  grande valor sócio-histórico para cena brasileira: uma pesquisa que Henrique Kipper fez, nos moldes de um censo, sobre qual religião os góticos são adeptos. Os participantes - voluntários que responderam a um post no Facebook do Kipper - contaram suas experiências de conciliação entre religião e a subcultura, tema envolto em mitos na subcultura e preconceitos na sociedade, que muitas vezes tende a colocar góticos como "servos do mal" sem considerar que umbanda, espiritismo, catolicismo e religiões orientais são parte das expressões religiosas individuais. Um ponto interessante é que o resultado do censo gótico possui uma grande diferença quando comparado ao censo brasileiro oficial. Há depoimentos tanto relacionados a seguir uma religião diferente do resto da família quanto com relação a preconceitos sofridos dentro da própria cena.

Após as oito páginas dedicadas à religiosidade chegamos na entrevista com Amanda Palmer, um feito e tanto para uma pequena revista brasileira. Os fãs e admiradores da cantora e compositora podem ler suas opiniões pessoais sobre música, arte, sua relação com o feminismo e com seu marido Neil Gaiman.



A seguir vem a matéria que escrevi para esta edição. A história da subcultura gótica é um dos temas mais pedidos, então foi muito bom poder escrever sobre a temática de uma forma muito palpável: nas páginas da revista! O texto é sobre a estética Trad Goth. Conto sobre a origem da subcultura gótica no clube Batcave e a estética surgida naquele período assim como alguns exemplos de artistas que influenciaram (e influenciam até hoje) a moda gótica. Eu não contarei os detalhes aqui, espero que vocês adquiram a revista para ver o trabalho lindo que ficou (bem melhor que um post no blog!).


Após quatro páginas de entrevistas com a banda Back Long Arch, de Brasília, que faz um som darkwave e alternativo, chegamos na matéria de Turismo escrita por Iluá Hauck, intitulada "Os Sete Magníficos", os sete grandes cemitérios-jardins de Londres construídos na primeira metade do século 19. Iluá além de artista visual em ascensão em Londres, é uma das primeiras modelos alternativas brasileiras (se não a primeira) a modelar na Europa para famosas marcas alternativas, sendo também pioneira num estilo que está muito em voga hoje: a mistura de estética vintage com a gótica. Ela já esteve aqui no blog em uma entrevista exclusiva (veja aqui) num post suuuper antigo. Esta foi uma das matérias mais legais que li na revista, a arte tumular é algo que me desperta interesse assim como a história e cultura do da Era Vitoriana.



As páginas 30 e 31 trazem um resumo do Deepland Festival II, ocorrido em 13 de outubro de 2018, com bandas de toda a América Latina ligadas ao Gothic Rock e Darkwave. Ao folhear para a página seguinte, nos deparamos com a matéria de capa: "Tribal Fusion - Histórico e Tendências". Essa matéria teve origem aqui no blog (sim!), quando foi escrita pela colaboradora Melissa Souza, mas na Gothic Station atinge um patamar mais elevado, um lindo registro de um estilo de dança que fascina cada vez mais as mulheres alternativas. 


Das Ich, uma das bandas essenciais dentro do movimento Neue Deutshe Todeskunst, ligado à formação do WGT, ganha quatro páginas em uma entrevista em que conta um pouco de sua trajetória.

Uma das coisas que mais gosto da Gothic Station são as matérias sobre cinema. A sétima arte tem grande influência na formação da subcultura gótica e é sempre bom conhecer um pouco mais as referências. Nesta edição, creio que muitos vão apreciar a matéria que trás as obras de Poe por três cineastas europeus através do longa "Histórias Extraordinárias".



Como uma voraz leitora, nem preciso dizer que a sessão de literatura me agradou muitíssimo e tem tudo para agradar você, admirador das obras de Edgar A. Poe. Em cinco páginas dedicadas ao mestre, "O que faz dele um escritor extraordinário?" pergunta a autora da matéria, Luciana Fátima. O texto tenta buscar as respostas desta pergunta, abordando tanto a admiração de outros escritores sobre ele, quanto desenvolvendo uma ligação entre suas obras e personagens com sua vida pessoal.



A Gothic Station nº 4 é, assim como as edições anteriores, um respiro de arte e cultura alternativa. Tocá-la e folhear suas páginas é ter um material gráfico caprichado e principalmente ver que PESSOAS se dedicaram a escrever para oferecer um conteúdo que tomou tempo e dedicação de cada um. Mostrando que existem pessoas neste Brasil que são responsáveis pela criação de conteúdo e difusão de conhecimento sobre cultura alternativa. Só tenho a agradecer a todos que nestas quatro edições criaram um material que daqui há muitos anos ainda serão úteis a quem quiser se informar sobre moda e cultura alternativa.  

Neste momento, a revista precisa do SEU apoio! Precisa muito que as edições esgotem na loja para que a edição número 5 seja produzida, já que não há mais financiamento coletivo para a publicação. Por isso vou deixar abaixo o link da resenha de cada uma das edições e o link da loja.

Pra finalizar, preciso da ajuda de vocês com relação a revistas alternativas! Vou lançar algumas questões aqui e vocês respondem nos comentários com "sim" ou "não".
1. Você prefere uma revista alternativa no formato virtual?
2. Você apoiaria financeiramente uma revista alternativa virtual?
3. Você se interessa que a Gothic Station continue existindo de forma física?


Link da loja:



Link das resenhas:
Gothic Station #1
Gothic Station #2


Acompanhe nossas mídias sociais: 
Instagram Facebook Twitter - Tumblr - Pinterest - Google +  Bloglovin´

Direitos autorais:
Artigo original do blog Moda de Subculturas. É permitido compartilhar a postagem. Ao usar trechos do texto como referência em seus sites ou trabalhos precisa obrigatoriamente linkar o artigo do blog como fonte. Não é permitida a reprodução total do conteúdo aqui presente sem autorização prévia. É vedada a cópia da ideia, contexto e formato de artigo. Plágios serão notificados a serem retirados do ar (lei nº 9.610). As fotos pertencem à seus respectivos donos, não fazemos uso comercial das mesmas, porém a seleção e as montagens de imagens foram feitas por nós baseadas no contexto dos textos. 

3 de dezembro de 2017

GOTHIC STATION: terceira edição da revista trás matéria de capa com a editora do Moda de Subculturas!

A GOTHIC STATION é a primeira revista brasileira impressa dedicada à subcultura gótica. Desde a primeira edição sou colunista de moda, cada edição tem um tema central: a primeira foi sobre Famílias Góticas, a segunda sobre Diversidade na Cena e a terceira tem Moda como tema. Foi com muita surpresa que recebi o convite do editor Henrique Kipper para ser capa. Portanto, gostaria de convidar a todos para conhecer o projeto de financiamento da terceira edição da Gothic Station!

A campanha está ativa até o dia 10/01/2018
moda-de-subculturas


Mas o que estou fazendo lá?
Ser capa de revista é algo que eu me divertia imaginando quando nova, mas nunca levei à sério a ideia, sempre preferi a parte mais intelectual da moda e acreditava que certas coisas tinham ficado completamente para trás. Mas a vida dá aquelas surpresas né? Entendo o convite como resultado de meu trabalho no Moda de Subculturas, o que significa um baita reconhecimento do que apresento aqui!
Essa edição tem tema central sobre MODA!
Sou colunista e desta vez escrevi um artigo sobre a história dos popularmente conhecidos "New Romantics" onde revelo o que esta subcultura tem a ver com a subcultura gótica! Parece meio impossível não é? Mas nessa matéria exclusivíssima trago o elo perdido que liga os dois grupos, legal né? É uma informação que veio após pesquisa e dedicação e quem comprar a revista vai ter acesso à história desta subcultura.
Tem outras matérias envolvendo moda gótica, mas isso fica pra revelar quando a revista for lançada, não vou estragar a surpresa! E ainda tem as habituais matérias sobre comportamento, turismo, música (tá demais!) trazendo The Knutz, Blutengel, Opera Multi Steel em entrevistas exclusivas, além das sessões de literatura e cinema.

https://www.catarse.me/gothic_station_3


Precisa ser gótico pra comprar a revista? 
Não precisa ser gótico pra comprar a revista! Embora aborde temas desta subcultura alternativa, num geral as matérias são  cultura e informações sobre musica, literatura, turismo, arte, moda e etc, basta você ter interesse em alguns destes temas ou ter interesse em cultura alternativa. Se você é estudante e precisa de fontes de pesquisa na área, taí!

Apoie a cena alternativa
A revista é uma produção independente financiada pelos leitores, admiradores e interessados em subcultura e cultura alternativa, portanto é fundamental o apoio à publicação para que ela continue existindo. A revista não é de "uma cena gótica específica" já que é feita por pessoas espalhadas pelo Brasil que procuram oferecer conteúdo de qualidade à vocês.

Peço a quem não tiver interesse em comprar a edição ou quem não puder comprar, que compartilhe um dos links abaixo em suas redes sociais para que mais pessoas conheçam este projeto maravilhoso que precisa continuar existindo!

link direto catarse (clique para abrir):

 No face, pode compartilhar esse post do Henrique Kipper:

No insta, pode compartilhar qualquer uma das fotos deste post + o link:

goth-magazine


Um recado para lojas alternativas:
A edição tem destaque para Moda e a revista tem espaço para anúncios publicitários!
Se você tem loja e tem interesse em aparecer para possíveis consumidores de sua marca, anuncie na GOTHIC STATION! Existe a possibilidade de marketing nas páginas desta e de futuras edições. Para anunciar na Gothic Station basta contatar o Henrique Kipper para ter mais informações. Contatos do Kipper:
Perfil no Face: https://www.facebook.com/henrique.kipper
E-mail: henrique_kipper@yahoo.com
 

Sobre as metas
Estou torcendo pra meta da revista ser atingida! Mas não escondo o desejo de ela ser superada. Porque quanto mais a meta for superada, mais chances da publicação ganhar mais páginas e vir com um CD. E a gente quer isso né? É uma oportunidade de conhecer e apreciar bandas góticas.



 https://www.catarse.me/gothic_station_3


Dicas de pacotes!
São 50 Pacotes para vocês escolherem (acesse-os aqui), somente  a edição #3 custa R$29,00, mas se você está em dúvida, aqui vai umas dicas:

Se você é interessado na história da subcultura gótica:

O pacote 6 ou o 8.
Se você gosta ou quer conhecer música gótica:

Qualquer um dos pacotes dos números 22 ao 38, basta escolher a banda.
Se você gosta de comics:

O pacote 11.
Se você gosta de romance gótico ou HQ:

Qualquer um dos pacotes dos números 39 a 47. Minha dica pessoal é o pacote de número 46 ;)
Se você gosta de moda ou decoração:
Pacotes 48 a 50.

Sobre o valor
Você só paga o valor escolhido no pacote. 



Se você nunca viu a revista e quer ter ideia de como ela é, vou deixar aqui as postagens que fiz com fotos das edições anteriores:

- Revista GOTHIC STATION #1
- Revista GOTHIC STATION #2


Eu acredito que vocês imaginem a dificuldade que é criar uma revista numa época em que tudo está disponível na internet. Mas quem conheceu as duas primeiras edições, tenho certeza que conseguiu perceber a dedicação em fazer o melhor dentro das limitações. Há ainda muito a evoluir mas aos poucos vamos refinando o trabalho. Quem se interessar por subcultura gótica e sua cultura, assim como por cultura alternativa num geral, pode compartilhar os links como forma de apoio. E sim, a revista pode ser enviada aos que moram no exterior.

Não deixe de compartilhar e apoiar o projeto! <3



Atualizado: 08/12/2017

Acompanhe nossas mídias sociais: 
Direitos autorais:Artigo das autoras do Moda de Subculturas. É permitido usar trechos do texto como referência em seus sites ou trabalhos, para isso precisa obrigatoriamente linkar o artigo do blog como fonte. Compartilhar e linkar é permitido, sendo formas justas de reconhecer nosso trabalho. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo aqui presente sem autorização prévia. É proibido também a cópia da ideia, contexto e formato de artigo. Plágios serão notificados a serem retirados do ar (lei nº 9.610). As fotos pertencem à seus respectivos donos, porém, a seleção e as montagens de imagens foram feitas por nós baseadas no contexto dos textos.

© .Moda de Subculturas - Moda e Cultura Alternativa. – Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in