.Moda de Subculturas - Moda e Cultura Alternativa.: Cultura de Moda

30 de abril de 2010

Cultura de Moda

Tenho ouvido muito por aí que brasileiro não tem cultura de moda. Eu concordo que uma boa parcela da população não tem mesmo.

Entender o que é cultura de moda é simples.
Quem não tem cultura de moda não consegue ver a moda além da futilidade. Não consegue ver a moda em aspecto mais amplo,sociológico, simbológico e cultural. É aquele tipo de pessoa que não entende que a moda é história, característica de um povo, religião, identificação de grupos e que se modela e se adequa à época em que se vive.

Há uma falsa idéia disseminada, que a moda é sinônimo de futilidade. Essas pessoas enxergam a roupa apenas como aparência, não percebem que a roupa é um reflexo do que acontece ao nosso redor.

A moda faz parte da cultura de um povo assim como a cultura também se mostra através da moda. Observem a cultura indiana e seus milhares de adereços, o uso da burca e véus nos países árabes, os índios que usam peles, penas ou pinturas corporais como forma de vestimenta e identificação de suas tribo, os kimonos japoneses e tantas outras vestimentas características mundo afora.

Lembram quando as mulheres usavam corsets? Uma peça rígida que fazia as mulheres terem poucos e deliberados movimentos fazendo-as ser um espelho da riqueza de seus maridos. Afinal, não precisavam se locomover pra lá e pra cá, não trabalhavam, não cuidavam de seus filhos... Com as grandes guerras levando os homens para os campos de batalha as mulheres se viram obrigadas a trabalhar para sobreviver e os trajes tiveram que se adaptar. A partir do momento que a mulher passou a trabalhar, a se livrar da dependência de seus homens o corset foi abandonado, as mulheres passaram a usar calças e saias calças para ir de bicicleta até o trabalho.

Observem o vestuário pós guerra: anos 1910 (a primeira guerra foi em 1914), reparem como as roupas da segunda metade dessa década tinha menos tecidos, comparado há alguns anos antes. Com o fim da guerra, os anos 1920 trouxeram revoluções modernistas, mulheres encurtando vestidos e cortando cabelos curtíssimos, tudo era muito alegre e revolucionário.
Nos anos 1940, a guerra volta, os homens partem para o campo de batalha novamente e as mulheres vão para as fábricas. Enquanto as guerras acontecem, as fábricas quase não fazem tecidos, que se tornam caros e raros, as roupas se tornam mais simples e de cores sombrias e pesadas, cinza, pretos, azul marinho, são cores que predominam. Quando guerras acabam, as fábricas voltam a fazer tecidos, as roupas ficam alegres, coloridas , volumosas e de formas confortáveis e a mulher, deveria voltar ao lar, cuidar dos filhos e maridos, comportamento típico de 1950!
Quando da entrada feminina no mercado de trabalho os traços andróginos foram muito valorizados. A mulher usou tailler nos anos 1930 e 1940, e observem a mulher dos anos 1980 com seus ternos e ombreiras imensas.

Nas épocas de escassez de comida as mulheres gordinhas eram as mais admiradas pois significava não serem miseráveis. Hoje em dia, com a abundância e desperdício de comida, as mais magras são o ideal de beleza, indicação de que, ao invés de ficar comendo sem parar, ela se cuida, vai a academia, clínicas de estética, come comida light, faz coisas que são mais caras e que quem é pobre não pode fazer.
O mesmo com o bronzeado. Antigamente relacionado à pobres, pessoas que precisavam trabalhar para sobreviver. Atualmente, como todo mundo trabalha, o bronzeado virou símbolo de lazer, significando que a pessoa tem tempo para se divertir.

Voltando ao tema das guerras, logo após o 11 de setembro de 2001, houve um revival da moda gótica – romântica - vitoriana, o que refletia o momento de tristeza e apreensão de como estava o mundo pós-terror.
Quando a situação melhorou um pouco e os anos de ouro (1940 e 1950) foram resgatados, buscando o romantismo e a suavidade de tempos passados.
Com a igualdade de sexos e o fim do cavalheirismo, as mulheres inconscientemente retornam à estas épocas onde a mulher era tratada com mais gentileza e delicadeza, vide como o revival dos anos 1950 rendeu pa moda nestes últimos anos, a mulher está muito mais feminina do que 8 anos atrás!

Tá vendo? Saber tudo isso é ter cultura de moda!
Não apenas cultura, são signos da moda, mostram como a moda reflete nossa cultura. E é através de mudanças na moda que percebemos as mudanças do tempo, na história.
Assim, como a cultura, a moda é viva e está em constante mudança e desenvolvimento, não é fútil e nem supérflua, é apenas o espelho de como vivemos.

Aos brasileiros, falta ver a moda como algo importante na nossa sociedade.
Respeitar a moda como profissão séria e não pensamentos do tipo “eu sei costurar então também sou estilista” como se fosse possível uma pessoa apenas por entender de psicologia pudesse abrir seu próprio consultório. Moda não é só fazer um desenho, comprar um tecido, costurar e depois vender. Ser um estilista, um consultor de moda, um produtor de moda etc, é mais do que isso, os profissionais da moda aprendem a conhecer signos, aspectos sociológicos, históricos e assim fazem o seu trabalho. Precisamos estar sempre informados sobre o que acontece no mundo porque sim, tudo ainda vem de lá, dos países que “mandam” no nosso planeta que estão mais avançados que nós.

Mas uma dica que deixo é: precisamos ficar ligados no que acontece lá fora e trabalhar com o que temos aqui. Quando nos aceitarmos, teremos uma moda 100% nacional, completamente adaptadas à nossa cultura. Porque há 510 anos, tudo que fazemos aqui é cópia ou herança dos povos que nos colonizaram. Quando aceitarmos e descobrirmos nossa própria cara, aí, quem sabe, nossa cultura de moda é que seja imitada lá fora e não, nós que imitaremos a deles.

Este texto continua na próxima postagem, que falarei sobre a cultura de moda nas subculturas.
  • 2Blogger Comment
  • Google+ Comment
  • Facebook Comment
  • Disqus Comment

2 Comments

  1. Adorei o post Sana!
    É bom saber um pouco mais sobre a moda e seu papel na cultura e história mundial.
    Tinha coisa aí que não tinha nem idéia hehe, por exemplo a moda depois do 11 de setembro, eu nem tinha reparado, e realmente é verdade.
    E realmente tem muito disso que você comentou, mesmo entre as subculturas, de quem moda é algo "fútil" e não darem à moda de subculturas o devido valor que ela merece dentro da subcultura.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Realmente muito interessante.
    As vezes as pessoas ficam mais preocupadas em saber fazer combinações de roupas,saber do design mas não se preocupam tanto com o valor filosófico e sociológico da moda.Talvez com valor sociológico maior que o filosófico,mas é preciso ver muito mais além do que um look todo trabalhado e observar se há realmente nossa essência e nossa expressão nas roupas que usamos.

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar! As respostas serão dadas aqui mesmo, então não esquece de clicar no botão "notifique-me" pra ser informada.

comments powered by Disqus
Pin It button on image hover